Seguir o O MINHO

Barcelos

Funcionários de escola secundária em Barcelos fazem greve para exigir reforço do pessoal

Escola Secundária Alcaides de Faria tem perto de 1.700 alunos e, segundo o sindicato, só tem 24 funcionários, três dos quais estão de baixa prolongada

em

A Escola Secundária Alcaides de Faria, em Barcelos, esteve hoje sem aulas desde as 08:00, em resultado de uma greve dos funcionários, que exigem o “urgente” reforço do pessoal, disse um dirigente sindical à Lusa.

Segundo Orlando Gonçalves, coordenador do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte, a greve naquele estabelecimento de ensino começou às 08:00 e terminou às 10:30.

“Esta escola tem perto de 1.700 alunos e só conta com 24 funcionários, três dos quais estão de baixa prolongada, por doença”, referiu.

Foto: O MINHO

Para o sindicalista, aquele número de funcionários “nem sequer cumpre o rácio da portaria governamental”.

“Pelo rácio, faltam seis, mas para a escola funcionar em condições seriam precisos, pelo menos, dez”, sublinhou.

O responsável lembrou ainda que aquela escola tem ensino noturno, o que desde logo “desvia” dois funcionários para aquele período.

Além disso, os funcionários estão constantemente a ser “desviados” para outras escolas do agrupamento, para suprir carências que vão surgindo.

“Desde 2010, saíram 15 funcionários para aposentação e entraram quatro”, disse ainda Orlando Gonçalves.

Para o líder sindical, o número de funcionários na Alcaides de Faria “é manifestamente escasso” e resulta numa “situação muito complicada” para os que estão ao serviço.

Foto: O MINHO

Orlando Gonçalves disse que, em anos anteriores, a escola ainda tinha alguns trabalhadores contratados à hora, os chamados tarefeiros.

“Este ano, nem isso”, lamentou.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Barcelos

Óbito: Oboísta Samuel Bastos (Barcelos) era “um dos melhores da música” mundial

Músico morreu na Suíça

em

Foto: Mário Jorge Silva

O professor e músico Francisco Luís Vieira disse hoje que com a morte do oboísta Samuel Castro Bastos se perdeu “um dos melhores da música” à escala internacional, recordando o seu talento, bondade e ligação a Portugal.

“É uma referência nacional e internacional, uma figura de topo na música. Perdemos um dos melhores da música, não apenas um oboísta, mas um dos melhores instrumentistas da atualidade à escala internacional”, disse à agência Lusa Francisco Luís Vieira.

O professor do Conservatório da Guarda evocou a relação muito próxima que mantinha com o oboísta solista da Orquestra da Ópera de Zurique (Opernhaus Zurich), de 32 anos, que morreu no sábado na Suíça [NDR – e não ao início da manhã de hoje, como foi inicialmente avançado], de causas desconhecidas.

“Conheço-o desde muito cedo, fez parte de um grupo que criei, o Ensemble Palhetas Duplas, e estive com ele em vários congressos, masterclasses, assisti a provas em vários concursos e acompanhei muito o percurso dele”, disse.

Francisco Luís Vieira lembrou Samuel Castro Bastos como “uma pessoa extraordinária e um músico talentosíssimo”, assinalando os “imensos prémios nacionais e internacionais” conquistados ao longo da carreira.

“Era uma pessoa muito bondosa. Fez uma carreira internacional, mas esteve sempre muito ligado a Portugal e à terra dele. Esteve sempre muito ligado às novas gerações de oboístas nas escolas. Ultimamente tinha sido convidado para dar masterclasses em Portugal nas várias escolas um pouco por todo o país. Teve sempre muito gosto e uma vontade enorme de transmitir conhecimentos que foi adquirindo pelo mundo”, disse.

Foto: DR

O músico português Samuel Bastos, natural da freguesia de Oliveira, concelho de Barcelos, era oboísta solista da Orquestra da Ópera de Zurique (Opernhaus Zurich), estando emigrado em Zurique.

Nascido em 1987 no seio de uma família de músicos, natural de Oliveira – Barcelos, iniciou os seus estudos musicais com o pai, aos 07 anos.

