Seguir o O MINHO

País

Filme sobre herói português da revolução americana vai custar 15 milhões de dólares

“Luso”, realizado por Diogo Morgado e baseado na história verdadeira de Pedro Francisco

em

Foto: Ilustrativa

O filme Luso, baseado na história verdadeira de Pedro Francisco, um português que lutou sob o comando de George Washington na revolução americana, vai custar 15 milhões de dólares (13,5 milhões de euros), disse à Lusa o produtor Travis Bowman.

O produtor e argumentista é trineto do herói português, conhecido nos Estados Unidos como Peter Francisco, que nasceu nos Açores em 1760 e foi raptado aos cinco anos, tendo sido abandonado num porto do estado norte-americano da Virginia em junho de 1765.

A intenção é produzir um filme independente com as características cinematográficas de grandes dramas históricos, como Braveheart e Gladiador, partindo do livro que Travis Bowman publicou em 2009 sobre Peter Francisco, intitulado Hércules da Revolução.

“Estamos a trabalhar no financiamento e temos o City National Bank em Beverly Hills que vai financiar 10 milhões”, explicou o produtor do filme, que será realizado por Diogo Morgado e terá a participação de Daniela Ruah, Sónia Braga e Fredy Costa, com Brian Patrick Wade no papel principal.

“Os outros cinco milhões será através de investidores, que se vão disponibilizar a investir dinheiro em troca de um bom retorno se o filme tiver sucesso”.

Travis Bowman e Brian Patrick Wade deslocaram-se a Portugal duas vezes no último ano para reuniões com o Instituto do Cinema e do Audiovisual, que tem um programa de incentivos para produções estrangeiras, e com a NOS, para assegurar a distribuição na rede de cinemas em Portugal.

Também estiveram presentes na 23ª gala anual do Conselho de Liderança Luso-Americano dos Estados Unidos (PALCUS), que decorreu em Sacramento no sábado, 12 de outubro, para promover a produção.

“Os factos são surpreendentes e é incrível que este filme nunca tenha sido feito”, disse Travis Bowman, que começou a trabalhar no projeto há cinco anos. “Talvez fosse necessário alguém com paixão, um descendente do Peter como eu”, acrescentou o produtor, que está a trabalhar com Chris Cates e Leah Allen no projeto.

Quando escreveu o livro, disse “já pensava na altura que isto tinha todos os ingredientes de um blockbuster”. Depois, fez um mini-documentário para o Canal de História que é até hoje o único dedicado ao herói açoriano da revolução americana.

“A minha avó falava muito do Peter Francisco quando eu era novo”, contou Bowman.

“É um rapaz raptado em criança que cresce para se tornar um gigante”, disse o descendente.

Peter Francisco cresceu na servidão e aos 16 anos já tinha 1,98m e pesava 118 quilos. Alistou-se no 10º regimento da Virginia para lutar na Guerra Revolucionária e tornou-se notório como soldado em grandes batalhas, incluindo Camden em 1780 e Guilford Courthouse em 1781.

Com o início das filmagens previsto para o primeiro trimestre de 2020, em Portugal, Virginia e Carolina do Norte, a equipa de produção aponta para o lançamento internacional em 2022, sendo que os acordos de distribuição nos mercados fora dos Estados Unidos, nomeadamente Portugal e Brasil, serão fechados antes disso.

Bowman disse ter expectativas elevadas para “Luso” – título que se refere à alcunha que Peter Francisco recebeu do General Lafayette – considerando que se trata de “uma história muito cativante”.

“Quando se olha para filmes como O Patriota, Gladiador ou até Guerra das Estrelas, temos uma pessoa a ultrapassar as dificuldades, há uma pitada de romance e um sentimento de patriotismo”, descreveu. “Acho que tem todos os ingredientes de um blockbuster à espera de acontecer”.

