Seguir o O MINHO

Motores

Fórmula 1 regressa a Portugal em 25 de outubro, 24 anos depois

Portimão

em

Foto: DR / Arquivo

O Mundial de Fórmula 1 vai regressar a Portugal em 25 de outubro, 24 anos depois da última vez, agora no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, anunciou hoje a organização.


O Grande Prémio de Portugal vai ser disputado entre 23 e 25 de outubro, estando prevista a presença de público nas bancadas, disse hoje à Lusa o presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), Ni Amorim.

Já eram conhecidas as 10 primeiras provas do novo calendário, cuja ronda inicial se disputou em Spielberg, na Áustria, em 05 de julho, com o circuito austríaco a receber outra prova no fim de semana seguinte, antes da realização do GP da Hungria, em 19 de julho.

A última vez que a Fórmula 1 passou por Portugal foi em 1996, no Estoril.

O canadiano Jacques Villeneuve (Williams) foi o último vencedor da prova, deixando o seu companheiro de equipa, o britânico Damon Hill, na segunda posição. O alemão Michael Schumacher, em Benetton, completou o pódio, mas viria a perder o título nesse ano para Hill.

O início da competição estava previsto para 15 de março, na Austrália, mas a prova foi cancelada devido à pandemia de covid-19.

Ao todo, já foram canceladas ou adiadas 13 das 22 corridas da temporada, mas os responsáveis do campeonato esperam ter um calendário com 15 a 18 corridas até ao fim deste ano.

A sucessão de cancelamentos abriu a porta à utilização de novos circuitos na segunda metade da temporada do Mundial de Fórmula 1, como o circuito de Mugello ou o Autódromo Internacional do Algarve.

Anúncio

Motores

Mundial de superbikes regressa ao Estoril e terá dois portugueses em prova

Motociclismo

em

Foto: DR / Arquivo

O campeonato do mundo de superbikes vai decorrer, pela terceira vez, no Circuito do Estoril, onde os pilotos portugueses Tomás Alonso e Miguel Santiago vão tentar a qualificação para a corrida principal na categoria Superbike 300.

Além dos dois jovens portugueses, a última prova do Mundial de superbikes, que visitou o Estoril em 1988 e 1993, poderá ainda contar com a participação de Pedro Fragoso nas Super Sport 300.

Depois da qualificação na prova do campeonato do mundo em Portimão, Tomás Alonso, que lidera o nacional, ambiciona repetir a experiência no Autódromo do Estoril.

“O objetivo vai ser como em Portimão, primeiro qualificar-me para a corrida principal e depois tentar fazer um grande resultado. Não há muita tática, vou dar tudo de início ao fim. Sabemos que é muito complicado nas Super Sport 300, porque são muitos pilotos e todos querem ganhar, mas vou dar o meu melhor e tentar trazer um bom resultado para mim e para Portugal”, avançou Alonso.

Já Miguel Santiago, que compete no campeonato espanhol, nunca disputou nenhuma corrida do Mundial e não esconde estar “muito entusiasmado com esta prova.”

“Desde há um ano que ando a sonhar com isto, a equipa sempre trabalhou comigo para conseguirmos um bom ‘set up’ para a mota, para me habituar rápido a esta categoria e subir para o Mundial o mais rápido possível. Graças à Federação de Motociclismo de Portugal e à minha equipa vou conseguir participar no Mundial no Estoril e vou dar o meu melhor. Vou dar tudo do início ao fim para aprender com os melhores do mundo e tentar me classificar”, defendeu Miguel Santiago, reconhecendo que a “falta de experiência será uma dificuldade acrescida, mas o objetivo é aprender o máximo possível”.

Manuel Marinheiro, presidente da Federação de Motociclismo de Portugal, além de destacar o trabalho e empreendedorismo de Jorge Viegas, presidente da Federação Internacional de Motociclismo, e a capacidade organizativa em Portugal, nomeadamente em Cascais, lembra que estão a ser feitos “todos os possíveis” para os pilotos lusos mais novos “poderem participar” nas provais internacionais.

“É um nível elevadíssimo, mas é a melhor forma de evoluírem e essa é também a nossa função. O foco da Federação é essencialmente os nossos pilotos, dar a oportunidade de competir com os melhores a nível mundial”, frisou o Manuel Marinheiro.

Já Frederico Nunes, vereador do desporto da Câmara Municipal de Cascais, apontou para a importância de Cascais receber estas duas provas, o campeonato do mundo de superbikes e as 12 horas Estoril, última prova do Mundial de motociclismo de resistência, ambas apresentadas hoje na Marina de Cascais.

“É um orgulho para Cascais e para Portugal receber todas estas provas internacionais. Têm os olhos postos em Cascais, temos vindo a demonstrar que somos bons a organizar e a acolher. Se não fomos os primeiros, fomos dos primeiros a receber, em tempos de pandemia, e organizar uma prova de motociclismo”, sublinhou o vereador.

Continuar a ler

Motores

Miguel Oliveira “motivado” para GP da Catalunha de MotoGP

Motociclismo

em

Miguel Oliveira. Foto: DR / Arquivo

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) garantiu estar “motivado” para o Grande Prémio da Catalunha, oitava prova do Mundial de MotoGP, que se disputa no domingo, em Barcelona.

Em declarações difundidas pela equipa Tech3, pela qual alinha o piloto de Almada, Miguel Oliveira disse que o circuito de Montmeló “é uma pista que se adequa bem” à KTM e ao seu “estilo de condução”.

“Estou a gostar de trabalhar assim e conseguir um resultado ainda melhor do que aquele que consegui no GP da Emilia Romana”, frisou Miguel Oliveira.

O piloto luso garante testar “motivado para ir para Barcelona”.

“Depois do resultado da corrida em Misano [no domingo, no qual foi quinto classificado], penso que podemos relaxar um pouco”, sublinhou Oliveira.

O GP da Catalunha será a oitava prova do Mundial de MotoGP e, após sete corridas disputadas, Miguel Oliveira é oitavo classificado, com 59 pontos, a 25 do líder, o italiano Andrea Dovizioso (Ducati).

Continuar a ler

Motores

Miguel Oliveira em quinto no GP da Riviera de Rimini de MotoGP

Motociclismo

em

Foto: Divulgação / Miguel Oliveira

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) terminou hoje na quinta posição o Grande Prémio da Emília Romana e Riviera de Rimini, em Itália, sétima prova da temporada de MotoGP, depois de ter partido da 15.ª posição.

O piloto português terminou a 7,368 segundos do vencedor, o espanhol Maverick Viñales (Yamaha), que se tornou no sexto piloto diferente a vencer esta época.

Os espanhóis Joan Mir (Suzuki) e Pol Espargaró (KTM) foram segundo e terceiro, respetivamente.

Continuar a ler

Populares