Seguir o O MINHO

Braga

Fuga de gás levou ao corte de rua em Braga

Durante mais de uma hora.

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Uma fuga de gás provocou o corte da rua Quinta das Glacínias, em Ferreiros, Braga, a peões e automobilistas, durante mais de uma hora.


A situação ocorreu esta sexta-feira à tarde, a seguir ao almoço, na sequência da rutura de uma conduta de gás propano, ligada a um depósito a uma centena de metros, e deu-se quando os trabalhadores de uma obra a romperam com uma retroescavadora. Os operários ausentaram-se do local, onde cheirava imenso a gás.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

O alerta foi recebido às 14:15 horas e, no local, estiveram seis operacionais dos Bombeiros Sapadores de Braga com uma viatura e um piquet da EDP.

A PSP de Braga tomou conta da ocorrência.

Anúncio

Braga

Braga aprova voto de louvor pelo Prémio Camões a Vítor Aguiar e Silva

Atribuído por unanimidade

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Braga aprovou hoje, por unanimidade, um voto de louvor e congratulação pela atribuição do Prémio Camões 2020 ao professor e ensaísta Vítor Manuel de Aguiar e Silva.

O voto, apresentado pela vereadora da Educação e Cultura, Lídia Dias, refere que o reconhecimento da obra de Vítor Aguiar e Silva, que foi professor da Universidade do Minho, constitui “um profundo motivo de orgulho” para o concelho.

“Com o objetivo de ressaltar o dedicado trabalho de Vítor Aguiar e Silva, o município de Braga associa-se a este reconhecimento”, acrescenta.

O voto sublinha que Vítor Aguiar e Silva é uma “personalidade assinalável” no âmbito dos Estudos da Literatura Portuguesa.

A atribuição do Prémio Camões 2020 a Vítor Aguiar e Silva foi anunciada em 27 de outubro pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, após reunião do júri, em Lisboa.

Antigo vice-reitor da UMinho vence Prémio Camões

Vítor Aguiar e Silva foi escolhido em reconhecimento da “importância transversal da sua obra ensaística” e do seu “papel ativo relativamente às questões da política da língua portuguesa e ao cânone das literaturas de língua portuguesa”, lê-se no comunicado divulgado pelo júri desta 32.ª edição do Prémio Camões.

Ensaísta e professor universitário, Vítor Manuel de Aguiar e Silva nasceu em Penalva do Castelo, no distrito de Viseu, em 1939.

Na Universidade de Coimbra, obteve todos os seus graus e títulos académicos e foi professor catedrático da Faculdade de Letras até 1989, ano em que pediu transferência para a Universidade do Minho.

Nesta universidade, foi professor catedrático do Instituto de Letras e Ciências Humanas, fundou e dirigiu o Centro de Estudos Humanísticos e a revista Diacrítica.

Desempenhou também as funções de vice-reitor, de junho de 1990 a julho de 2002, altura em que se aposentou.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”.

Continuar a ler

Braga

Braga cria piquete para controlar descargas poluentes no rio Este

Ambiente

em

Foto: DR (Arquivo)

A Câmara de Braga vai criar um piquete para controlar as descargas poluentes no rio Este.

Em declarações ao Jornal de Notícias (JN), que avança a notícia, o vereador do Ambiente, Altino Bessa, adianta que vai ser criado um grupo de trabalho com técnicos das águas pluviais para que, em conjunto com as autoridades, sejam feitas buscas sempre que há um alerta.

O piquete será constituído por oito pessoas, mas a ideia “é que haja sempre, pelo menos, duas disponíveis para ir ao local, quando há um alarme, inclusive ao fim de semana”, refere àquele jornal Altino Bessa, sublinhando que a equipa já tem contactos diretos com elementos da PSP e do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, para fazerem a investigação em conjunto.

Segundo o vereador, o emaranhado de condutas subterrâneas, com centenas de quilómetros, dificulta a deteção da origem das descargas, considerando, porém, que o problema “já foi maior”.

“Precisam de adquirir algum equipamento, mas dentro de pouco tempo estará totalmente operacional”, assegura.
De acordo com o JN, a Câmara de Braga já fez cerca de 1400 análises laboratoriais, em 13 pontos do rio Este. Foram identificados 11 pontos críticos, das quais as zonas dos galos, do Elefante Azul, das piscinas da Rodovia e as traseiras do Forum Braga são as mais preocupantes.

Entre 2018 e este ano, a autarquia comunicou às autoridades 27 ocorrências, nomeadamente, sete em 2018, 11 em 2019 e nove este ano.

Continuar a ler

Braga

PS pede fundo municipal de apoio ao comércio e restauração em Braga

Política

em

Foto: CM Braga / Facebook (Arquivo)

Os vereadores do PS na Câmara de Braga propuseram hoje a criação de um fundo municipal de apoio direto aos pequenos comerciantes e empresários da restauração, face às dificuldades decorrentes da pandemia de covid-19.

Na reunião quinzenal do executivo, o PS, pela voz do vereador Artur Feio, propôs ainda, para 2021, a isenção da derrama à restauração e comércio e o congelamento efetivo de todas as tarifas de água e lixo.

Em relação ao fundo municipal de apoio, Artur Feio apontou o exemplo da Câmara de Lisboa, propondo que o montante a disponibilizar pelo município de Braga seja proporcional à dimensão de um concelho e de outro.

A Câmara de Lisboa anunciou um apoio de 20 milhões de euros, a fundo perdido, às empresas e empresários em nome individual do setor do comércio e restauração, com um volume de negócios até 500 mil euros e quebras de faturação, entre janeiro e setembro de 2020, acima de 25%.

“Pensámos na mesma escala para Braga”, referiu Artur Feio.

Para o PS, este fundo, a par da isenção de derrama e da suspensão do pagamento das tarifas de água e lixo, são “medidas fundamentais” para ajudar a alavancar os negócios.

“O ano de 2021 será de muitas incertezas e muitas dúvidas”, alertou.

O presidente da Câmara, Ricardo Rio, disse que as propostas do PS serão analisadas na próxima reunião do executivo.

Entretanto, o autarca adiantou hoje a O MINHO que vai manter em 2021 a medida de isenção de taxas e licenças, criada no corrente ano, para apoiar a restauração e o comércio em geral. “Vamos manter em 2021 o apoio”, disse.

A URBAC reúne-se, esta tarde, no Fórum Altice Braga, em assembleia-geral para tratar da transformação do organismo em associação. O seu porta-voz, Tiago Carvalho revelou que, no final será apresentado um caderno reivindicativo, com medidas que os restaurantes entendem que a Autarquia pode e deve assumir.

Anteriormente, e em carta enviada à Câmara, a URBAC revelou que está a preparar a definição dos estatutos e posterior eleição dos corpos sociais, pelo que irá reunir-se com todos os empresários com o intuito de avançar para a criação de uma associação que defenda os nossos direitos e que garanta o respeito que merecemos”.

O empresário salienta que “a restauração é uma atividade que há vários anos funciona como montra da nossa região, contribuindo de uma forma ímpar para elevar Portugal ao país que hoje é e que tem merecido o reconhecimento público, nacional e internacional, do nosso trabalho”.

Lembra que a URBAC representa um movimento de 150 restaurantes empregando mais de 1000 trabalhadores.

Em abril, o presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio anunciou o alargamento, até ao fim do ano, da isenção de pagamento de taxas e licenças ao pequeno comércio e aos restaurantes. E permitiu a ampliação de esplanadas para que cafés, bares e restaurantes possam cumprir o distanciamento social.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.313.471 mortos resultantes de mais de 54 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.381 pessoas dos 217.301 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Notícia atualizada às 14h44 com mais informação.

Continuar a ler

Populares