George Washington, o primeiro presidente norte-americano, disse que sem Peter Francisco os Estados Unidos poderiam ter perdido a guerra da revolução contra os britânicos, uma citação inscrita no monumento erigido em honra do português em New Bedford, Massachussetts. “É verdadeiramente um exército de um homem só”, disse o presidente, que mandara fazer uma espada de 1,80m de propósito para ele.

Há vários outros monumentos em sua honra na Carolina do Norte, Nova Jersey, Rhode Island e Virginia, e em 1976 foi emitido um selo na coleção bicentenária dos EUA com a cara de Peter Francisco, um “soldado extraordinário”.

Vários estados norte-americanos assinalam o Dia de Peter Francisco a 15 de março, aniversário da Batalha de Guilford Courthouse, em Greensboro, em que o “gigante” açoriano matou 11 soldados britânicos e quase morreu dos ferimentos sofridos.

“É baseado numa história verdadeira” disse Bowman, “e toda ela é épica”.

Anúncio

País

Marcelo e Governo unidos para retirar sem-abrigo das ruas até 2023

Presidente da República preocupado com a existência de sem-abrigo em Portugal

em

Foto: DR / Arquivo

O Presidente da República declarou hoje apoio ao Governo na “tarefa comum” de acabar com as situações de sem-abrigo até 2023, uma meta que reiterou, no final de mais uma reunião que promoveu sobre esta matéria.

Em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa, com a ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, ao seu lado, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que este foi “um ano de transição entre dois planos de ação”, para 2017-2018 e para 2019-2020, o que “tem sempre um custo no período de arranque”.

“O grande desafio é, no ano de 2020, tomar aquilo que existe de meios, de recursos disponíveis, mais outros, de outras instituições, e atingir metas que permitam avançar para a meta de 2023”, defendeu o chefe de Estado reiterando que até essa data Portugal deve resolver totalmente este problema.

O Presidente da República argumentou que “a meta de 2023 tem uma lógica”, porque “corresponde ao fim da legislatura que agora começa”, e afirmou: “Portanto, a ideia é tudo fazer para que quem quiser possa ter condições para sair da situação de sem-abrigo. É esse o compromisso social traduzido num empenhamento social ao longo dos próximos quatro anos”.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, depois de “um ano de transição”, o Plano de Ação 2019-2020 vai entrar “em velocidade cruzeiro no início do ano de 2020”.

“E para 2020 surgiram aqui ideias, propósitos, modificações, aperfeiçoamentos, que eu penso que poderão ser muito importantes para se chegar a uma meta que é no fundo desejada por todos os portugueses”, considerou.

O chefe de Estado promoveu esta reunião para se fazer um ponto de situação do Plano de Ação 2019-2020 da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023, com representantes do Governo, da Câmara Municipal de Lisboa e de várias associações que atuam nas ruas da capital do país, cujo trabalho quis “agradecer e louvar”.

“Hoje falámos do país, mas sobretudo de Lisboa. Haverá uma reunião idêntica no dia 5 de dezembro no Porto e outras noutros pontos do país”, adiantou.

Após reiterar que este problema deve ser resolvido até 2023, Marcelo Rebelo de Sousa apontou a habitação, a saúde e a reinserção social e profissional das pessoas sem-abrigo como três “áreas muito sensíveis e prioritárias” de atuação.

“A quarta ideia que vos deixo é do apoio que o Presidente da República ao Governo, para além do apoio a todas as instituições também aqui presentes”, acrescentou.

“Especificamente, o apoio do Presidente da República ao Governo nesta tarefa comum, que não é a tarefa de um partido, não é tarefa de um grupo, não é tarefa de nenhuma personalidade, é uma tarefa coletiva. Difícil, mas não impossível. E todos os dias se tem de trabalhar para, sabendo que é difícil, converter em mais possível do que no dia anterior, no mês anterior, nos anos anteriores”, completou.

Marcelo Rebelo de Sousa frisou a mensagem de que esta “não é uma bandeira do Presidente da República, é a bandeira de Portugal, portanto, é a bandeira do Presidente, é do parlamento, é do Governo, é dos municípios, é da sociedade civil, é de todos”.

