Seguir o O MINHO

Futebol

Guarda-redes do GD Chaves quer voltar a jogar após superar cancro

Ricardo Nunes, natural da Póvoa de Varzim

em

Foto: Facebook de GD Chaves

O guarda-redes Ricardo Nunes, do Desportivo de Chaves, da II Liga de futebol, de regresso aos treinos sem limitações após ultrapassar um problema oncológico, disse hoje que voltar a competir será “importante após um momento tão difícil”.

“Voltar a jogar será sempre importante depois de passar um momento tão difícil. Esse jogo vai ser sempre especial e um troféu por conseguir ultrapassar uma coisa tão dolorosa como o cancro”, confessou em declarações aos jornalistas após a sessão de trabalhos que decorreu em Chaves, no distrito de Vila Real.

Três meses depois de ter interrompido a carreira para tratar um problema oncológico, Ricardo Nunes voltou aos treinos na terça-feira sem limitações ao serviço do clube do segundo escalão.

Visivelmente emocionado, o guarda-redes de 37 anos manifestou ainda a vontade de ajudar a equipa a “atingir o objetivo da subida de divisão”.

“Seria a cereja no topo do bolo para mim e para premiar os adeptos que sempre estiveram do meu lado com mensagens bonitas de apoio”, acrescentou Ricardo Nunes.

O futebolista natural da Póvoa do Varzim explicou que foi detetado um tumor no testículo, que obrigou à sua remoção e colocação de uma prótese e que agora tem de fazer exames de rotina de três em três meses durante um ano.

“Os riscos que tinha era que ao fazer quimioterapia podia ficar infértil. Felizmente tenho dois lindos filhos e não contava ter mais. Esteticamente está tudo igual ao que estava antigamente, não tenho qualquer pudor ou receio”, vincou.

O capitão do Desportivo de Chaves interrompeu a sua carreira de futebolista em 20 de agosto para tratar um “problema oncológico”.

Ricardo Nunes, de 37 anos, foi sujeito em 27 de agosto a uma intervenção cirúrgica, que decorreu no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto.

O experiente guarda-redes quer ser “um rosto” para as outras pessoas que sofrem de doenças oncológicas e que estão “em situações mais complicadas”.

“Nunca pensei em desistir, mas pus de lado a carreira pois a prioridade é a minha vida e o foco foi lutar pela vida. Agarrei-me a isso, fui tratado como se estivesse em casa no IPO, a dra. Matilde foi o meu anjo da guarda, e desde as pessoas do parque de estacionamento a limpeza, todos são importantes para pessoas que passam por estas situações”, explicou.

Para Ricardo Nunes, a força da família e amigos foi importante para ultrapassar o problema, que foi tratado rapidamente por ter sido detetado numa fase inicial.

“Tive um pouco de sorte, o meu caso foi detetado numa fase inicial e isso foi importante para não fazer certos tipos de tratamentos e estar aqui o mais rapidamente possível”, acrescentou.

Ricardo Nunes aconselhou ainda que todas as pessoas que passam por um problema oncológico devem ser sempre acompanhadas por um psicólogo.

O experiente guarda-redes representa pela quarta temporada consecutiva o conjunto transmontano, agora na II Liga, após três épocas no escalão máximo, tendo realizado um total de 59 partidas.

No seu currículo conta com passagem por clubes como FC Porto, Académica, União de Leiria e Varzim, no qual fez a sua formação.

Anúncio

Futebol

Jogadores e treinadores de ex-adversário do Vitória doam um dia de salário para ações solidárias

Incluem a doação da receita do jogo contra o Manchester City

em

Foto: Divulgação

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal, que defrontou por duas vezes o Vitória na Liga Europa desta época, vão doar um dia de salário à fundação The Arsenal para ações solidárias de natal e vão ainda usar uma camisola especial no jogo frente ao City.

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de natal do clube, que incluem a doação da receita do jogo contra o Manchester City, no domingo, anunciaram esta sexta-feira os londrinos.

As verbas vão ser entregues à fundação The Arsenal, que também já recebeu as receitas de bilheteira da partida entre a equipa feminina do Arsenal e o London Bees, disputada na quarta-feira.

Para assinalar a iniciativa, os jogadores do Arsenal vão atuar frente ao City com uma camisola especial, com o logótipo da fundação do clube.

Continuar a ler

Futebol

Mateus Pasinato (Moreirense) é o guardião com mais defesas na Liga

Média de 4,31 defesas por jogo

em

Foto: Twitter

Mateus Pasinato, guarda redes do Moreirense, é o guardião com mais defesa no campeonato, decorridas 14 jornadas, anunciou esta sexta-feira a Liga Portugal.

O brasileiro de 27 anos cumpre a primeira época no futebol português, depois de uma carreira cumprida na sua totalidade no país natal, onde representou clubes como o XV de Piracicaba, Vila Nova ou São Bento.

Até dezembro, o guardião de 1,92 de altura tem sido um dos destaques do emblema cónego.

No total, o jogador natural de Concórdia (Santa Catarina) soma um total de 56 intervenções ao longo dos 13 encontros em que participou.

Números que se traduzem numa média de 4,31 defesas por jogo que, aliados ao facto de Mateus Pasinato ser, atualmente, o único totalista do plantel do Moreirense, deixam bem patente a sua importância para a formação orientada por Vítor Campelos.

Um papel ainda mais reforçado com os números alcançados por Pasinato nas jornadas nove e onze. Nas deslocações a Vila do Conde e Famalicão, o guardião dos cónegos atingiu o seu máximo de defesas num jogo, nesta competição – nove em cada -, revelando-se absolutamente decisivo para os dois empates alcançados pela equipa do Moreirense FC, nestes dois embates.

Igualmente em destaque pelo número de defesas efetuadas surgem os nomes de Marco Pereira (Santa Clara) e Cláudio Ramos (CD Tondela), que seguem na segunda e terceira posição, respetivamente, desta estatística.

O guarda-redes dos açorianos é, também, o único totalista da sua equipa e contabiliza um total de 55 intervenções. Um registo decisivo para o Santa Clara ser a quinta defesa menos batida da competição, a par de Gil Vicente FC e CD Tondela.

Já Cláudio Ramos é um dos rostos da boa campanha realizada pelos beirões, que estão a efetuar o melhor arranque da história. Com 44 defesas efetuadas, o internacional português contribuiu de forma preponderante para o bom registo defensivo da formação tondelense, que apenas consentiu 14 golos.

Continuar a ler

Futebol

Treinador do Benfica alerta para a qualidade do Famalicão

Benfica recebe Famalicão no sábado, às 18:00

em

Foto: Facebook de FC Famalicão

O treinador Bruno Laje deixou, esta sexta-feira, um alerta público aos futebolistas do Benfica para a qualidade do Famalicão, que o campeão nacional e líder isolado da I Liga vai defrontar no sábado, em jogo da 14.ª jornada.

Em conferência de imprensa realizada no centro de estágio do clube, no Seixal, o técnico português relativizou a fase menos positiva dos famalicenses, terceiros classificados no campeonato, mas que não vencem há quatro rondas.

Bruno Laje, de 43 anos, só teve elogios para a formação de João Pedro Sousa, salientando que os resultados ficam para segundo plano na análise do adversário.

“É um facto que nos últimos quatro jogos não tem vencido, mas também não encontramos nenhuma equipa que não vence há quatro jogos e consegue marcar oito golos. Isso revela a qualidade da equipa. Fez jogos muito bons contra Sporting, FC Porto, Sporting de Braga e Vitória de Guimarães. É uma equipa que provoca imensas dificuldades e coloca muita gente a atacar. Temos de estar no nosso melhor para fazer um bom jogo e vencer”, declarou.

Um dia após a formalização do anúncio da renovação do contrato com o Benfica até 2024, Bruno Lage sublinhou que este dado não altera em nada a forma de trabalhar da equipa técnica e mostrou algum sentido de humor sobre o significado da cláusula de rescisão de 20 milhões de euros.

“Não sei o que significam… É o mundo de hoje. Em jeito de brincadeira, se eu valesse os 20 milhões, a minha mulher metia-me à venda e ficava com os 20 milhões. O importante é fazer sempre o trabalho da mesma forma e, fundamentalmente, ser verdadeiro a todo o momento. Analisar tudo, identificar as coisas boas e as coisas menos boas e trabalhar para o jogo seguinte”, observou.

Virada a página da fase de grupos das competições europeias – que terminou com o apuramento de FC Porto, Sporting e Sporting de Braga e a entrada de Benfica para a fase a eliminar da Liga Europa -, o técnico assumiu que a presença dos quatro clubes na mesma competição pode ter algum impacto no campeonato.

“O que pode mudar em termos de campeonato é o calendário, as equipas poderão jogar mais à segunda-feira. A gestão de cada momento cabe a cada treinador decidir”, resumiu.

Bruno Lage foi confrontado com a vontade manifestada pelo argentino Nico Gaitán de voltar ao clube no qual jogou durante seis épocas. Embora tenha reconhecido que chegou a ter interesse no médio quando fazia parte da equipa técnica de Carlos Carvalhal no Swansea, descartou a contratação do futebolista, de 31 anos.

“É sempre bom ouvir as palavras de um grande jogador e que fez história no clube, mas o nosso projeto e os nossos alvos estão bem identificados. O nosso desafio é encontrar esses grandes jogadores, como Gaitán e como Salvio, mas com a idade que chegaram aqui. A visão e o projeto do Benfica levam-nos a olhar para outros jogadores”, sentenciou.

O desafio da 14ª jornada da I Liga entre o Benfica, primeiro classificado, com 36 pontos, e o Famalicão, terceiro, com 24, está agendado para sábado, às 18:00, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Continuar a ler

Populares