Seguir o O MINHO

Futebol

Guarda-redes do GD Chaves quer voltar a jogar após superar cancro

Ricardo Nunes, natural da Póvoa de Varzim

em

Foto: Facebook de GD Chaves

O guarda-redes Ricardo Nunes, do Desportivo de Chaves, da II Liga de futebol, de regresso aos treinos sem limitações após ultrapassar um problema oncológico, disse hoje que voltar a competir será “importante após um momento tão difícil”.


“Voltar a jogar será sempre importante depois de passar um momento tão difícil. Esse jogo vai ser sempre especial e um troféu por conseguir ultrapassar uma coisa tão dolorosa como o cancro”, confessou em declarações aos jornalistas após a sessão de trabalhos que decorreu em Chaves, no distrito de Vila Real.

Três meses depois de ter interrompido a carreira para tratar um problema oncológico, Ricardo Nunes voltou aos treinos na terça-feira sem limitações ao serviço do clube do segundo escalão.

Visivelmente emocionado, o guarda-redes de 37 anos manifestou ainda a vontade de ajudar a equipa a “atingir o objetivo da subida de divisão”.

“Seria a cereja no topo do bolo para mim e para premiar os adeptos que sempre estiveram do meu lado com mensagens bonitas de apoio”, acrescentou Ricardo Nunes.

O futebolista natural da Póvoa do Varzim explicou que foi detetado um tumor no testículo, que obrigou à sua remoção e colocação de uma prótese e que agora tem de fazer exames de rotina de três em três meses durante um ano.

“Os riscos que tinha era que ao fazer quimioterapia podia ficar infértil. Felizmente tenho dois lindos filhos e não contava ter mais. Esteticamente está tudo igual ao que estava antigamente, não tenho qualquer pudor ou receio”, vincou.

O capitão do Desportivo de Chaves interrompeu a sua carreira de futebolista em 20 de agosto para tratar um “problema oncológico”.

Ricardo Nunes, de 37 anos, foi sujeito em 27 de agosto a uma intervenção cirúrgica, que decorreu no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto.

O experiente guarda-redes quer ser “um rosto” para as outras pessoas que sofrem de doenças oncológicas e que estão “em situações mais complicadas”.

“Nunca pensei em desistir, mas pus de lado a carreira pois a prioridade é a minha vida e o foco foi lutar pela vida. Agarrei-me a isso, fui tratado como se estivesse em casa no IPO, a dra. Matilde foi o meu anjo da guarda, e desde as pessoas do parque de estacionamento a limpeza, todos são importantes para pessoas que passam por estas situações”, explicou.

Para Ricardo Nunes, a força da família e amigos foi importante para ultrapassar o problema, que foi tratado rapidamente por ter sido detetado numa fase inicial.

“Tive um pouco de sorte, o meu caso foi detetado numa fase inicial e isso foi importante para não fazer certos tipos de tratamentos e estar aqui o mais rapidamente possível”, acrescentou.

Ricardo Nunes aconselhou ainda que todas as pessoas que passam por um problema oncológico devem ser sempre acompanhadas por um psicólogo.

O experiente guarda-redes representa pela quarta temporada consecutiva o conjunto transmontano, agora na II Liga, após três épocas no escalão máximo, tendo realizado um total de 59 partidas.

No seu currículo conta com passagem por clubes como FC Porto, Académica, União de Leiria e Varzim, no qual fez a sua formação.

Anúncio

Futebol

Autocarro do Braga apedrejado em Guimarães

SC Braga

em

Foto: DR / Arquivo

O autocarro do SC Braga foi apedrejado por desconhecidos no na A7, em Guimarães, no início desta madrugada, avança a CMTV.  Uma das pedras, de grandes dimensões, atingiu o carro que seguia na frente do autocarro causando ferimentos ligeiros ao passageiro que seguia no lugar do pendura.

O SC Braga já confirmou o ataque através de comunicado emitido durante a madrugada deste sábado por “dever de denúncia pública”, salientando a felicidade de não ocorrerem ferimentos “de enorme gravidade”.

