Seguir o O MINHO

País

Governo destaca boa cooperação transfronteiriça em matéria de segurança com Espanha

Eduardo Cabrita

em

Foto: DR / Arquivo

O ministro da Administração Interna disse hoje que a cooperação transfronteiriça em matéria de segurança será um dos temas a debater na próxima Cimeira Ibérica, assegurando que há bom entendimento com as forças de segurança espanholas.

“A cooperação transfronteiriça é uma prioridade deste Governo, valorizando as zonas mais próximas daquilo que é o grande espaço ibérico, o mais próximo daquilo que é a Europa, onde nos integrámos. O tema será debatido na próxima Cimeira Ibérica”, disse Eduardo Cabrita, referindo que já há “reuniões regulares com Espanha em matéria de segurança”.

O governante presidiu hoje às cerimónias do 101.º aniversário do Comando Territorial de Bragança do GNR, que se realizaram na cidade fronteiriça de Miranda do Douro.

“Nós fechámos, na área marítima, a ligação com um controlo conjunto de zonas de fronteira, quer a sul, quer a norte e temos mesmo uma experiência muito positiva de patrulhamento conjunto nas zonas maior afluência turística, com elementos da GNR e da Guardia Civil (Espanha)”, exemplificou Eduardo Cabrita.

O governante adiantou que no que respeita aos fluxos migratórios “há uma boa gestão de informação” entre as forças policiais portuguesas e espanholas” com muita proximidade.

“Sempre que necessário, partilhamos atividades operacionais quer de investigação criminal ou de repressão de fenómenos criminais que ocorram dum lado ou de outro da fronteira”, frisou.

O ministro da Administração Interna está no distrito de Bragança no âmbito da iniciativa “Governo Mais Próximo”.

Por seu lado, o presidente da Câmara de Miranda do Douro, Artur Nunes, disse que o território de fronteira “é seguro”, como é o caso deste concelho trasmontano.

“Sendo o Planalto Mirandês uma porta de entrada para quem vem de Espanha e do resto da Europa, quem entra tem de sentir que há segurança neste território. O sentimento de segurança vai criar fluxos turísticos, fruto da boa cooperação das forças policiais dos dois países ibéricos”, indicou o autarca.

Para Artur Nunes, a palavra-chave é “segurança máxima” no território transfronteiriço do nordeste transmontano.

Anúncio

País

Sessenta e nove detidos no país por desobediência ao estado de emergência

Covid-19

em

Foto: Divulgação / GNR (Arquivo)

As forças de segurança detiveram 69 pessoas por crime de desobediência desde o início o estado de emergência, em 22 de março, decretado devido à doença covid-19, informou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

No mesmo período, segundo um balanço divulgado em comunicado e com dados até às 18:00 de hoje, foram encerrados 1.509 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas.

Em relação ao balanço de sexta-feira foram hoje detidas mais cinco pessoas e mandados encerrar mais 60 estabelecimentos.

Os dados hoje divulgados, nota o comunicado do MAI, não contemplam as operações de fiscalização rodoviária, ou outras, realizadas ao longo do dia de hoje.

As detenções deveram-se designadamente a obrigação de confinamento obrigatório e a “outras situações de desobediência ou resistência”.

O Governo recorda que as forças de segurança intensificaram, a partir de hoje, a fiscalização rodoviária, durante o fim de semana e ao longo do período da Páscoa. E lembra também que apenas são autorizados a deslocar-se os cidadãos que o façam ao abrigo das exceções previstas no dever geral de recolhimento.

A GNR e a PSP, no âmbito do estado de emergência, têm feito ações de sensibilização, vigilância e fiscalização.

O MAI, “perante a imperiosa necessidade de todos contribuírem para conter o contágio da covid-19, insiste no cumprimento rigoroso das medidas impostas pelo estado de emergência”, diz-se no comunicado, no qual se apela para que as pessoas apenas saiam de casa para o estritamente necessário.