Participaram nesta reunião a ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes, e representantes da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa, da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial, do Centro de Apoio ao Sem Abrigo, da Associação Crescer, da Associação Médicos do Mundo e da Comunidade Vida e Paz.

Continuar a ler

País

Ministério das Finanças libertou verbas para pagamentos a bombeiros

“Face à veemente reclamação”, diz Liga dos Bombeiros

em

Bombeiros Voluntários de Braga. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) anunciou hoje que, “face à veemente reclamação”, da LBP, o Ministério das Finanças “já libertou as verbas” para pagamentos às corporações no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR).

A Liga adianta que no final da semana passada questionou o Ministério da Administração Interna (MAI) e a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) sobre os atrasos no pagamento das verbas respeitantes ao mês de outubro.

“Este será um processo que a LBP não deixará de acompanhar em permanência. Importa salientar que os recorrentes atrasos, colocam em causa a sustentabilidade das associações humanitárias e corpos de bombeiros”, refere o documento.

Os bombeiros voluntários que integram o DECIR recebem da Proteção Civil a compartição financeira de 50 euros por 24 horas.

O presidente da Liga disse à Lusa no final de outubro que a ANEPC ainda não tinha pago as dívidas todas às associações humanitárias de bombeiros, continuando por saldar as despesas extraordinárias desde julho deste ano e algumas de 2018.

Segundo o presidente da LBP, o que está por pagar são as despesas extraordinárias feitas durante o combate aos fogos, como alimentação, combustível e reparação de viaturas.

Continuar a ler

País

PSD: Pinto Luz diz que “não se resigna” a disputar “campeonato dos pequeninos”

Eleições no PSD

em

Foto: Divulgação

O candidato à liderança social-democrata Miguel Pinto Luz afirmou hoje não se resignar a um partido que disputa o “campeonato dos pequeninos” ou é “uma segunda escolha do PS”, pedindo a “quem não gosta deste PSD” que se afaste

Na apresentação da sua candidatura à liderança, em Lisboa, o vice-presidente da Câmara de Cascais disse ter a ambição de vencer as eleições diretas de 11 de janeiro para “ganhar as próximas autárquicas e, naturalmente, reconquistar a confiança dos portugueses para liderar o governo” do país.

Sem nunca mencionar o nome do atual presidente do partido, Rui Rio, Pinto Luz lamentou que haja “quem só gosta de uma parte do PSD”.

“Eu não sei o que é gostar a 50%, ou a 70% ou a 80%. Ou se gosta do PSD ou não se gosta do PSD! E quando se gosta do PSD, não se diminui o partido, concelhia a concelhia, distrital a distrital, apenas para se ter o partido que se quer. Quem não gosta deste PSD, dê lugar a quem goste e queira lutar por Portugal”, apelou.

O antigo líder da distrital de Lisboa confessou estar preocupado com o estado atual do PSD, garantindo estar “entre aqueles que não se resignam perante um PSD destituído de ambição, um PSD que apenas disputa lugares intermédios da primeira liga da política”.

O candidato admitiu que a sua preocupação aumentou depois das legislativas de 06 de outubro: “Desde as legislativas de 2002, o PSD tem ficado abaixo dos 40%. Em 17 anos, baixámos mais de 12 pontos percentuais. No mês passado, nem 28% obtivemos”, lamentou, considerando que essa perda de influência eleitoral se deve à perda de influência na sociedade.

“O PSD será a nova escolha dos portugueses, e nunca por nunca a segunda escolha do PS. A tarefa que me proponho é liderar uma oposição de confiança capaz de conduzir o PSD novamente ao governo de Portugal”, afirmou.

Dos antigos líderes do partido, o candidato destacou apenas três: os antigos primeiros-ministros Francisco Sá Carneiro, Aníbal Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho.

“Não discuto idades, nem gerações dos protagonistas, um partido não é feito só de mais novos ou de mais velhos, é feito com todos, não pode é ser feito sempre com os mesmos, com os mesmos rostos”, afirmou.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares