Seguir o O MINHO

Futebol

Gil Vicente segue para os ’16avos’ da Taça de Portugal na estreia de Ricardo Soares

2-4 após grandes penalidades

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O Gil Vicente venceu hoje o ARC Oleiros, equipa do Campeonato de Portugal, apenas no desempate por grandes penalidades, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal em futebol.

O Oleiros, terceiro classificado na Série E do Campeonato de Portugal, ‘bateu o pé’ ao Gil Vicente e complicou a passagem do 17.º classificado da I Liga à próxima eliminatória da Taça de Portugal.

A equipa da casa entrou bem na partida e discutiu o jogo de igual para igual com o Gil Vicente, sendo que, aos 15 minutos, um corte de cabeça de Nogueira fez a bola embater com estrondo na barra da baliza do Gil Vicente e quase deu a vantagem no marcador ao Oleiros.

O jogo disputou-se sempre com muita luta no meio-campo e os jogadores do Oleiros mostraram-se sempre muito organizados e sem vacilar perante as investidas do Gil Vicente.

Ao minuto 35, o Gil Vicente desperdiçou a oportunidade de se colocar na frente do marcador. Os gilistas beneficiaram de uma grande penalidade, que Claude Gonçalves não conseguiu concretizar.

A partir daí, os jogadores do Oleiros tomaram conta do jogo e, até ao final da primeira parte, criaram as jogadas mais perigosas da partida.

Na segunda parte, o Gil Vicente mostrou querer resolver o jogo rapidamente e, logo no primeiro minuto, criou muito perigo junto da baliza do Oleiros.

Contudo, a equipa da casa conseguiu resistir à ofensiva dos gilistas e aos poucos voltou a equilibrar a partida, ao ponto de voltar a ter a melhor oportunidade de golo, com uma bola na trave num remate de Marcos.

No prolongamento, o Gil Vicente entrou com tudo e cedo criou perigo junto da baliza do Oleiros, contudo, as investidas dos gilistas não resultaram em golos e o jogo terminou empatado a zero, levando as duas equipas a decidir a eliminatória no desempate por grandes penalidades.

Ficha de Jogo

Jogo disputado no Campo Municipal de Oleiros.

ARC Oleiros – Gil Vicente, 0-0 (0-0 após prologamento, 2-4 no desempate por grandes penalidades).

Marcadores no desempate por grandes penalidades:

0-1, Rodrigo.

0-1, Iago Reis (defesa guarda-redes).

0-2, Kanya Fujimoto.

1-2, Ruben Silva.

1-3, Samuel Lino.

2-3, Marco.

2-4, Ruben Fernandes.

2-4, Vasco Gadelho (defesa guarda-redes).

Equipas:

– ARC Oleiros: Palha, Marco, Duvan Guerra, Pedro Graça (Alef, 91), Brian Miguel, Ricardo Almeida (Nuno Pereira, 75), Rayan Hiba (Rúben Silva, 72), Iago dos Reis, Marcelo Dias (Rafa González, 111), De Jesus e Vasco Gadelho.

(Suplentes: Caio, Facundo Otero, Alef, Nuno Pereira, Rúben Silva, Rodrigo Caetano, e Rafa Gonzaléz).

Treinador: Fábio Pereira.

– Gil Vicente FC: Denis, Joel Pereira, Rodrigo, Lourency (Boubacar, 82), Claude Gonçalves (João Afonso, 82), Miullen (Renan Oliveira, 66), Antoine Léautey (Kanya Fujitmoto, 105), Lucas Mineiro (Vítor Carvalho, 105), Rúben Fernandes, Nogueira e Mantuan (Samuel Lino, 46).

(Suplentes: Brian Araújo, João Afonso, Boubacar, Renan Oliveira, Kanya Fujimoto, Vítor Carvalho e Samuel Lino)

Treinador: Ricardo Soares

Árbitro: Hugo Silva (AF Santarém).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Ricardo Almeida (34), Miullen (48), De Jesus (67 e 117), Vasco Gadelho (69), Brian Miguel (87), Lucas Mineiro (87) e Rúben Fernandes (106). Cartão vermelho, por acumulação de amarelos, para De Jesus (117), e direto para Pedro Graça (no banco).

Assistência: Jogo disputado sem assistência devido à pandemia covid-19

(notícia atualizada às 19h03 com mais informação)

Futebol

“Se subirmos ao quinto lugar, vamos querer o quarto”

João Henriques

Imagem: Vitória SC

Declarações após o encontro Vitória SC-Nacional (3-1), em atraso da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

– João Henriques (treinador do Vitória SC): “O efeito dos ‘pratos da balança’ entre a equipa ter falta de ritmo competitivo e maior capacidade física notou-se nos primeiros 15 minutos. A equipa teve dificuldade em entrar no ritmo do jogo. A falta de ritmo competitivo foi penalizadora. A partir daí, a equipa entrou no jogo, equilibrou as coisas, fez o golo do empate e tornou-se uma equipa mais perigosa.

