Redes Sociais

Grupo angolano instala-se em Ponte de Lima e vai criar 150 postos de trabalho

Luís Nunes, "chairman" (presidente) do grupo, em entrevista à TV Zimbro. (2016)

Alto Minho

Grupo angolano instala-se em Ponte de Lima e vai criar 150 postos de trabalho

O grupo angolano Omatapalo S.A., da área da construção civil e engenharia, vai instalar-se no Pólo Industrial e Empresarial de Gemieira, em Ponte de Lima, anunciou esta terça-feira a autarquia.

Em nota enviada às redações, o município liderado por Victor Mendes (CDS), adianta ainda que a empresa “escolheu Ponte de Lima para instalar uma nova unidade com a perspetiva de criar cerca de 150 novos postos de trabalho, dando resposta ao seu crescente sucesso no mercado interno e externo”.

Segundo Luís Nunes, o grupo conta com cerca de cinco mil trabalhadores e, em 2016, tinha uma carteira de obras entre 400 e 500 milhões de dólares (360 e 450 milhões de euros; preços de 09/05/2017).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em Ponte de Lima, a empresa adquiriu ao Município quatro lotes naquela zona industrial, com uma área total de 25.653 m2, contando dar início à atividade desta unidade ainda em 2017.

“No seu quadro técnico a empresa possui todas as áreas de conhecimento relacionadas com a sua atividade, com elevados níveis de empenhamento, diligentes na sua atuação, responsáveis na sua conduta, formando uma equipa pluridisciplinar capaz de conduzir processos, produzir resultados e garantir padrões de qualidade”, explica a autarquia da vila minhota.

Filme promocional “Omopatalo” (2016)

“A instalação da Omatapalo S.A. no concelho de Ponte de Lima vem contribuir para o reconhecimento da estratégia de atração de investimento que o Município tem vindo a implementar, nomeadamente, através da promoção de um conjunto de importantes condições infraestruturais e de medidas de incentivo à localização de novas empresas”, salienta.

“Empresas do grupo Omatapalo em reportagem”

Vídeo: Omatapalo Angola (07/2016)

“A Omatapalo Angola nasce com um ADN de empresas na construção civil com mais de 70 anos em Portugal e inicia a sua actividade na cidade do Lubango, em Agosto de 2003, respondendo com conhecimento e capacidade técnica à necessidade de reconstrução e desenvolvimento estrutural de Angola. 

A empresa diversificou progressivamente a sua atividade, através da criação de diferentes unidades de produção, como a extração e valorização de pedra, produção de artefactos de betão, carpintaria, serralharia e metalomecânica. O seu crescimento acelerado obrigou à criação de empresas complementares, ligadas ao sector, oferecendo soluções não só para uso interno como também para o mercado em geral.

Em 2009, devido ao seu crescente sucesso, a Omatapalo associou-se ao Grupo SOCOLIL, posicionando-se entre as empresas mais proeminentes no mercado angolano de construção e obras públicas. A nova estrutura accionista projectou a empresa para um patamar superior, passando a partilhar sinergias próprias de um grupo empresarial, com vantagens evidentes quanto a parcerias e networking.

Em 2015, completou a sua estratégia de participação em todos os sectores da economia, com a entrada no mercado agro-industrial.

A Omatapalo é hoje um Grupo diversificado nos vários sectores da economia, com uma estratégia de consolidação, abraçando os valores que sempre pautaram a sua actuação e reforçando o crescimento através do alargamento do seu raio de accão e através da internacionalização, no âmbito dos continentes africano e europeu.

No seu quadro técnico possui todas as áreas de conhecimento relacionadas com a sua actividade, com elevados níveis de empenhamento, diligentes na sua actuação, responsáveis na sua conduta, formando uma equipa pluridisciplinar capaz de conduzir processos, produzir resultados e garantir padrões de qualidade, bem como prazos rigorosos de uma sociedade que cada vez mais exige soluções céleres.

Desde a sua fundação que a Omatapalo pretende posicionar-se como parceira para o sucesso dos seus clientes, como motor de desenvolvimento e como referência de mercado pela sua capacidade de actuação, continuando a acreditar num mercado sustentado com sentido de responsabilidade e de consciência social.”omapatalo.com

Jornal digital da região do Minho.

Mais Alto Minho