Seguir o O MINHO

Guimarães

GNR salva sexagenária de casa incendiada por vizinho em Guimarães

Suspeito foi detido

em

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Uma mulher de 64 anos foi salva das chamas, pela GNR da Póvoa de Lanhoso, durante um incêndio, ateado por um vizinho, que os militares detiveram, após primeira ação conjunta com Bombeiros da Póvoa de Lanhoso, em Arosa, Guimarães, na madrugada desta segunda-feira, soube O MINHO junto do Centro Distrital Operações de Socorro (CDOS) de Braga da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Tudo indica que as motivações do incendiário, de 61 anos, terão origem em quezílias familiares antigas, pelo que cerca da 01:00, irado com um irmão, o suspeito ateou um incêndio ao andar de cima, mesmao sabendo que a residência estava ocupada por uma sexagenária com problemas de locomoção, que por essa razão foi logo resgatada por militares do Posto da GNR da Póvoa de Lanhoso, os primeiros a chegarem ao local.

Segundo as primeiras informações, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso foram a primeira corporação a ser chamada, para um edifício habitacional, todo tomado pelas chamas, tendo sido acionados reforços, de imediato, pelos Bombeiros Voluntários de Guimarães, por se tratar de uma área de jurisdição da corporação vimaranense, já que se situa na fronteira entre os dois concelhos, segundo o CDOS de Braga.

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Quando as corporações de bombeiros chegaram ao local, já uma patrulha da GNR tinha entrado na casa, de dois andares, resgatando uma idosa que, enquanto dormia, não se apercebeu do incêndio, retirando-a logo sã e salva, enquanto era detido o vizinho do andar de baixo, pelas suspeitas de autoria do crime de fogo posto, no edifício de dois andares, entre as Ruas das Escolas e de Armando Ribeiro Silva, na localidade de Arosa.

Entretanto, a GNR emitiu um comunicado no qual adianta que o detido confessou o crime, tendo os factos sido reportados à Polícia Judiciária (PJ).

No comunicado, a GNR conta que, “na sequência de um alerta de incêndio numa habitação, os militares da Guarda deslocaram-se para o local e verificaram que a residência era composta por dois pisos e que o incêndio se encontrava a deflagrar no primeiro andar, ameaçando assim o rés-do-chão da residência. Ao receberem a informação que, no piso inferior, se encontrava uma mulher de 64 anos a dormir, os militares da Guarda rapidamente entraram na residência e conseguiram retirar a mesma do seu interior, antes de ser consumida pelas chamas. No decorrer da ação os militares retiraram ainda do interior da residência, as botijas de gás que ali se encontravam, evitando assim uma possível explosão”.

O arguido foi já apresentado, durante a manhã desta segunda-feira, ao juiz de instrução criminal, no Palácio da Justiça de Guimarães, indiciado por crime de incêndio urbano, para ser submetido a um primeiro interrogatório judicial e aplicadas as suas medidas de coação.

Notícia atualizada às 16h55 com comunicado da GNR.

Populares