Seguir o O MINHO

Braga

Grupo Casais, de Braga, vence prémio de melhor construtora no “Índice da Excelência 2019”

Quarto prémio em três meses

em

O Grupo Casais foi ontem distinguido com o prémio melhor empresa do setor de Construção, Infraestruturas, Transporte e Logística, na 4.ª edição do estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano “Índice da Excelência 2019”, foi hoje anunciado.


A empresa foi distinguida numa cerimónia que decorreu no Pestana Palace Lisboa Hotel & National Monument, em Lisboa, ficando ainda em 9.º lugar na categoria de “Grandes Empresas”.

Em comunicado enviado a O MINHO, o grupo salienta que este é “o quarto reconhecimento atribuído à construtora portuguesa em apenas três meses, premiando, desta vez, a sua política de recursos humanos”.

Em novembro de 2019, a empresa conquistou dois prémios do jornal Construir – “Prémio Sustentabilidade” e, pelo terceiro ano consecutivo, “Melhor Construtora do Ano” – e o Prémio Millennium Horizontes Internacionalização, em que foi reconhecida pela sua atividade em 16 países estrangeiros, de onde provêm 74% do seu volume de negócios.

“O Grupo Casais tem vindo a implementar uma estratégia vertical que nos permite responder ao mercado atual, à nossa dispersão geográfica e às dificuldades que o setor enfrenta após uma crise severa e prolongada, nomeadamente, a falta de mão de obra. A nível interno, implementamos a ‘Cultura Casais”, que é fundamental para assegurarmos a coesão e o alinhamento com a estratégia organizacional numa empresa com 4.500 colaboradores, dispersos por 17 mercados. Fomentamos a mobilidade dos nossos trabalhadores, a formação contínua na ‘Academia Casais’ e a partilha de experiências entre eles para fazer face à escassez de mão de obra. A nível externo, estamos focados em projetos que nos permitam manter o nosso alto padrão de qualidade”, explica António Carlos Rodrigues, CEO do Grupo Casais. “Estes prémios são o reconhecimento e o produto dessa estratégia e, é por isso, que chegam das mais diversas áreas”, acrescenta.

Essencialmente, a estratégia seguida pelo Grupo Casais, nos últimos anos, refere o grupo, é de aposta nos recursos humanos, de verticalização de operações, de concentração no core business da construção, de reforço da internacionalização e, sobretudo, de aposta na criação, conservação e disseminação do conhecimento produzido na empresa transparece nas distinções que tem vindo a somar.

Em 2020, mercado português deverá crescer

Atualmente, presente em 17 áreas geográficas – além de Portugal, Alemanha, Angola, Argélia, Bélgica, Brasil, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Estados Unidos, França, Gana, Gibraltar, Holanda, Marrocos, Moçambique, Qatar e Reino Unido –, o Grupo Casais atingiu, no ano passado, um volume de negócios agregado de 514 milhões de euros, 74% por cento dos quais provenientes da sua atividade internacional. Registou, assim, um crescimento de 8% face ao ano anterior. Angola e Portugal são os dois principais mercados da Casais, mas António Carlos Rodrigues antecipa que, em 2020, o volume de negócios em solo nacional deverá crescer.

“Estamos a crescer em Portugal, impulsionados pelo aumento da procura no setor privado, encontrando-nos particularmente envolvidos em tudo o que é edificação, nomeadamente nas áreas de escritórios, residencial e hoteleira. Tudo aponta para que este ano possamos solidificar a nossa atividade nas mesmas geografias em que estamos presentes, sendo que Portugal poderá voltar a ser o nosso maior mercado”, aponta CEO da Casais.

Excelência Global da Organização de 71,9%

António Carlos Rodrigues não hesita em apontar a “boa equipa” como um dos pilares do sucesso do Grupo. “Temos hoje colaboradores de 23 nacionalidades e, na empresa, falam-se vários idiomas. No entanto, existe apenas uma cultura. Tal acontece porque temos uma boa equipa, que nos assegura uma grande capacidade de desmultiplicação”.

As conclusões do estudo “Índice da Excelência 2019”, desenvolvido pela Neves de Almeida | HR Consulting, em parceria com a Human Resources Portugal e o INDEG-ISCTE, em que o Grupo Casais participou pela primeira vez na categoria de Grandes Empresas, apontam para um Índice de Excelência Global de 71,9%, acima da média registada pelas 18 grandes empresas participantes, de 70%.