O clube refere que a comitiva, que era escoltada por batedores da GNR, foi surpreendida na A7, já próximo do nó de saída para Guimarães Sul, quando “foi surpreendida com o arremesso de pedras de grande dimensão, atiradas a partir da berma e que por mera felicidade não resultaram em ferimentos que (…) poderiam revestir-se de enorme gravidade para os elementos que integravam a comitiva”.

“Se a cobardia daqueles que levam a cabo tais ataques não pode sequer ser adjetivada, importa porém alertar consciências e tomar medidas de escrupulosa severidade para que tais atentados à vida humana não se repitam”, sublinha o clube.

“O futebol não pode ser um veículo de ódios tão primários e de comportamentos criminosos, mas cabe às forças da autoridade a tomada de ações imediatas, evitando a todo o custo que chegue o dia em que lamentemos consequências mais dramáticas”, acrescenta.

“Quem repetidamente age na impunidade e coloca em risco vidas alheias não pode ter lugar na nossa sociedade e deve ser encarado como uma séria ameaça à mesma e à segurança que todos prezamos”, finaliza.

O SC Braga já apresentou queixa junto das autoridades e “acompanhará ativamente este processo, que se espera exemplar e dissuasor de episódios futuros”.

(notícia atualizada às 03h38)

Continuar a ler

Futebol

“O Paulinho é um ponta de lança de excelência”

Artur Jorge

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações após o jogo Paços de Ferreira–SC Braga, que terminou com a vitória dos bracarenses, por 5-1, da 31.ª jornada da I Liga de futebol:

Pepa (treinador do Paços de Ferreira): “A parte emocional não fica nada afetada pela personalidade e caráter dos jogadores. Podia ser mais grave se tivéssemos perdido a cabeça, mas ninguém perdeu a cabeça e isso foi a única coisa positiva.

Cinco amarelos nos primeiros 25 minutos, para uma equipa que gosta de pressionar alto, tornou-se mais difícil. O lance do segundo penálti é a imagem disso.

A equipa estava muito condicionada e sentiu-se de mãos atadas dentro de campo, mas também é verdade que devíamos ter criado mais profundidade e não conseguimos.

Foi uma derrota pesada, mas é o que fica, vamos recuperar rápido para o próximo jogo.”

Artur Jorge (treinador do SC Braga): “O que facilitou foi o empenho e o compromisso que os jogadores tiveram. A forma como obtivemos os golos é secundário, o importante é termos consciência de que entrámos fortes no jogo, assumimos a partida e, dessa forma, chegámos cedo à vantagem e continuámos em cima dessa vantagem.

O Paulinho é um ponta de lança de excelência. É uma mais-valia acima da média. Está no topo dos melhores marcadores, sendo um objetivo secundário, e é o reflexo do que a equipa tem feito, potenciando o Paulinho.

Hoje foram mais três pontos e continuamos a olhar para o terceiro lugar, sabendo que não dependemos só de nós, mas podem esperar um Braga forte até ao final campeonato.”

Continuar a ler

Futebol

Goleada do Braga com ‘hat-trick’ de Paulinho

31.ª jornada

em

Foto: SC Braga

O SC Braga venceu, na sexta-feira, em casa do Paços de Ferreira 5-1 e continua firme na luta pelo terceiro lugar, após a 31.ª jornada da I Liga de futebol, num jogo marcado pela exibição de Paulinho.

O avançado bracarense marcou aos três, 34 e 38 minutos, nos dois primeiros casos na transformação de grandes penalidades, fez, depois, a assistência para o quarto golo, anotado por Ricardo Horta, aos 47. Uilton ainda reduziu para o Paços, aos 78, antes de Galeno fixar o resultado final, aos 89.

Na tabela, o Braga é quarto, com 56 pontos, a três do Sporting, que venceu na receção ao Santa Clara (1-0) e fecha o pódio, enquanto o Paços mantém por agora o 13.º lugar, com 34, mas sem beliscar o objetivo da permanência, mantendo sete pontos de vantagem para a primeira equipa em zona de descida (Portimonense).

O jogo foi menos equilibrado do que se esperava, com evidente supremacia do mais forte, o Braga, embalado por um golo marcado logo aos três minutos.

Desta forma, os minhotos descomplicaram um jogo que prometia dificuldades, tendo o técnico Artur Jorge devolvido ao ‘onze’ Ricardo Esgaio e Fransérgio, o elemento mais móvel da equipa, vagueando entre o meio-campo e um ataque que contou ainda com o talento de Trincão e Ricardo Horta, nos corredores laterais, no apoio a um inspirado Paulinho.

O avançado minhoto inaugurou o marcador e ‘bisou’, também de grande penalidade, aos 34 minutos, completando o ‘hat-trick’ aos 38, ao aproveitar um passe mal calculado por Pedrinho junto à área pacense.

O golo madrugador foi um duro golpe para os locais e atrasou a sua reação, espaçada nos intervalos do domínio bracarense, mas sem o acerto de outros jogos.

A equipa, com Bruno Santos a titular por castigo de Jorge Silva, estava mais moralizada do que nunca e, em caso de vitória, ‘carimbava’ de vez a permanência no principal escalão, mas nunca se recompôs face a um Braga sempre superior, a jogar no campo todo e que facilmente ganhava metros no terreno através de tabelas curtas, diagonais rápidas e combinações a um ou dois toques.

Face ao resultado desnivelado e aos cinco amarelos exibidos aos jogadores da casa no primeiro tempo, Pepa procurou controlar os danos e fez três alterações ao intervalo, mas a equipa voltou a entrar desconcentrada e permitiu o quarto golo bracarense, aos 47 minutos, por Ricardo Horta, após assistência de Paulinho.

O jogo estava decidido e perdeu alguma espetacularidade, ainda assim com o Braga sempre mais perto de marcar, mas seria o Paços a reduzir, pelo suplente Uilton, aos 78 minutos. O pacense Bruno Santos ainda enviou uma bola ao ‘ferro’, instantes antes de Galeno, a passe de André Horta, fechar o marcador e fixar o resultado final.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Capital do Móvel, em Paços de Ferreira.

Paços de Ferreira – SC Braga, 1-5.

Ao intervalo: 0-3.

Marcadores:

0-1, Paulinho, 03 minutos (grande penalidade).

0-2, Paulinho, 34 (grande penalidade).

0-3, Paulinho, 38.

0-4, Ricardo Horta, 47.

1-4, Uilton, 78.

1-5, Galeno, 89.

Equipas:

– Paços de Ferreira: Ricardo Ribeiro, Bruno Santos, Marcelo, Maracás (Marco Baixinho, 46), Oleg, Stephen Eustáquio, Luiz Carlos (Diaby, 46), João Amaral (Uilton, 65), Pedrinho (Hélder Ferreira, 46), Adriano Castanheira e Douglas Tanque (Denilson, 55).

(Suplentes: Marco Ribeiro, Marco Baixinho, Bruno Teles, Diaby, Vasco Rocha, Uilton, Hélder Ferreira, Denilson e Welthon).

Treinador: Pepa.

– SC Braga: Matheus, Ricardo Esgaio, Bruno Viana (Bruno Wilson, 74), David Carmo, Pedro Amador, Trincão (Galeno, 79), André Horta, João Palhinha (Abel Ruiz, 65), Ricardo Horta (Rui Fonte, 79), Fransérgio e Paulinho (João Novais, 79).

(Suplentes: Eduardo, Bruno Wilson, Raul Silva, João Novais, Sanca, Abel Ruiz, Leandro Sanca, Galeno e Rui Fonte).

Treinador: Artur Jorge.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Oleg (02), Luiz Carlos (12), Stephen Eustáquio (14), Maracás (28), Pedrinho (28), João Palhinha (30), Pedro Amador (71) e Bruno Wilson (82).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

(notícia atualizada às 00h30)

Continuar a ler

Populares