Na segunda parte, com a equipa mais disponível a nível de ritmo competitivo, e confortável, foi evidente que estávamos bem no jogo. Depois, surgem as situações para finalizar, que fazem o resultado final. Falámos do [desempenho] ao intervalo, mas também durante a semana, porque esta paragem não foi benéfica para o grupo, a nível de ritmo competitivo.

As individualidades sobressaem quando o coletivo é forte. Quando o coletivo é forte, as individualidades aparecem. Não é por acaso que o Quaresma faz o que faz [em referência a exibição de hoje]. Temos cá jogadores com muita qualidade, e o Quaresma é um deles. O Ricardo [Quaresma] não precisa de qualquer tipo de apresentação.

Hoje, ganhámos pontos a todas as outras equipas do campeonato. Aproximámo-nos dos lugares que queremos. Ficámos a dois do quinto e a quatro do quarto. Se formos competentes até ao próximo jogo em atraso [com o Farense], ultrapassaremos o quinto classificado. O Paços de Ferreira é o próximo adversário que queremos ultrapassar. Se subirmos ao quinto lugar, vamos querer o quarto. No domingo, frente ao Famalicão, vamos tentar ser competentes para continuarmos no ‘comboio’ da frente”.

– Luís Freire (treinador do Nacional): “[Na primeira parte], conseguimos construir sob pressão. O [Vitória de] Guimarães teve dificuldades em parar a nossa construção e conseguimos chegar a zonas perto da baliza do adversário. Fizemos o primeiro golo.

Estávamos a reagir forte à frente. A seguir, sofremos um golo num lance em que há mérito do adversário. O Nacional foi melhor na primeira parte. Teve identidade e personalidade, e o Vitória teve dificuldades em roubar-nos a bola.

Na segunda parte, queríamos manter [o jogo] igual, mas sofremos logo um golo, num lance em que temos de tirar a bola da área. Depois, podemos fazer o empate [pelo Camacho] e falhámos. O adversário acaba por ser muito eficaz naquela altura.

Os jogadores tentaram manter a organização da equipa. Várias vezes, poderíamos ter feito o 3-2. A diferença entre uma equipa e a outra foi o aproveitamento das oportunidades. Faltou-nos ser mais eficazes. O adversário aproveitou os nossos erros e não conseguimos aproveitar. Merecíamos outro resultado.

Do outro lado, também há qualidade. Sabemos que, por vezes, jogando contra equipas com mais qualidade na frente, os erros pagam-se muito caros. Nestes jogos, não se podem ter as mínimas hesitações. Depois, temos de fazer ‘pagar’ o adversário, mas falhámos em frente à baliza. O Nacional teve mais posse e mais oportunidades, mas tínhamos de ser mais espertos em frente à baliza.

(Análise às quatro derrotas consecutivas) O jogo com o Sporting [2-0] foi atípico, contra um adversário que está em primeiro lugar e tem qualidade. Contra o FC Porto [4-2, após prolongamento], para a Taça de Portugal, poderíamos ter vencido. Contra o Moreirense [1-0], criámos mais oportunidades e falhámos. Hoje, também tivemos lances. Se eu sentisse a equipa sem capacidade de criação e sem capacidade de reação, estava preocupado.

Temos de ganhar confiança. Temos poucos dias para preparar jogos e estamos a precisar de uma alegria. Temos de continuar o nosso caminho. Temos de ser eficazes para materializarmos o que criamos”.

Continuar a ler

Futebol

Quaresma lidera reviravolta e Vitória aproxima-se do quinto lugar da Liga

I Liga

Foto: VSC

O Vitória SC recebeu e venceu hoje o Nacional por 3-1, num jogo em atraso da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol que resolveu na segunda parte, com dois golos a materializarem esse domínio.

Depois de uma primeira parte equilibrada e abrilhantada pelos golos de Kenji Gorré, para os madeirenses, aos 16 minutos, e do ‘endiabrado’ Quaresma, para os vimaranenses, aos 22, os anfitriões surgiram melhor no segundo tempo.

Os minhotos selaram o resultado no primeiro quarto de hora, com um golo de Óscar Estupiñán, aos 51, e um autogolo de Lucas Kal, central envolvido nos três golos vitorianos, aos 61.

Ao vencer um dos dois jogos em atraso que tinha – o outro é com o Farense, para a 14.ª jornada, em 17 de fevereiro -, o Vitória consolidou o sexto lugar, com 23 pontos, a dois do quinto, Paços de Ferreira, e a quatro do quarto, Sporting de Braga, enquanto o Nacional, 14.º, com 13, averbou o terceiro desaire seguido no campeonato.