“Esta distinção vem confirmar a resposta a uma pergunta que nos fazem constantemente: o que fez a Casais de diferente para ter ultrapassado a crise que afetou todo o setor da construção? A Casais ultrapassou a crise porque deixou de ser uma empresa de construção e passou a ser uma empresa de gestão de pessoas. Quando passamos a fasquia de 1.500 colaboradores passamos a ser uma empresa que constrói pessoas e são as pessoas que constroem obras. Nós construímos líderes em todas as funções e isso é que nos permitiu ultrapassar a crise”.

Anúncio

Braga

Exército e Marinha vão patrulhar distrito de Braga para “minimizar risco de incêndio”

Incêndios

em

Foto: Divulgação / Exército

O Exército e a Marinha vão mobilizar, até sexta-feira, 126 militares, distribuídos por 14 distritos, para ajudar a “minimizar o risco de incêndios” em Portugal, anunciou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

Os 126 militares vão fazer ações de patrulhamento em 14 distritos de Portugal continental, a pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), “por forma a minimizar o risco de incêndios florestais”, segundo um comunicado do EMGFA.

As ações, entre as 10:00 e as 20:00 dos três dias, vão decorrer nos distritos de Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Faro, Leiria, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal, Vila Real e Viseu.

Na terça-feira, a secretária de Estado da Administração Interna alertou para “um cenário meteorológico muito complicado” nos próximos dias, com um potencial de ocorrências de incêndios florestais “difíceis de gerir” e que se podem tornar “quase catastróficos”.

“Hoje, o que podemos dizer é que vamos enfrentar dias de enorme complexidade e de risco de incêndio muito elevado”, disse aos jornalistas Patrícia Gaspar, no final da reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional, na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), onde foi analisado o que se passou nas últimos dias e o risco previsto até à próxima sexta-feira.

Segundo a governante, esta semana vão ocorrer ventos fortes e velocidades de propagação de incêndios “muito acima da média”.

Continuar a ler

Braga

ARS Norte põe distrito de Braga em Alerta Vermelho devido ao calor

Saúde pública

em

Foto: DR

A ARS Norte, através da delegação de saúde de Braga, lançou esta quarta-feira um “Alerta Vermelho” face à previsão da manutenção das temperaturas elevadas durante os próximos três dias, que podem contribuir para um “excesso de mortalidade” por entre a população mais vulnerável.

Em comunicado enviado à nossa redação, o delegado de saúde de Braga, João Manuel Cruz, aponta o “risco de impacto na saúde das pessoas” durante os próximos três dias, revelando que, através de informação recolhida junto do Boletim ICARO, o impacto na mortalidade pode ser excessivo.

Adianta ainda que, entre 06 e 12 de julho, observou-se um aumento de mortalidade devido ao calor nas regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Alentejo, com especial predominância nas pessoas de sexo feminino no grupo etário acima dos 75 anos de idade.

Recorde-se que são esperadas temperaturas máximas para a região interior do Minho que podem rondar os 40 graus, com concelhos como Monção a poderem ultrapassar esse número no mercúrio. Na sexta-feira será o dia mais quente, de acordo com as previsões do Instituto Português da Mar e Atmosfera, com o concelho de Braga a esperar temperatura máxima de 39 graus.

Segundo o mesmo instituto, o distrito de Braga permanece em aviso laranja, o segundo mais grave numa escala de quatro, até final de sexta-feira. Encontra-se assim, em aviso laranja por questões meteorológicas e em alerta vermelho por questões de saúde pública.

