Seguir o O MINHO

Futebol

“Foi um longo período de espera, mas sempre acreditei”

Ricardo Horta na seleção

em

Foto: RTP

O avançado Ricardo Horta admitiu hoje que viveu “um longo período de espera” até ser novamente chamado à seleção portuguesa de futebol, mas “sempre acreditou que voltaria” a constar entre os melhores jogadores lusos.

“Foi um longo período de espera, confesso. Mas sempre acreditei que este momento voltaria a chegar, sempre trabalhei para isso e é com muito orgulho que estou aqui e faço parte dos escolhidos do ‘mister’ [Fernando Santos]. É um orgulho estar neste grupo cheio de jogadores com qualidade”, confessou Ricardo Horta, de 27 anos, em conferência de imprensa, realizada na Cidade do Futebol, em Oeiras.

O futebolista do Sporting de Braga não era chamado à principal equipa das ‘quinas’ desde o último encontro de Paulo Bento, em 07 de setembro de 2014.

Questionado sobre uma eventual saída do clube minhoto, face à grande temporada a nível individual, Horta preferiu não abordar o tema, uma vez que está concentrado apenas nos quatros encontros de Portugal no Grupo 2 da Liga das Nações A.

“Não é o momento para falar disso, o que tiver de acontecer, acontecerá. Estou muito focado na seleção, quero mostrar-me aos meus colegas, ao selecionador e dar o meu máximo. É para isso que estou aqui”, transmitiu.

Portugal está inserido numa ‘poule’ com Espanha, Suíça e República Checa, adversários que, segundo o avançado, vão ser competitivos.

“Queremos ganhar este grupo equilibrado, queremos vencer. São quatro jogos muito competitivos num espaço de tempo muito curto. É obrigatório vencer”, perspetivou.

Por fim, abordou aquela que foi a sua melhor temporada, fruto dos 23 golos e 10 assistências em 49 encontros oficiais pelos bracarenses.

“Esta época tem sido de sonho, a minha melhor, com os melhores números e ser chamado a seleção é, sem dúvida, dos melhores momentos da minha carreira. Vou aproveitar ao máximo”, concluiu.

No Grupo 2 da Liga A, Portugal começa por defrontar a Espanha, em 02 de junho, em Sevilha, depois joga duas vezes em Alvalade, em 05, com a Suíça, e em 09, com a República Checa, para, no dia 12, atuar em Genebra, no segundo embate com os helvéticos.

Depois destes quatro jogos, a formação das ‘quinas’ cumpre os últimos dois encontros em 24 e 27 de setembro, o primeiro na República Checa e o segundo em Braga, face aos espanhóis.

A formação das ‘quinas’, vencedora da primeira edição da Liga das Nações, em 2019, precisa de vencer o agrupamento para chegar à ‘final four’ da terceira edição, sendo que a segunda foi conquistada pela França, numa final com a Espanha, em 2021.

A fase final da Liga das Nações realiza-se de 14 a 18 de junho de 2022, com os vencedores dos quatro grupos da Liga A, sendo que os últimos de cada um dos agrupamentos descem à Liga B.

Populares