Seguir o O MINHO

Futebol

Gil Vicente não vence na Liga há sete jogos

Empate (1-1) com o Portimonense

em

Gil Vicente e Portimonense falharam hoje o regresso às vitórias na I Liga de futebol, ao empatarem 1-1 em encontro da oitava jornada, revelando pouca acutilância para se distanciarem dos lugares de despromoção.

No Estádio Cidade de Barcelos, os algarvios inauguraram o marcador aos 40 minutos, por intermédio do avançado Aylton Boa Morte, mas os minhotos restabeleceram a igualdade no sexto minuto de compensação da primeira parte (45+6), através de uma grande penalidade concretizada pelo brasileiro Sandro Lima.

Apesar de conservar a invencibilidade caseira na prova, o Gil Vicente somou o sétimo jogo sem triunfos e caiu para o 15.º posto, com sete pontos, enquanto o Portimonense é 16.º, com seis, e só venceu um dos últimos nove duelos para todas as competições, precisamente, no Estádio Cidade de Barcelos, para a fase de grupos da Taça da Liga.

Numa partida inédita para o campeonato, os dois conjuntos acentuaram as cautelas defensivas nos minutos iniciais, apesar da urgência em conquistarem pontos.

Os pupilos de Vítor Oliveira, que confiou no ‘onze’ que afastou o Penafiel da Taça de Portugal, mostraram maior ‘atrevimento’ com a bola, fruto de uma tentativa de longe de Lourency, aos nove minutos, e um remate ‘embrulhado’ de Kraev, aos 19.

A atuar na expectativa, a formação de António Folha, que operou seis mexidas face à derrota no terreno da Académica para a ‘prova rainha’, só conseguiu criar perigo num canto desviado por Jackson Martínez, aos cinco minutos, e num contra-ataque conduzido por Bruno Tabata, aos 20.

Só depois da meia hora regressou alguma emoção ao desafio, com Sandro Lima a desperdiçar na ‘cara’ de Ricardo Ferreira, após cruzamento de Kraev na direita. Na resposta, aos 40, Tabata desmarcou Aylton Boa Morte, que ‘picou’ a bola sobre Denis e assinou o segundo tento na I Liga.

O golo demorou três minutos a ser validado pelo videoárbitro (VAR) e a vantagem algarvia durou apenas cinco minutos, porque Lucas Possignolo rasteirou Baraye na área, originando um penálti convertido por Sandro Lima, em cima do intervalo.

O Portimonense regressou para o segundo tempo com mais rotação, criando perigo pelos pés de Tabata (59) e Marlos Moreno (87), mas a produção global das duas equipas decaiu a pique com o avanço do relógio e nem as substituições introduziram algum rasgo no último terço.

Prova disso foi a incapacidade manifestada pelo Gil Vicente em criar oportunidades que consumassem a reviravolta, num jogo monótono em que acabou reduzido a dez unidades, devido ao duplo amarelo exibido a Claude Gonçalves, aos 89 minutos.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Cidade de Barcelos, em Barcelos.

Gil Vicente – Portimonense, 1-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Aylton Boa Morte, 40 minutos.

1-1, Sandro Lima, 45+6 (grande penalidade).

Equipas:

– Gil Vicente: Denis, Fernando Fonseca, Nogueira, Rúben Fernandes, Henrique (Arthur, 47), Claude Gonçalves, Soares, Kraev, Yves Baraye (Zakaria Naidji, 65), Sandro Lima e Lourency (João Afonso, 65).

(Suplentes: Bruno Diniz, João Afonso, Zakaria Naidji, Arthur, Juan Villa, Leonardo e Samuel Lino).

Treinador: Vítor Oliveira.

– Portimonense: Ricardo Ferreira, Emmanuel Hackman, Lucas Possignolo, Jadson, Rodrigo Freitas, Fernando Medeiros, Lucas Fernandes, Pedro Sá, Bruno Tabata, Jackson Martinez (José Gomes, 52) e Aylton Boa Morte (Marlos Moreno, 82).

(Suplentes: Samuel Portugal, Rómulo Machado, Marlos Moreno, Anderson Oliveira, Luquinhas, José Cevallos e José Gomes).

Treinador: António Folha.

Árbitro: Gustavo Correia (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Lucas Possignolo (56), Claude Gonçalves (66 e 89), Nogueira (69) e Rodrigo Freitas (78). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Claude Gonçalves (89).

Assistência: 3.860 espetadores.

Anúncio

Futebol

Conselho de Disciplina abre processo disciplinar ao Vitória

Caso Marega

em

Foto: Facebook

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje a abertura de um processo disciplinar ao Vitória SC, devido a insultos racistas ao futebolista maliano do FC Porto Moussa Marega.

O avançado do FC Porto recusou-se a permanecer em campo, ao minuto 71 do jogo, após ter sido alvo de cânticos racistas por parte dos adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os ‘dragões’ venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro.

Racismo: Conselho de Disciplina “está limitado” à aplicação dos regulamentos

Depois de pedir a substituição, Marega, que já alinhou no emblema minhoto e tinha marcado o segundo golo dos ‘azuis e brancos’, dirigiu-se para as bancadas do recinto vimaranense, com os polegares a apontarem para baixo, situação que originou uma interrupção do jogo durante cerca de cinco minutos.

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, tendo acabado por ser substituído por Manafá.

Fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou à Lusa a identificação de várias pessoas suspeitas de dirigirem cânticos e insultos racistas a Marega, sem adiantar o número de suspeitos, acrescentando que continua a efetuar diligências para identificar outros envolvidos.

O Ministério Público instaurou um inquérito na sequência deste incidente, que já mereceu a condenação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, entre outros.

Este comportamento configura um crime previsto no Código Penal punido com prisão de seis meses a cinco anos e uma contraordenação sancionada com coima entre 1.000 e 10.000 euros.

Continuar a ler

Futebol

Portugal tem 25 claques legalizadas e mais de 2 mil membros suspensos

SC Braga com mais do que um grupo, Moreirense sem nenhum

em

Foto: SC Braga / Arquivo

O número de grupos organizados de adeptos (GOA) registado em Portugal é de 25, com cerca de 3.000 membros, existindo mais 2.000 elementos suspensos, disse hoje à agência Lusa o organismo de combate à violência no desporto.

“Neste momento existem 25 grupos organizados de adeptos (GOA) registados, com um total de cerca de 3.000 membros registados. Se contabilizássemos os três GOA suspensos pelos seus promotores, o total de membros filiados ultrapassaria os 5.000 elementos”, explicou a Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto (APCVD).

Os GOA cujo registo se encontra suspenso na APCVD, por “requerimento ou por indicação do promotor”, são a Juventude Leonina (Sporting), o Directivo Ultras XXI (Sporting) e a Associação de Adeptos do Desportivo das Aves – 1930 – Força avence (Desportivo das Aves).

Em fevereiro de 2019, a APCVD tinha revelado que o Sporting era o clube com mais elementos registados nas suas quatro claques organizadas: Juventude Leonina (1.632), Diretivo Ultras XXI (709), Torcida Verde (358) e Brigadas Ultras (238), tendo duas delas, entretanto, sido suspensas.

Na lista revelada hoje, Benfica, Moreirense, Portimonense e Paços de Ferreira são os clubes da I Liga de futebol que não têm qualquer grupo organizado de adeptos registado, enquanto equipas como SC Braga, FC Porto, Sporting ou Vitória de Setúbal apresentam mais do que um grupo.

Existem ainda cinco GOA de clubes da II Liga e três de equipas que disputam o Campeonato de Portugal, equivalente ao terceiro escalão, registados.

Continuar a ler

Futebol

Pinto da Costa confirma fim da carreira de Casillas

Ex-guarda-redes vai candidatar-se à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol

em

Foto: DR

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, confirmou, esta terça-feira, o fim da carreira do guarda-redes espanhol Iker Casillas, que na segunda-feira anunciou a intenção de se candidatar à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol.

O dirigente falou aos jornalistas à entrada para o Tribunal de Justiça do Porto, onde está a ser ouvido por videoconferência, como testemunha no julgamento da invasão à academia do Sporting, em Alcochete.

“O Iker Casillas, antes de anunciar a candidatura, veio ao Porto almoçar comigo e comunicar a sua decisão de terminar a carreira”, disse o presidente do FC Porto.

Pinto da Costa comentou a decisão do guarda-redes internacional espanhol, revelando que ficou “muito contente e comovido” com a atitude de Casillas.

“Foi impressionante durante toda a sua carreira, esteve apenas em dois clubes – o FC Porto e o Real Madrid -, e como homem está em atividade plena. Fará falta como pessoa, pois ainda antes do jogo em Guimarães, enviou-nos uma mensagem em vídeo, que ele mesmo filmou e que foi partilhada no nosso balneário, antes do jogo”, revelou.

Casillas anunciou na segunda-feira que será candidato às próximas eleições na Real Federação Espanhola de Futebol, não revelando, no entanto, o seu futuro imediato enquanto jogador. Desde 01 de maio de 2019, altura em que sofreu um enfarte, que o atleta não voltou a jogar.

Continuar a ler

Populares