Recomendações da Direção-Geral da Saúde para os próximos três dias

Beba água ou sumos de fruta natural, mesmo quando não tem sede, e evite o consumo de bebidas alcoólicas;
Faça refeições frias, leves e coma mais vezes ao dia;
Utilize roupa larga, que cubra a maior parte do corpo, chapéu de abas largas e óculos de sol com proteção UVA e UVB;
Mantenha-se em ambientes frescos arejados, pelo menos 2 a 3 horas por dia;
Evite a exposição direta ao sol, principalmente entre as 11 e as 17 horas;
Utilize protetor solar, com fator igual ou superior a 30 e renove a sua aplicação de 2 em 2 horas e após os banhos na praia ou piscina;
Evite atividades que exijam grandes esforços físicos, nomeadamente, desportivas e de lazer no exterior;
Se trabalhar no exterior, hidrate-se frequentemente, proteja-se com roupa larga e chapéu e trabalhe acompanhado porque em situações de calor extremo poderá ficar confuso ou perder a consciência;
Escolha as horas de menor calor para viajar de carro e não permaneça dentro de viaturas estacionadas e expostas ao sol;
Tenha especial atenção com os doentes crónicos, grávidas, crianças, idosos e pessoas com mobilidade reduzida;
Se está grávida modere a atividade física, evite a exposição direta ao sol e ingira frequentemente líquidos;
Assegure que as crianças consomem frequentemente água ou sumos de fruta natural e que permanecem em ambiente fresco e arejado. As crianças com menos de 6 meses não devem estar sujeitas a exposição solar, direta ou indireta;
Contacte e acompanhe os idosos e outras pessoas que vivam isoladas. Assegure a sua correta hidratação e permanência em ambiente fresco e arejado;
Se é doente crónico, ou está sujeito a terapêuticas e/ou dietas especificas, siga as recomendações do seu médico assistente ou do Centro de Contacto do SNS 24: 808 24 24 24;
No período de maior calor, corra as persianas ou portadas. Ao entardecer deixe que o ar circule pela casa;
Mantenha-se informado quanto às previsões meteorológicas e siga as recomendações da Direção-Geral da Saúde;
Em caso de emergência ligue 112.

Continuar a ler

Braga

Ciclistas manifestam-se amanhã em Braga. “Basta de atropelamentos”

Protesto

em

Foto: Ilustrativa / DR

Braga é uma das cidades onde se realizará a ‘Manifestação Nacional – Basta de Atropelamentos’, convocada pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB).

A manifestação está marcada para esta quinta-feira, às 19:00, na Praça da República, junto ao Chafariz da Avenida Central.

Associações de bicicletas exigem ao Governo medidas urgentes de segurança rodoviária e campanhas de sensibilização, no sentido de pôr fim aos atropelamentos nas estradas, depois ter morrido uma jovem, em Lisboa, na última semana.

Em comunicado, a Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (MUBI) recordou que o Governo continua sem responder às recomendações determinadas pela Assembleia da República, há cerca de um ano e meio, que davam conta da adoção de medidas de redução do risco rodoviário sobre os utilizadores vulneráveis.

De acordo com a MUBI, as recomendações visavam a criação de um grupo de trabalho interministerial, o reforço de ações de educação e sensibilização para a cidadania rodoviária e proteção dos utentes, intensificação da fiscalização rodoviária de comportamentos perigosos e a colaboração com os municípios para a criação de mais zonas de velocidades reduzidas nas cidades portuguesas.

No apelo cívico, com o nome “Basta de atropelamentos 2020”, a MUBI referiu também que a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) continua “submergida no paradigma obsoleto da dependência da utilização excessiva do automóvel”.

Segundo a associação, a ANSR tem insistido em campanhas de culpabilização das vítimas e em não querer combater o risco rodoviário com a excessiva utilização do transporte motorizado individual e os comportamentos perigosos na condução.

Também a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) considerou que o Governo não pode “ignorar o que está a acontecer”, alertando que “continuam a morrer pessoas” nas estradas.

“Não só consideramos que o Governo pode agir, tomando medidas de segurança rodoviária e campanhas de informação e sensibilização conjugadas com uma fiscalização apertada ao cumprimento do Código da Estrada, como também os próprios municípios podem e devem investir em infraestruturas seguras, em paralelo com medidas de acalmia de tráfego, sempre que se justifiquem”, indicou.

Constatando comportamentos de risco nas estradas, a FPCUB apela à consciência cívica e alerta para que sejam tomadas medidas humanistas.

“A acalmia de tráfego é urgente, quer nas cidades, quer fora delas, tal como a fiscalização das velocidades praticadas. Mas acima de tudo necessitamos de consciencializar que a velocidade mata […]”, anotou.

Na quinta-feira, cerca de duas dezenas de organizações, movimentos cívicos e coletivos de utilizadores de bicicletas participam numa vigília, pelas 19:00, no Campo Grande, junto ao edifício da Câmara de Lisboa, onde foi atropelada um jovem de 16 anos, na semana passada, enquanto se deslocava de bicicleta.

Segundo a FPCUB, estão ainda marcadas para a mesma hora vigílias em Aveiro, Braga, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Porto e Santarém.

Continuar a ler

Populares