A partida começou sob chuva torrencial, a um ritmo lento, com os madeirenses, adiantados no terreno, a dificultar a saída de bola dos anfitriões, num primeiro quarto de hora sem lances dignos de nota.

Mais solta sobre o relvado, a equipa de Luís Freire chegou à vantagem no primeiro remate do desafio: após perda de bola de Gideon Mensah, os jogadores dos insulares circularam a bola até Kenji Gorré, ainda fora da área, marcar o seu segundo golo da época num remate forte, ao centro da baliza, mas com um efeito que deixou Bruno Varela ‘preso’ à relva, sem reação.

Apesar das dificuldades em ‘romper’ a organização defensiva adversária, o Vitória igualou o jogo na primeira vez que o conseguiu, seis minutos após o golo sofrido, com Quaresma a fletir da direita para o meio e a marcar o segundo golo da época, numa ‘trivela’ que ressaltou em Lucas Kal.

A toada da partida voltou a ser de equilíbrio após o golo vimaranense, com nenhum dos conjuntos a impor-se, apesar do Nacional, mais agressivo nas disputas de bola, ainda ter criado um lance para marcar de novo antes do intervalo, por Pedrão, um cabeceamento ao lado, aos 35 minutos.

Os minhotos regressaram dos balneários mais intensos, começaram a pressionar mais perto da área contrária e não tardaram a ‘virar’ o resultado, num lance em que Óscar Estupiñán, após trabalho de Marcus Edwards na esquerda, aproveitou a passividade de Lucas Kal para ‘empurrar’ a bola para a baliza e marcar o quarto golo em três jogos cumpridos na presente edição da I Liga.

Os pupilos de João Henriques continuaram melhores, a ameaçar a área do Nacional em inúmeros cruzamentos de Quaresma, e, apesar de Camacho ter falhado uma ocasião clara para o empate, aos 60 minutos, dilataram a vantagem um minuto depois, em mais um lance com ação de Lucas Kal.

Novamente a partir da esquerda, Marcus Edwards centrou da esquerda e a bola entrou na baliza, após tabelar no central brasileiro.

Até ao apito final, o Nacional tentou reagir e esboçou alguns lances perigosos, mas as melhores ocasiões para mais golos surgiram nos últimos instantes, pelo madeirense Witi, aos 90 minutos, e pelo vitoriano Bruno Duarte, aos 90+2.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Vitória de Guimarães – Nacional, 3-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Kenji Gorré, 16 minutos.

1-1, Ricardo Quaresma, 22.

2-1, Óscar Estupiñán, 51.

3-1, Lucas Kal, 61 (própria baliza).

Equipas:

– Vitória SC: Bruno Varela, Sacko, Jorge Fernandes, Abdul Mumin, Gideon Mensah (Zié Ouattara, 71), Pepelu, André André (Wakaso, 83), André Almeida (Miguel Luís, 71), Ricardo Quaresma, Marcus Edwards (Rochinha, 65) e Óscar Estupiñán (Bruno Duarte, 83).

(Suplentes: Matous Trmal, Zié Ouattara, Suliman, Wakaso, Janvier, Miguel Luís, Luís Esteves, Rochinha e Bruno Duarte).

Treinador: João Henriques.

– Nacional: Daniel Guimarães, Kalindi, Lucas Kal, Pedrão, João Vigário (Vincent Koziello, 69), Nuno Borges (Rúben Micael, 83), Larry Azouni (Witi, 69), Francisco Ramos, Kenji Gorré (Bryan Rochez, 69), João Camacho e Brayan Riascos (Vincent Thill, 82).

(Suplentes: Riccardo Piscitelli, Rúben Freitas, Rui Correia, Alhassan, Vincent Thill, Vincent Koziello, Rúben Micael, Witi e Bryan Rochez).

Treinador: Luís Freire.

Árbitro: Gustavo Correia (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Larry Azouni (19), Gideon Mensah (33), Jorge Fernandes (42), Kenji Gorré (58) e André André (66).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Notícia atualizada às 22h30 com mais informação.

Continuar a ler

Futebol

Tiago Martins arbitra final da Taça da Liga entre Braga e Sporting

Taça da Liga

Foto: DR

O árbitro Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa, foi hoje nomeado para a final da Taça da Liga, entre SC Braga e Sporting, marcada para sábado, em Leiria, anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

De acordo com a FPF, Tiago Martins, de 40 anos, vai ter como árbitros assistentes André Campos e Pedro Mota, enquanto Manuel Mota será o 4.º árbitro.

Por seu lado, Hugo Miguel estará no VAR, enquanto Ricardo Santos foi nomeado como AVAR.

Sporting e SC Braga, detentor do título, disputam no sábado uma inédita final da 14.ª edição da Taça da Liga, ambos em busca de um terceiro troféu, em encontro marcado para o Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria, a partir das 19:45.

Continuar a ler

Populares