Em Portugal, estudou no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga e na Escola Superior de Música de Lisboa.

Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, estudou em Zurique na Zürcher Hochschule der Künste onde concluiu o Bachelor, Master Orchester e o Master Specialized Music Performance – Solist com a distinção máxima na classe de Martin Frutiger (Corne Inglês) e Thomas Indermühle (oboé).

Em Paris estudou com Maurice Bourgue.

Foi vencedor dos concursos internacionais: Fernand Gillet-Hugo Fox nos Estados Unidos da América, Giuseppe Ferlendis e Cittá di Chieri em Itália.

Foi também laureado nos concursos internacionais: Giuseppe Tomassini (Itália), Crussel (Finlândia), Barbirolli (U.K) e Riddes (Suíça).

Em Portugal foi vencedor do Yamaha Music Foundation of Europe, Prémio Jovens Músicos e Prémio Maestro Silva Pereira.

Aos 17 anos integrou a European Union Youth Orchestra, mais tarde a European Wind Orchestra, The World Orchestra e a Gustav Mahler Jugend Orchester, com quem realizou digressões por toda a Europa e China.

Apresentou-se como solista na Europa, Rússia, Estados Unidos da América e Japão e foi membro fundador da Revista Musical Portuguesa Da Capo e colaborava regularmente com a Orquestra XXI.

Continuar a ler

Barcelos

Músico Samuel Bastos (Barcelos) morre na Suíça

Solista de 32 anos da Orquestra da Ópera de Zurique

em

Foto: Direitos Reservados

O oboísta barcelense Samuel Bastos, que em 2017 foi notícia por ter sido o vencedor de um prémio de 12 mil dólares nos Estados Unidos, foi encontrado morto, no sábado [NDR – e não ao início da manhã de hoje, como foi inicialmente avançado], na Suíça, país onde residia.

O músico, natural da freguesia de Oliveira, era solista na Orquestra da Ópera de Zurique. As causas da morte não são conhecidas.

Samuel Bastos. Foto: Mário Jorge Silva

Em 2012, o músico de 32 anos foi admitido, simultaneamente, na Herbert von Karajan Akademie der Berliner Philharmoniker e na Opernhaus Zürich (Orquestra da Ópera de Zurique), como oboísta solista, posição que ocupa atualmente.

Óbito: Oboísta Samuel Bastos (Barcelos) era “um dos melhores da música” mundial

Estudou no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga (1997-2005) e na Escola Superior de Música de Lisboa (2005-2006) com os professores José Fernando Silva e Andrew Swinnerton.

Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, estudou em Zurique na Zürcher Hochschule der Künste, onde concluiu o Master of Arts in Specialized Music Performance – Solist com a distinção máxima na classe dos professores Marc Kissoczy (direção de orquestra), Martin Frutiger (Corne Inglês) e Thomas Indermühle (oboé). Em Paris estudou com Maurice Bourge.

Samuel Bastos foi vencedor e premiado em concursos nacionais e internacionais em Portugal, Itália, Suíça, Alemanha, Reino Unido e Finlândia.

Notícia atualizada às 19h35.

Continuar a ler

Barcelos

IPCA de Barcelos entrega cartas de cursos a alunos finalistas

Grupo de fados abre cerimónia, tuna mista encarregue do encerramento

em

Foto: IPCA

O Instituto Politécnico do Cávado e do Ave entrega, hoje, pelas 15:00, as Cartas de Curso aos diplomados daquela unidade de ensino.

Este ano, a cerimónia é alargada aos diplomados dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais, contando com a habitual presença dos diplomados dos cursos de Licenciatura e Mestrado.

A sessão decorre no edifício da Cantina do IPCA e conta com intervenções do presidente do Conselho Geral do IPCA, Pedro Fraga, do presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, da presidente da Associação Académica, Sara Ferreira e da presidente do IPCA, Maria José Fernandes.

A abertura da cerimónia está a cargo do Grupo de Fados do IPCA e a fechar a sessão atua da Tuna Mista do IPCA.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares