Seguir o O MINHO

Desporto

FPF cria fundo de 4,7 milhões para apoio ao futebol não-profissional

Covid-19

em

Foto: Divulgação / FPF (Arquivo)

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje a criação de um fundo de apoio ao futebol e futsal não-profissionais no valor de 4,7 milhões de euros (ME), para ajudar a minimizar os efeitos da pandemia de covid-19.

“A direção da FPF decidiu criar um fundo de apoio às associações e aos clubes de futebol e futsal das competições nacionais não-profissionais de seniores masculinos e femininos, no valor de 4,7 ME”, refere a FPF em comunicado, após reunião, “por teleconferência, com as associações distritais e regionais”.

A FPF anunciou hoje o cancelamento dos campeonatos seniores não profissionais de futebol e futsal da época 2019/20, já depois de ter sido também decretado, em 27 de março, o final dos campeonatos de futebol e futsal dos escalões de formação.

Este fundo de apoio soma-se “à linha de crédito de um milhão de euros que a FPF abriu em 19 de março, também destinada aos clubes não profissionais de futebol e de futsal”, sendo que “as regras de acesso ao fundo serão conhecidas em breve”.

“O objetivo da iniciativa é garantir que os clubes cumprem com os compromissos estabelecidos para esta época com jogadores e treinadores”, salientou a FPF, acrescentando que vai igualmente “reforçar a sua participação no Fundo de Garantia Salarial” e manterá com o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol e a Associação Nacional de Treinadores de Futebol monitorização permanente da situação dos jogadores que competem nas provas nacionais não-profissionais seniores e dos treinadores que exercem atividade nestas competições”.

O presidente da FPF, Fernando Gomes, considerou que a FPF tem o “dever e obrigação estatutárias de ajudar” associações e clubes.

“Fazemo-lo com a clara consciência de que não resolveremos todos os problemas que enfrentamos, mas também dando um claro sinal de que esta é uma batalha que travaremos em conjunto e de que é urgente cumprir os compromissos com treinadores e jogadores”, afirmou Fernando Gomes.

O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, referiu que “a decisão do cancelamento da competição era inevitável”, perante o problema de saúde pública que o mundo está a enfrentar, sublinhando que a situação financeira de vários clubes “é muito grave” e que “a prioridade devem ser os jogadores, as equipas técnicas e os funcionários”.

Da mesma forma, o presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol (ANTF), José Pereira, referiu que o fundo criado pela FPF “salvaguarda alguns clubes, que terão mais dificuldades em cumprir as suas obrigações” e, por conseguinte, “também todos os seus funcionários, incluindo treinadores”.

Os campeonatos seniores não profissionais de futebol e futsal da época 2019/20 foram hoje cancelados pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), devido à pandemia de covid-19, sendo que o organismo anunciou “dar por concluídas, sem vencedores, todas as suas competições seniores que se encontram nesta data suspensas, não sendo atribuídos títulos nem aplicado o regime de subidas e descidas”.

As competições profissionais, I Liga e II Liga, continuam suspensas, após 24 das 34 jornadas, bem como a Taça de Portugal, que tem Benfica e FC Porto como finalistas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu é, neste momento, o mais atingido, com mais de 750 mil infetados e mais de 58 mil mortos.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, registaram-se 380 mortes (mais 35 do que na véspera) e 13.141 casos de infeções confirmadas (mais 699), segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Anúncio

Futebol

‘Mágico’ Famalicão vence FC Porto

E sobe ao quinto lugar da Liga

em

Foto: Twitter

O FC Famalicão venceu esta quarta-feira, o FC Porto, por 2-1, em jogo a contar para a 25.ª jornada da I Liga.

Fábio Martins, aos 48, e Pedro Gonçalves, aos 78, fizeram os golos para a equipa da casa. Corona fez o tento de honra para os portistas, aos 74 minutos.

Com este resultado, os famalicenses sobem para o 5.º lugar, com 40 pontos. Já o FC Porto mantém a liderança à condição, com 60 pontos. O Benfica, com 59 pontos, tem menos um jogo e pode regressar à liderança.

Ficha de Jogo

Jogo disputado no Estádio Municipal de Famalicão.

Famalicão – FC Porto, 2-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Fábio Martins, 48.

1-1, Corona, 74.

2-1, Pedro Gonçalves, 78.

Equipas:

– Famalicão: Defendi, Ivo Pinto, Nehuén Pérez, Roderick, Centelles (Walterson, 80), Racic, Pedro Gonçalves, Diogo Gonçalves, Lameiras (Patrick William, 62), Fábio Martins (Guga, 75) e Toni Martínez.

(Suplentes: Gabriel, Guga, Walterson, Ofori, Riccieli, Anderson e Patrick William).

Treinador: João Pedro Sousa.

– FC Porto: Marchesín, Corona, Pepe, Mbemba, Manafá, Otávio, Danilo (Zé Luís, 73), Sérgio Oliveira, Luis Díaz, Marega e Soares (Aboubakar, 82).

(Suplentes: Diogo Costa, Diogo Leite, Aboubakar, Uribe, Zé Luís, Fábio Vieira e Vítor Ferreira).

Árbitro: Nuno Almeida (AF Algarve).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Nehuén Pérez (4), Toni Martínez (39), Otávio (45+2), Centelles (63), Defendi (89).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

(em atualização)

Continuar a ler

Futebol

“Neste momento as equipas não têm ritmo e hoje viu-se isso”

I Liga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Declarações dos treinadores do Portimonense e do Gil Vicente após o jogo da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado em Portimão, que terminou com a vitória dos algarvios por 1-0:

Vítor Oliveira (Treinador do Gil Vicente): “Um jogo com duas partes absolutamente distintas. Uma primeira parte em que fomos melhores, ocupámos bem o espaço, circulámos, conseguimos sair e fomos à área do adversário com relativa facilidade, mas não tivemos critério no último terço do terreno, com decisões que não foram as melhores.

Acabámos por desperdiçar algumas situações em que tivemos superioridade sobre o adversário e poderíamos ter tido melhor aproveitamento.

Na segunda parte o jogo estava morno nos primeiros cinco minutos e acabamos por sofrer um golo e a partir daí deixamos de existir.

Fizemos uma exibição que me parece preocupante relativamente àquilo que nós pretendíamos.

O Gil Vicente ainda precisa de pontos, precisa de os conquistar e tem de os conquistar o mais rapidamente possível.

A nossa segunda parte foi completamente desanimadora. Neste momento, nós não sabemos aquilatar com um critério bem definido o que as equipas valem. Nós ficamos na dúvida.

Este campeonato vai ser extremamente difícil para muita gente, incluindo a equipa do Gil Vicente.

Não sabemos muito bem o que vai acontecer e, pelo menos, nestes primeiros três/quatro jogos as surpresas vão-se suceder com alguma facilidade.

Neste momento as equipas não têm ritmo e hoje viu-se isso, com 25 minutos com muito pouca qualidade”.

Paulo Sérgio (Treinador do Portimonense): “Foram duas equipas que em função da classificação que têm, apresentaram estratégias diferentes na partida.

O Portimonense a controlar e a comandar o jogo, penso, que na maior parte do tempo, e o Gil Vicente sempre muito perigoso a tentar meter velocidade na frente, a tentar jogar nas nossas costas.

O objetivo era não cometar erros, mas ainda assim cometemos alguns, mas que o Gil Vicente não aproveitou.

Temos um golo de ‘bandeira’, mas também temos umas quatro ou cinco boas situações, mas não fomos eficazes na finalização.

Foi um jogo difícil para ambas as equipas depois desta paragem, e os dois treinadores estavam expectantes para ver qual a real resposta dos conjuntos.

Foi um jogo frio porque não tem público, um ambiente diferente, mas, graças a Deus, o Portimonense somou os três pontos e conseguiu manter a baliza inviolável.

Demos um passo importante para alcançarmos o nosso objetivo”.

Continuar a ler

Futebol

Dezenas de adeptos no acesso ao estádio do Famalicão

Regresso do futebol

em

Imagem via Fama TV

Algumas dezenas de adeptos do FC Porto e do Famalicão reuniram-se hoje nas imediações do Estádio Municipal 22 de junho, na cidade minhota, para saudar a chegada das duas equipas ao recinto, antes da partida 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Os apoiantes concentraram-se num dos acessos ao recinto, na parte exterior de um perímetro de segurança montado pela Polícia de Segurança Pública no local, e aplaudiram, de forma efusiva, a chegadas dos dois autocarros das equipas.

Apesar do distanciamento de segurança nem sempre ter sido cumprido, a maioria dos apoiantes que se concentraram no local estava a usar máscaras e com um comportamento ordeiro, que chegou a merecer elogios do responsável da PSP.

“Operação está a correr de forma favorável. O perímetro de segurança que foi montado tem resultado. Pudemos contar com a colaboração dos adeptos que não comparecerem em grande número e os que surgiram tiveram um comportamento favorável”, disse Rui Pereira, subintendente da PSP, do comando distrital de Braga.

Para esta operação, foram destacados quase 100 elementos desta força policial, que vão controlar os adeptos, sobretudo do FC Porto, que pretendem ficar nas imediações do estádio a apoiar a equipa.

Já os adeptos do Famalicão estão, na maioria, concentrados nas janelas e varandas dos prédios e em alguns cafés das ruas envolventes ao estádio, não havendo, por enquanto, registo de incidentes entre apoiantes das duas formações.

A partida entre Famalicão e FC Porto, da 25.ª jornada, que marca a retoma do campeonato para os dois conjuntos depois da paragem devido à pandemia de covid-19, tem início agendado para as 21:15, e terá arbitragem de Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.

Continuar a ler

Populares