Guimarães finalista da Capital Verde Europeia

Braga fora da corrida
Foto: DR

Guimarães é uma das três cidades finalistas que disputam o título de Capital Verde Europeia 2026.

Braga, que também era candidata, fica fora da corrida.

Guimarães chega à fase final da competição pelo segundo ano consecutivo e disputará o título com Heilbronn (Alemanha) e Klagenfurt (Áustria).

A cidade vencedora será conhecida em 24 de outubro, numa cerimónia que terá lugar em Valência, Capital Verde Europeia em 2024.

“É um enorme orgulho para o município de Guimarães ver novamente valorizado o trabalho que desenvolve em prol da sustentabilidade”, considera Domingos Bragança, presidente da Câmara, citado em comunicado.

O autarca considera que a presença de Guimarães, pelo segundo ano consecutivo, entre as cidades finalistas ao título de Capital Verde Europeia é a prova de que o caminho que está a ser trilhado é o certo: “O nosso compromisso com o desenvolvimento ambientalmente sustentável só é possível com o apoio das escolas e universidades, empresas e cidadãos, pois só dessa forma alcançaremos o objetivo comum de sensibilizar a população para a necessidade de proteger o ambiente e assim combater as alterações climáticas. As iniciativas e ações que temos vindo a realizar, ao longo dos últimos anos, fazem de Guimarães uma cidade referência para as outras cidades, portuguesas e europeias”.

O painel de sete especialistas independentes que avaliou o lote inicial de nove cidades candidatas valorizou o desempenho das três cidades finalistas, incluindo Guimarães, em sete parâmetros ambientais: qualidade do ar; qualidade da água e eficiência; biodiversidade, áreas verdes e uso sustentável do território; desperdício e economia circular; poluição sonora; desempenho energético e mitigação das alterações climáticas; e adaptação às mesmas.

De acordo com o júri, o município de Guimarães foi selecionado “pelas suas práticas de gestão de resíduos e economia circular, proibindo materiais de utilização única em eventos da cidade e promovendo programas de prevenção de resíduos alimentares. Além disso, também melhorou a eficiência hídrica através da redução do consumo de água nos edifícios municipais, da deteção e reparação precoce de fugas e da criação de estações de água públicas”.

Em outubro, as cidades finalistas apresentarão a um painel de jurados internacionais, presidido pela Comissão Europeia, a sua estratégia de comunicação e o plano de ação que será implementado, no caso de virem a ser eleitas Capital Verde Europeia 2026. Para além de um troféu, a cidade vencedora receberá um prémio financeiro de 600 mil euros, destinado a apoiar ações-chave nas sete áreas de indicadores ambientais e a organizar eventos de sensibilização, com e para os cidadãos.

Ecossistema Guimarães 2030 lidera transição sustentável

Ao longo dos últimos anos, Guimarães tem reforçado a aposta na sustentabilidade através de ações e projetos que se inserem num ecossistema de governança integrador, participativo e multidisciplinar, o Guimarães 2030. Trata-se de um modelo coordenado pelo município, em conjunto com o Laboratório da Paisagem, e, para além do Governo, envolve universidades, empresas, associações sem fins lucrativos, decisores políticos e cidadãos. O objetivo é tornar o território climaticamente neutro até 2030, com foco na investigação, educação e sensibilização ambiental.

A inclusão de Guimarães na ‘shortlist’ das cidades que disputam o título de Capital Verde Europeia 2026 surge depois de, em 2017, Guimarães ter alcançado o quinto lugar na disputa pelo título de 2020 e de, no ano passado, ter sido uma das três cidades finalistas ao título de 2025 – título que acabaria por ser atribuído à cidade de Vilnius, na Lituânia. Em caso de vitória, Guimarães tornar-se-á na segunda cidade portuguesa premiada, depois de Lisboa ter conquistado o título em 2020.

Sobre a Capital Verde Europeia

A Capital Verde Europeia, iniciada em 2010 pela Comissão Europeia, promove cidades sustentáveis, reconhecendo anualmente uma cidade líder nos padrões ambientais e metas ambiciosas de sustentabilidade urbana e combate às alterações climáticas. Essas cidades servem como modelos inspiradores para outras cidades, liderando transformações sociais e implementando o Pacto Ecológico Europeu. A elegibilidade é dirigida a cidades com mais de 100.000 habitantes nos Estados-Membros da UE, países candidatos à UE e alguns países associados.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Mulher ganha 108 mil euros na raspadinha em Guimarães: "Fiquei mais eufórica que a cliente"

Próximo Artigo

Banhos desaconselhados em Vila Praia de Âncora

Artigos Relacionados
x