Seguir o O MINHO

Cávado

GNR recupera material roubado dentro de uma viatura em Fão

Ocupantes foram constituidos arguidos

em

Foto: Divulgação / GNR

Dois homens foram constituídos arguidos, na quinta-feira, em Fão, concelho de Esposende, por suspeitas de furto, foi hoje anunciado.


Em comunicado enviado a O MINHO, o comando territorial de Braga da GNR explica que os homens circulavam “numa zona com pouca circulação”, em Fão, sendo abordados pela GNR durante uma ação de patrulhamento.

“No interior da viatura foi encontrado material que se apurou ter sido furtado, tendo sido apreendido”, refere a mesma nota.

Desse material apreendido destaca-se um televisor, duas ferramentas elétricas e cinco relógios de diversas marcas.

Parte do material apreendido já foi reconhecido e restituído aos proprietários.

Os suspeitos, com antecedentes criminais por furto, em que um deles já cumpriu pena de prisão, foram constituídos arguidos, tendo os factos sido remetidos para o Tribunal de Fafe.

Anúncio

Barcelos

Detido a assaltar café em Barcelos

Crime

em

Foto: O MINHO

Um homem de 45 anos foi detido ao assaltar um café na Avenida João Paulo II, em Barcelos, na madrugada de sábado.

A PSP foi alertada, às 04:55, que um indivíduo encontrava-se a assaltar um estabelecimento de restauração e bebidas.

“De imediato os elementos policiais deslocaram-se para o local, tendo o suspeito sido intercetado e detido quando se encontrava a sair do referido estabelecimento”, refere a PSP, acrescentando que “tinha em sua posse diversas ferramentas que tinha utilizado para se introduzir no interior do estabelecimento”.

O detido foi notificado para comparecer no Tribunal Judicial de Barcelos.

Continuar a ler

Cávado

Mulher hospitalizada após picada de peixe-aranha na praia de Ofir

Em Esposende

em

Foto: Ilustrativa / DR

Uma mulher, cuja idade não foi possível apurar, foi hospitalizada na sequência da picada de um peixe-aranha, a meio da manhã deste domingo, na praia de Ofir, concelho de Esposende, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

A vítima estava na água quando terá sido picada pelo peixe, sentindo grande desconforto e dores num dos membros inferiores.

Para o local foram ativados cinco operacionais, uma ambulância, o veículo de comando e uma moto-4 dos Bombeiros de Fão.

A vítima foi estabilizada no areal e transportada em plano duro na moto-4 até à ambulância.

Foi transportada para uma unidade particular de saúde em Fão por opção própria.

O alerta foi dado às 09:49 horas.

Fonte dos bombeiros disse a O MINHO que, embora não seja muito usual, durante o verão é um incidente que acontece algumas vezes, sobretudo quando “há muita gente na praia”.

Este peixe venenoso, comum na costa portuguesa, esconde-se na areia, erguendo a primeira barbatana dorsal quando é pisado ou se sente ameaçado.

Barbatana dorsal do peixe-aranha. Foto: DR

Espetando os espinhos da barbatana, que por vezes se partem dentro dos pés dos banhistas, provocam dores graves e por vezes vómitos, tonturas e dificuldade respiratória, pelo que é aconselhada a procura de ajuda médica.

Geralmente a picada é tratada com calor intenso na zona afetada para anular o veneno.

Continuar a ler

Cávado

Esposende promoveu visita virtual à obra do Canal Intercetor

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

Encontra-se em adiantado estado de execução, o projeto do Município de Esposende, para a construção de um Canal Intercetor e de Desvio da Área Urbana de Esposende. Após um moroso processo de negociação com os proprietários das mais de 200 parcelas de terreno, a obra avança a bom ritmo e deverá estar concluída até ao final do ano.

Depois de o Ministério do Ambiente ter classificado a cidade de Esposende como zona crítica, no âmbito do Plano de Gestão de Riscos de Inundação, elaborado pela Agência Portuguesa do Ambiente, o Município de Esposende desenvolveu o projeto que mereceu o aval de financiamento, por parte do Fundo de Coesão, ao abrigo do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR).

“Este é um dos projetos com maior envergadura financeira alguma vez conseguidos para Esposende. Aos três milhões de euros que custa a obra, com 85% de comparticipação, acrescentam-se dois milhões de euros, em aquisição de terrenos”, diz Benjamim Pereira, adiantando que o Município de Esposende “está empenhado numa reprogramação financeira da obra, com vista a reduzir o elevado investimento efetuado”,

Com quatro quilómetros e meio, o canal apresenta dois pontos de descarga – um a norte, em Cepães, e outro a sul da cidade, a jusante da ponte D. Luís Filipe – tendo como principal função a prevenção de inundações na cidade que têm colocado em risco a população e causado elevados danos no património público e privado.

A obra em questão carateriza-se pelo elevado grau de dificuldade, com oito travessias de estradas nacionais e municipais e a construção de duas bacias de retenção, junto à Solidal e na Redonda.

“Na memória da população pairam, ainda, as imagens das cheias de outubro de 2013, responsáveis por avultados prejuízos. Algo tinha de ser feito, no sentido de nos protegermos de eventuais fenómenos naturais futuros.

Depositamos grandes esperanças no contributo que o canal dará para a minimização dos problemas de drenagem que afetam Esposende”, acrescenta Benjamim Pereira.

Só devido à autonomia financeira patenteada pelo Município de Esposende, foi possível solicitar ao Ministério do Ambiente a responsabilidade de um projeto com a magnitude do Canal Intercetor de Águas Pluviais de Esposende.

A Câmara Municipal desenvolveu todo o projeto em tempo recorde, efetuou o levantamento cadastral e topográfico e recuperou o projeto da variante à cidade que não passava de uma ideia sucessivamente adiada, mas que estava previsto desde a aprovação do primeiro PDM, em 1994.

Este canal intercetor carateriza-se pela adoção das melhores técnicas de engenharia natural, recorrendo a materiais naturais e de espécies vegetais autóctones, adequadas aos habitats que se pretendem restaurar.

Durante os dois anos subsequentes à conclusão da obra, a empresa construtora fará a manutenção e controlo da vegetação.
“Esta obra terá grande impacto na proteção da zona urbana de Esposende, protegendo-a das cheias, mas também contribuirá para um novo desenho na ocupação dos solos, com nova imagem urbana, criando um anel verde em torno da cidade”, sustenta o presidente da Câmara Municipal de Esposende.

Paralelo ao canal, estende-se um percurso que completará um circuito de visitação e prática desportiva que interlaçará com a ecovia do litoral norte e o futuro Parque da cidade, o que já se vai verificando.

O início da construção do canal intercetor de proteção e gestão de riscos, cheias e inundações da cidade de Esposende foi assinalado a 27 de julho de 2019, pelo Ministro do Ambiente e da Transição Energética, Pedro Matos Fernandes, estando prevista a sua conclusão até ao final do ano.

Continuar a ler

Populares