Portugal regista hoje 100 mortes associadas a covid-19, mais 24 do que na sexta-feira, enquanto o número de infetados subiu 902 para 5.170, segundo os dados hoje divulgados, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

País

Faleceu o antigo secretário de Estado e deputado socialista Miranda Calha

em

O antigo secretário de Estado do Desporto e da Defesa e deputado constituinte do PS Júlio Miranda Calha faleceu hoje, aos 72 anos, disse à agência Lusa fonte oficial dos socialistas.

Professor de profissão, licenciado em letras, Miranda Calha foi deputado desde 1975 até à última legislatura, entre 2015 e 2019.

Na Assembleia da República, como deputado, Miranda Calha foi presidente das comissões parlamentares de Defesa Nacional, e de Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local, tendo também desempenhado cargos como membro da Assembleia Parlamentar da União da Europa Ocidental.

Na área da Defesa, fez parte da Assembleia Parlamentar da União da Europa Ocidental, tendo sido presidente da Assembleia Parlamentar da NATO e da Comissão de Segurança e Defesa da Assembleia Parlamentar da NATO.

Em termos de funções executivas, além das pastas do Deporto e da Defesa, Miranda Calha foi também secretário de Estado da Administração Regional e Local e governador civil de Portalegre.

Especialista em questões de defesa, foi condecorado com a Grã Cruz da Ordem do Mérito, tendo ainda sido distinguido como Grande Oficial da Ordem do Infante e com a medalha de Mérito Municipal Grau Ouro pelo Município de Portalegre.

No plano político interno dos socialistas, Miranda Calha esteve sempre próximo de Mário Soares como secretário-geral e apoiou as candidaturas derrotadas de Jaime Gama à liderança deste partido (primeiro contra Vítor Constâncio, depois contra Jorge Sampaio).

Mais recentemente, ainda no que respeita à vida interna do PS, Miranda Calha apoiou as lideranças de José Sócrates e de António Costa.

Continuar a ler

País

Associação ANIMAL preocupada com sobrepopulação de canis e gatis

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A associação ANIMAL, de defesa dos animais, está preocupada com a sobrepopulação dos canis e gatis, devido à situação provocada pela covid-19, e quer saber se é garantido o cumprimento do não abate nesses centros.

Num comunicado divulgado hoje, a associação diz que pediu aos grupos parlamentares para que coloquem ao Governo a questão, mas também se há algum plano para gerir a sobrepopulação, já que não estão a sair animais, e ainda se está acautelado o apoio médico-veterinário a animais acidentados que sejam recolhidos ou sejam abandonados.

A ANIMAL diz que na semana passada recebeu mensagens de cidadãos sobre as normas dos centros de recolha oficiais (canis e gatis municipais), que só estão a recolher animais em casos extremos e a não deixar sair animais, devido à covid-19.

Rita Silva, presidente da associação, diz, citada no comunicado, que são compreensíveis cuidados acrescidos no atual cenário de pandemia, mas afirma-se preocupada com a possibilidade de a situação se tornar “insustentável” com o aumento de animais nos centros, colocando em causa as condições e em risco a vida desses animais.

A responsável diz que a associação entende as dificuldades, e que tem “perfeita noção de que no meio desta crise, os animais não serão uma prioridade para o Governo”, mas acrescenta que ainda assim “haverá algo a fazer” e que a ANIMAL está pronta para ajudar a pensar “numa solução sensata e adequada”.

A organização diz-se ainda preocupada com os pombos das cidades, que atualmente não têm como se alimentar (comiam, diz, nas esplanadas de restaurantes), e pede que seja levantada, ainda que temporariamente, a proibição de alimentar esses animais.

A pandemia do novo coronavírus matou já pelo menos 30.003 pessoas no mundo inteiro, dois terços na Europa, desde que a doença surgiu em dezembro na China, segundo um balanço de hoje da AFP, agência de notícias francesa.

Em Portugal já morreram 100 pessoas devido à covid-19, enquanto o número de infetados é 5.170, segundo os dados hoje divulgados, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares