Seguir o O MINHO

Região

Fraude em stands leva PJ a fazer buscas em Braga, Barcelos, Famalicão e Ponte de Lima

Sete detidos

em

Foto: Ilustrativa / DR

Sete detidos, entre os quais empresários do ramo automóvel, são o resultado de uma mega operação da Polícia Judiciária devido a um esquema de fraude fiscal praticado por stands no Norte do país e que levou a buscas nos concelhos de Braga, Barcelos, Famalicão e Ponte de Lima, bem como em Vila Nova de Gaia, Gondomar, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, no distrito do Porto.

Em comunicado, a Polícia Judiciária refere que, através da Diretoria do Norte e no âmbito de um inquérito titulado pelo Ministério Público – DIAP Porto, em articulação com a Direção de Finanças do Porto, realizou uma operação policial para cumprimento de mandados de detenção e de buscas domiciliárias e não domiciliárias, pela presumível prática dos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento, falsificação de documentos, falsidade informática, lenocínio e associação criminosa.

Na sequência das setenta buscas domiciliárias e não domiciliárias, realizadas nos concelhos do Porto, Vila Nova de Gaia, Gondomar, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Braga, Barcelos, Paredes, Vila Nova de Famalicão e Ponte de Lima, foram detidos sete indivíduos, entre os quais três empresários do ramo automóvel e dois contabilistas certificados, com idades compreendidas entre os 35 e os 50 anos, fortemente indiciados pelos referidos crimes.

A PJ esclarece que em causa está um esquema de fraude fiscal que se aproveita da existência de dispares regimes de tributação incidindo sobre a transação de um mesmo bem, no caso em relação a viaturas automóveis, alterando artificial e dolosamente o regime de IVA aplicado, construindo condições para que, no fim de uma cadeia de transações, o sujeito passivo último logre alienar uma viatura automóvel onerada de uma carga fiscal muito menor daquela que deveria ter.

Nesse sentido, acrescenta a PJ, através de um conluio entre todos os envolvidos, introduziram no mercado nacional viaturas a um preço de venda ao público significativamente inferior ao preço normal de mercado, gerando uma significativa distorção no sector automóvel, que acompanha um prejuízo para o erário publico estimado, por ora, em cerca de 4,3 milhões de euros.

“Instrumentalmente, esta organização criminosa falsificou documentos e introduziu e modificou dados informáticos, sendo os proventos da atividade ilícita aplicados na sua promoção com vista a obter posição de relevo no sector, para além da aquisição de bens materiais e na exploração de estabelecimentos onde se favorecia o exercício de prostituição”, acrescenta o comunicado.

A operação policial envolveu investigadores e peritos de diversos departamentos da Policia Judiciária, além de elementos da Autoridade Tributária.

No decurso das diligências realizadas, foi apreendida documentação diversa relativa à prática dos factos, viaturas automóveis, material informático e dinheiro.

Os detidos vão ser presentes à competente autoridade judiciária para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Anúncio

Braga

Vídeo mostra assaltante a furtar em loja de informática em Braga

Em São Victor

Foto: Cedida a O MINHO

A loja studionunosilva, em Braga, foi alvo de assalto na passada terça-feira, por volta das 21:00 horas, com as imagens a ficarem gravadas na videovigilância.

De acordo com Nuno Silva, empresário e proprietário da loja, o assaltante “já devia saber ao que ia”, apontando o furto de uma torre de computador especializada em ‘gaming’.

“A segurança nesta rua [José António Cruz] tem vindo a piorar ao longo dos últimos tempos. Já fomos assaltados em 2018, mas recentemente presenciei dois assaltos a outras lojas” na mesma rua, disse o proprietário a O MINHO.

Nuno Silva já apresentou queixa na PSP, apelando a um reforço policial naquela rua, sobretudo em tempo de confinamento onde circula menos gente na via pública.

Assegura ainda que, enquanto a polícia estava a registar a ocorrência na sua loja, o mesmo indivíduo estaria a assaltar outra loja na mesma rua, uma vez que disparou um alarme. No entanto, a polícia não conseguiu apanhar o ‘amigo do alheio’.

Continuar a ler

Braga

Braga: Professores denunciam pagamentos em atraso. Associação refuta acusações

You Love Dance – Associação para as Artes

You Love Dance funciona na Praceta Parque de Exposições. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Seis professores dizem sentir-se “enganados” por uma academia de dança de Braga e reclamam pagamentos em atraso, os quais levaram mesmo a que deixassem de exercer funções. Já a You Love Dance – Associação para as Artes (YLD) garante ter “todos os valores de prestação de serviços de professores liquidados relativos a 2020”. E acusa alguns dos docentes de incumprimento.

Numa carta aberta à direção, a que O MINHO teve acesso, os professores, de diversas áreas artísticas, referem que a associação estabeleceu acordos “com pelo menos 9 profissionais e, pelo menos seis deles, foram sendo quebrados ao longo de 4 meses de diversas formas por parte da YLD”, sediada na Praceta Parque De Exposições no Altice Forum.

“Como vossas excelências sabem e como o provam os vários e-mails, sms, registos de chamadas e cartas registadas, foram feitas várias tentativas de contacto por cada um dos professores na tentativa de regularizar as situações e de se encontrarem soluções”, lê-se na carta assinada por Ana Marques, Armando Pinho, Catarina Vale, Emanoela Mello, Joana Gonçalves e Joana Silva.

“Na maioria dos contactos, muitos dos quais presenciais, no espaço da YLD, não revelaram falta de possibilidade económica, apenas foram dando diferentes explicações para o atraso nos pagamentos sem nunca os efectuar. Pediram, também, que lhes fossem passados recibos e facturas, que mesmo após serem entregues continuaram sem pagar. Omitiram ainda, as verdadeiras razões pelas quais alguns professores foram deixando de aparecer, quando questionados directamente por outros colegas”, acrescenta.

Questionada por O MINHO, a YLD garante que “possui todos os valores de prestação de serviços de Professores liquidados relativos a 2020”, tendo os últimos sido processados nos primeiros dias de janeiro.

A associação acrescenta ainda que a três dos seis professores foram pedidas faturas e recibos que não foram entregues e, logo que o fossem, seriam processados os pagamentos. A YLD realça ainda que uma dessas profissionais deixou o projeto por iniciativa própria “no próprio dia”, deixando os alunos sem aulas, e outra não informou a direção que tinha testado positivo à covid-19, apesar de ter estado com alunos dois dias antes.

Em relação aos outros três, a associação garante que já têm os seus valores totais processados e acusa-os de não terem elaborado relatórios mensais dos alunos, estando por isso em falta com a instituição, que organiza o festival You Love Dance, em Braga, e o Ribeirão Internacional Dance Festival, em Famalicão.

“Perante isto, agimos de forma que sabemos que poucas entidades o fariam, pois estamos a pagar trabalho ainda não completo”, alega a YLD.

Por seu turno, na carta aberta, os professores afirmam que, “em nenhum momento, foi comunicada por parte da entidade qualquer insatisfação com os serviços prestados pelos profissionais, sendo sempre dado como motivo do não pagamento algum problema logístico ou pura e simplesmente afirmando falsamente que o pagamento já tinha sido feito”.

“O trabalho e a comunicação decorreram dentro da normalidade possível, sempre com conversas sobre o futuro e explicações que iam variando de colega para colega sobre os atrasos e faltas de pagamento”, refere a carta.

No mesmo documento dirigido à YLD é referido que, “entretanto, começaram já a incluir novos profissionais na vossa equipa, para substituir os que devido à falta de pagamento foram forçados a cessar os seus serviços sem que nenhuma explicação lhes tenha sido dada”.

Na resposta enviada a O MINHO, a YLD refere que, “como qualquer equipa que pretende a Excelência e o Sucesso está e estará aberta a entradas e saídas de Profissionais, sempre, com o objetivo de melhorarmos e proporcionarmos aos nossos Alunos ,outros Alunos que interagem connosco e à própria Equipa, mais e melhor aprendizagem”.

“Este trimestre decidimos que é importante termos alguém na Equipa, na área da Fisioterapia e da Nutrição, assim, como, no Tetro Musical, Canto (agora vertente lírica), Escultura e Ateliers de Madeira e outros materiais, pelo que estamos sim, a realizar recrutamento”, acrescenta, notando que a equipa é constituída neste momento por 15 profissionais, “que têm trabalhado e ajudado em tudo o necessário”.

“É isto que pretendemos e são estas pessoas que procuramos. Brevemente, seremos mais alguns, se a conjuntura o proporcionar. Agora claro que, como em qualquer Organização, o facto de alguém integrar a equipa, não significa que se mantenha para sempre… ou além do tempo do Plano de Trabalho, naturalmente”, conclui.

Na carta aberta à YLD os professores dizem-se “enganados” e exigem receber os pagamentos alegadamente em falta até 22 de janeiro. Na sexta-feira passada, os professores e direção reuniram e, ao que O MINHO apurou, entretanto, foi paga uma parte do que é reivindicado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Presidente da Câmara de Viana apela à suspensão da campanha eleitoral

Covid-19

Foto: CM Viana do Castelo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, apelou hoje à suspensão da campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

Em comunicado, o autarca mostra-se preocupado com a evolução no número de óbitos registada e que, só hoje, ultrapassa as duas centenas, e aos milhares de portugueses internados nos hospitais de todo o país.

De acordo com o edil, este cenário configura “uma situação grave e que deve merecer todo o respeito e, acima de tudo, a compreensão e apoio a todos os familiares e entes queridos dos afetados pela pandemia”.

Para José Maria Costa, neste momento, os portugueses estão já devidamente esclarecidos das suas opções de voto, pelo que, para o cidadão comum e para os familiares enlutados ou com os seus entes queridos em situação de risco de vida ou em tratamento,  começa a ser difícil de aceitar que nos meios de comunicação social e logo após reportagens sobre o seu sofrimento, surja uma campanha eleitoral que, muitas vezes, ultrapassa aquilo que é o sentido cívico de esclarecimento necessário em democracia para raiar o insulto ou a deselegância não compagináveis de todo com a situação atual do país.

“O país está a sofrer profundamente, temos milhares e milhares de pessoas que estão a dar o seu melhor no Serviço Nacional de Saúde, outros que estão a sofrer profundamente e que não conseguem fazer o seu luto adequadamente e não se entende que se continue a fazer campanha eleitoral como se nada estivesse a passar-se. Apelo, pois, ao bom senso e ao sentido de humanidade de todos os candidatos para que suspendam a campanha e respeitem os que estão a ser vítimas desta implacável pandemia”, defendeu.

“Como responsável político, começo a ter dificuldade em entender a continuação desta campanha e tenho obrigação de dar apelar ao respeito pela vida e pelos que estão a sofrer”, enfatizou, rematando que “situações excecionais precisam de decisões excecionais”.

As eleições presidenciais estão marcadas para o próximo dia 24 de janeiro.

Continuar a ler

Populares