Seguir o O MINHO

Região

Governo anuncia redução nas portagens da A28

Orçamento do Estado 2020

em

Foto: DR / Arquivo

As portagens situadas na Autoestrada n.º 28 (A28), que liga Porto a Caminha, vão ser alvo de um desconto, anunciou, esta sexta-feira, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.


“A ideia é trabalharmos num modelo de desconto de portagens para o interior e, também, para a Via do Infante [A22] e para a A28”, disse Ana Abrunhosa, no final da audição parlamentar sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2020, que decorreu ao longo das últimas cinco horas, na Assembleia da República.

A responsável pela pasta da Coesão Territorial, afirma que está “para breve” a implementação de descontos nas portagens das autoestradas.

“Não está em causa abolir as portagens, está em causa reduzir as portagens”, assegurou, explicando que a proposta de redução das portagens se encontra ainda em fase estudo por parte de um grupo que analisa “prioridades” e “vários cenários para a redução gradual das portagens”.

Ana Abrunhosa lembrou que esta era uma promessa do Governo, e que este novo grupo de trabalho está a dar “máxima das prioridades a este assunto”, “baseado em descontos de quantidade e descontos nos dias de descanso”, assegurando que o desconte não abrange apenas os fins de semana.

“Gostaríamos muito que nos dias de descanso o desconto tivesse algum impacto, que beneficie os utilizadores frequentes, bem como aqueles que visitam o território”, disse, aduzindo que “os impactos de uma pequena redução são sempre significativos”.

Ana Abrunhosa reforça que este é “um sinal político para estes territórios e que se sinta no bolso das pessoas”.

“Não posso comprometer-me com datas, não posso comprometer-me com percentagens [de desconto], porque isso terá que ser anunciado em conjunto pelo grupo trabalho”, finalizou.

Anúncio

Alto Minho

Incêndio atinge churrasqueira em Arcos de Valdevez

Incêndio

em

Foto: Facebook de Arcos de Valdevez

Um incêndio está a atingir uma churrasqueira no centro da vila de Arcos de Valdevez.

Inserida em prédio urbano, desconhece-se ainda os motivos que levaram ao início do fogo.

No local estão os Bombeiros de Arcos de Valdevez.

(em atualização)

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães: José Neves doa dois terços da fortuna para causas sociais

Economia

em

Foto: DR

O empresário José Neves, de Guimarães, anunciou hoje que irá doar dois terços da fortuna ao movimento Giving Pledge, fundado por Bill Gates e Warren Buffett, de forma a ajudar as principais causas sociais em todo o mundo.

De acordo com o jornal Público, o CEO da Farfetch é o primeiro português a aderir a este movimento.

“Fui aceite pela Giving Pledge, que é a iniciativa de Bill e Melinda Gates e de Warren Buffett para filantropos que prometeram doar mais de 50% da sua fortuna. No meu caso, foi dois terços”, disse esta quarta-feira o empreendedor aos jornalistas, no Porto, antes de apresentar um dos projetos-piloto de uma fundação que criou.

Neves declara que a adesão ao movimento solidário global passa por um “gesto de gratidão” e “um sentimento de dever, de missão”.

“Quando sentimos um dever, sem uma carga moral associada, um dever fazer, porque é o que tem de ser feito, chega o momento de começar a partilhar”, disse, classificando o movimento como “uma rede fantástica”.

O movimento fundado pelo casal Gates reune duas vezes por ano para “ouvir especialistas e trocar ideias” no que toca à filantropia.

Em 2019, a edição portuguesa da revista Forbes classificou o vimaranense como o quarto homem mais rico do país.

O empresário, que também tem residência em Londres e tem a Farfetch como o seu principal ativo, tem uma fortuna estimada em 1010 milhões de euros.

Vimaranense José Neves é o quarto mais rico de Portugal

Segundo a revista, a maioria dos milionários nasceu rico ou herdou uma fortuna. O vimaranense está na categoria dos que construíram a partir do zero.

Na primeira posição estava Maria Fernanda Amorim, com uma fortuna de 4,1 mil milhões de euros. Alexandre Soares e Vítor da Silva Ribeiro completavam o pódio.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Papa Francisco lamentou “trágico acidente” que vitimou bispo de Viana

Óbito

em

Foto: Diocese de Viana do Castelo

O Papa Francisco lamentou o “tráfico acidente” que vitimou D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana, através de um documento lido esta terça-feira durante as exéquias fúnebres celebradas na Catedral de Viana.

Numa mensagem lida por D. Ivo Scapolo, núncio apostólico em Portugal, o responsável máxima da Igreja Católica mostrou-se “consternado pelo trágico acidente que vitimou D. Anacleto”.

“O Santo Padre apresenta sentidas condolências e assegura viva solidariedade aos clero e fiéis da diocese de Viana do Castelo e também à diocese de Leiria-Fátima, como à sua família enlutada”, escreveu Francisco.

Recorda ainda um “zeloso pastor, que foi autêntica testemunha do Evangelho no meio do seu povo, apontando a senda da verdade na caridade e do serviço à comunidade”.

O Papa Francisco concedeu ainda a bênção apostólica a todos os que participam nas exéquias fúnebres de D. Anacleto Oliveira.

Com a missa a ser presidida por D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, o Presidente da República também marcou presença para homenagear aquele que foi, durante 10 anos, a figura máxima da igreja no Alto Minho.

Esta terça-feira, a catedral vianense esteve aberta para oração livre por D. Anacleto, seguindo-se uma eucaristia, pelas 15:00 horas, que deram início às cerimónias fúnebres.

Amanhã, quarta-feira, realiza-se o funeral na catedral da diocese de Leiria/Fátima, pelas 15:00 horas, com o cardeal António Marto a presidir à eucaristia.

“Nesta celebração terão prioridade de participação os sacerdotes e os familiares do defunto, para se garantir as precauções de saúde pública determinadas pelas autoridades. Após a celebração, a sepultura será no cemitério das Cortes, terra natal de D. Anacleto”, escreveu a diocese, através das redes sociais.

Anacleto Oliveira, de 74 anos, morreu na sexta-feira, na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Autoestrada 2 (A2) perto de Almodôvar, no distrito de Beja.

Natural de Cortes, Leiria, D. Anacleto Oliveira nasceu em 17 de julho de 1946, tendo sido ordenado sacerdote em 1970 e nomeado bispo auxiliar de Lisboa em 2005.

A ordenação episcopal de D. Anacleto Oliveira decorreu no Santuário de Fátima em 2005, tendo sido nomeado bispo de Viana do Castelo em 2010 e atualmente presidia à Comissão Episcopal Liturgia e Espiritualidade e à Comissão de Tradução da Bíblia para português a partir dos textos originais na Conferência Episcopal Portuguesa, adianta a nota.

Este ano, D. Anacleto Oliveira assinalou 10 anos de bispo de Viana do Castelo e 50 de ordenação sacerdotal.

Continuar a ler

Populares