Seguir o O MINHO

Guimarães

Guimarães quer ser cada vez mais uma “referência e modelo inspirador” em políticas ambientais

Câmara traçou um “programa ambicioso” para promover uma “eco cidadania exigente”, envolvendo quatro universidades e mais de 400 instituições.

em

Foto: DR/Arquivo

A Câmara de Guimarães traçou um “programa ambicioso” para promover uma “eco cidadania exigente”, envolvendo quatro universidades e mais de 400 instituições, que visa tornar o município cada vez mais uma “referência e modelo inspirador” em políticas ambientais.

A autarquia divulgou hoje que o projeto, denominado Estrutura de Missão 2030, será uma “plataforma de discussão e reflexão sobre os grandes temas do desenvolvimento sustentável”, entre os quais Alterações Climáticas e Energia, Natureza, Paisagem e Biodiversidade, Resíduos e Eco-Inovação, Ar e Acústica, Mobilidade Sustentável e Planeamento, Água, Eco cidadania, Eco cultura e Turismo Sustentável, Educação, Desenvolvimento Social e Bem-estar, Ambiente Urbano e ‘Smart City’, Comunicação e Relações Internacionais.

O projeto assenta num conselho consultivo onde estão representadas mais de 400 instituições do concelho, sendo que será “adicionado o conhecimento científico à gestão do território”, com a presença da Universidade do Minho (UM), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Universidade das Nações Unidas (UNU) e Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA).

“Estamos convictos que, através de uma cooperação institucional forte, fomentaremos o ambiente propício para o desenvolvimento de uma agenda Guimarães 2030 que aposte numa participação pró-ativa, aberta, permeável à discussão”, salientou o presidente da Câmara, Domingos Bragança.

O objetivo, referiu o autarca, é mostrar que Guimarães quer “continuar a ser uma referência e um modelo inspirador tanto em Portugal como na Europa e no mundo”.

A Estrutura de Missão 2030, explicou, irá ser guiada pelos “valores da sustentabilidade”, constituindo-se como “um programa ambicioso de transformação da atual sociedade na direção de uma eco cidadania exigente”.

Apesar de confiante, Domingos Bragança alertou que “o caminho a percorrer será longo” e apontou a nomeação como Capital Verde Europeia como um desígnio a seguir.

“Pretendemos preparar uma nova candidatura a Capital Verde Europeia a apresentar quando os vimaranenses e os parceiros da Estrutura de Missão entenderem que é possível”, disse.

No centro da Estrutura de Missão estará o Conselho Consultivo, que funcionará através de dinâmicas de grupo num modelo participativo e informativo do qual resultarão ideias e propostas focadas na transformação de comportamentos em prol de uma sociedade carbono neutro.

Pretende-se que “todos os cidadãos, nos mais diferentes quadrantes da sociedade, se envolvam na discussão e análise dos desafios decorrentes do desenvolvimento sustentável”.

Para além do Conselho Consultivo, a Estrutura de Missão contará com um Conselho Especializado, composto por equipas multidisciplinares, onde se dará primazia à cooperação entre as diferentes instituições em prol do estudo das problemáticas, desenvolvimento de ações/projetos e monitorização do progresso.

Desta Estrutura de Missão farão igualmente parte todos os membros do executivo municipal, um Comité Externo de Aconselhamento, constituído por figuras ligadas ao desenvolvimento sustentável, destacando-se os membros que integraram a anterior Estrutura de Missão, como o professor Mohan Munasinghe, a professora Jane Carrethures e o ex-Mayor Will Winn.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Guimarães

Posto de combustível em Guimarães assaltado pela quarta vez esta semana

PJ investiga

em

Um posto de abastecimento de combustíveis, na Rodovia de Covas, em Urgezes, Guimarães, foi assaltado, esta quinta-feira, por volta das 18:00 horas.

Segundo conta o Guimarães Digital, que avança a notícia, esta foi a quarta vez, só esta semana, que aquela bomba da Galp foi visitada por o assaltante que, ao que se presume, será o sempre o mesmo.

O suspeito, que poderá ter “entre 17 e 18 anos”, exigiu o dinheiro ao funcionário do posto e colocou-se em fuga pelas traseiras.

A PSP tomou conta da ocorrência, enquanto a PJ continua a investigar.

Continuar a ler

Guimarães

Atenção, Guimarães: Túnel do Nó do Castanheiro encerrado na manhã de terça-feira

Trânsito

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

O Município de Guimarães informou hoje que o Túnel do Castanheiro irá estar condicionado durante a manhã desta terça-feira.

Informação Municipal

Túnel do Nó do Castanheiro encerrado ao trânsito entre as 09h30 e as 12h30

Alteração à circulação do trânsito no sentido norte-sul, por razões de conservação do túnel.

A Câmara Municipal de Guimarães informa que esta terça-feira, 16 de abril, será proibido o trânsito na EN105, sentido norte-sul, no Nó do Castanheiro, no período previsto entre as 09h30 e as 12h30, por razões de conservação do túnel.

O desvio do trânsito será feito pela Rua Eduardo Manuel de Almeida, até à rotunda com a Rua António Costa Guimarães (Hotel de Guimarães), local onde será efetuada a manobra de inversão de marcha, por forma a retomar a referida estrada nacional (circular urbana), após o nó em causa.

Durante a realização destas obras verificar-se-ão congestionamentos pontuais à circulação automóvel, pelo que se apela à melhor compreensão dos munícipes.

Continuar a ler

Guimarães

Castelo de Guimarães distinguido com prémio Cinco Estrelas Regiões

Galardão

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

O Castelo de Guimarães foi distinguido com o Prémio Cinco Estrelas Regiões na categoria “Monumentos Nacionais”, anunciou hoje fonte da autarquia.

Em comunicado, o município adiantou que aquela distinção baseia-se num “sistema de avaliação que identifica, segundo a população portuguesa, o melhor que existe em cada um dos 20 distritos (incluindo regiões autónomas) ao nível de recursos naturais, gastronomia, arte e cultura, património e outros ícones regionais de referência nacional; bem como premeia empresas portuguesas que se diferenciam a nível regional”.

“Através de uma votação nacional, os portugueses identificaram, para cada um dos distritos, o que consideram extraordinário a vários níveis (estudo envolveu 205.895 indivíduos). Esta votação foi gerida pela Multidados.com, uma das empresas de estudos de mercado parceiras dos Prémios Cinco Estrelas”, é ainda explicado.

Caminha: Praia de Moledo distinguida com prémio Cinco Estrelas Regiões

No distrito de Viana do Castelo, na categoria “Praias”, a praia de Moledo, em Caminha, também recebeu idêntica distinção, segundo informou o município na semana passada.

Castelo de Guimarães

Classificado como Monumento Nacional, o Castelo de Guimarães está na origem da Nação Portuguesa. Foi a primeira estrutura militar construída em Vimaranes, (Guimarães) data provavelmente do século X, mandada edificar por Mumadona Dias, que herdara do seu marido o governo das terras de Portucale. Em 1127, D. Afonso Henriques e as suas forças resistiram aí às forças de Afonso VII de Leão e Castela. No ano seguinte, mais precisamente em 24 de junho de 1128, D. Afonso Henriques venceu aí as forças da sua mãe, D. Teresa, dando assim origem ao novo reino, o reino de Portugal.

Já entre o final do século XII e o início do século XIII, o rei D. Sancho I definiu os limites da vila, dando assim, início à construção das muralhas. Em meados desse século, já debaixo do reinado de D. Afonso III, ficou definido o traçado definitivo das muralhas que passaram a unificar a vila do Castelo, no topo do Monte Largo, e a vila de Santa Maria, no sopé. As muralhas ficaram concluídas já no início do século XIV, no reinado de D. Dinis.

As muralhas viriam a ser reforçadas já na segunda metade do século XIV, no reinado de D. Fernando, para proteger a vila das investidas do rei D. Henrique II de Castela, que começava a invadir Portugal desde o Minho, tendo já conquistado a vizinha Braga.

Em 1389, o rei D. João I unificou as comunidades alta e baixa da povoação de Vimaranes, juntando-as sob um único concelho ao qual passou a dar o nome de Guimarães. Nesta altura, a muralha contava com um perímetro de 2Km, sendo rasgada por oito portas e reforçada por oito torres. Com os avanços tecnológicos e os progressos militares, o Castelo de Guimarães começou a perder a sua importância militar e a ser relegado para segundo plano, passando a abrigar a Cadeia Municipal, no século XVI. No século seguinte, o castelo passou a assumir a função de palheiro do rei, começando assim a sua ruína. Em meados do século XIX, a Torre de São Bento foi mandada demolir.

Em 1853, Guimarães foi elevada a cidade pela rainha D. Maria II, sendo mais tarde, em decreto publicado a 19 de março de 1881, o Castelo classificado como “Monumento Histórico de 1ª Classe”, o primeiro da região do Minho.

Já no século XX, o Castelo de Guimarães foi classificado como Monumento Nacional, nos anos de 1908 e 1910. Em 1937 deu-se início a uma extensa campanha de intervenção para a recuperação do Castelo e das Muralhas, vindo o Castelo a ser reinaugurado em 4 de junho de 1940, para as comemorações do VIII Centenário da Fundação da Nacionalidade.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares