Seguir o O MINHO

Braga

Filipe Vaz, da UMinho, é doutor honoris causa pela Universidade de Brasov

em

Foto: DR

É Pró-reitor da UMinho e foi homenageado pelos seus contributos na investigação e ensino das ciências. Filipe Vaz, professor do Departamento de Física da Escola de Ciências e pró-reitor para Investigação e Projetos da Universidade do Minho, foi distinguido com o título de doutor “honoris causa” pela Universidade Transilvânia de Brasov (UTBv), na Roménia. A Reitoria adiantou que a cerimónia decorreu durante as celebrações do 47º aniversário daquela academia do Leste europeu.


A UTBv reconheceu o intenso trabalho desenvolvido por Filipe Vaz em prol da excelência da investigação em ciência e engenharia dos materiais e destacou a “excelente colaboração” que vem mantendo há mais de 15 anos com aquela instituição. A proposta foi apresentada pela Faculdade de Ciência e Engenharia de Materiais da UTBv, tendo sido aprovada por unanimidade pelos órgãos daquela universidade.

Nascido em Famalicão há 48 anos, Filipe Vaz é licenciado em Ensino de Física e Química e doutorado em Ciências- especialidade em Física, pela UMinho, onde leciona desde 1992. Como investigador do Centro de Física da UMinho, liderou e participou em dez projetos europeus e 16 nacionais financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pela Agência Nacional de Inovação, 11 projetos bilaterais e outros em parceria com empresas.

Tem três patentes, uma delas internacional, é autor de cerca de 200 artigos científicos e de vários capítulos e livros, tendo orientado cerca de 50 estudantes de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento. Foi vice-presidente da Escola de Ciências, membro do Senado Académico e pró-reitor para os Novos Projetos de Ensino entre 2013 e 2017.

Anúncio

Braga

Artesão trabalha a 800 metros de altura entre Vila Verde e Ponte da Barca

Cultura e tradição

em

Foto: Armando Carriça / O MINHO

Fernando Rei, um dos últimos mestres da tecelagem manual no Minho, preparou uma surpresa, na passada sexta-feira, a cerca de uma dezena de elementos que participavam numa caminhada pelas terras da Nóbrega, na raia distrital entre os concelhos de Vila Verde e Ponte da Barca.

A cerca de 800 metros de altura, no topo do Castelo de Aboim (dividido entre as localidades de Aboim da Nóbrega e do Livramento), o jovem tecelão, vencedor de vários prémios nacionais e internacionais, criou uma manta enquanto o sol se pôs, terminando o trabalho já sob o luar limpo do monte onde se consegue avistar concelhos de Braga, Vila Verde, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca.

Foto: Armando Carriça / O MINHO

Foto: Armando Carriça / O MINHO

Foto: Armando Carriça / O MINHO

O tecelão, apesar de jovem, é um dos últimos guardiões desta arte milenar, vivendo exclusivamente do trabalho que produz num pequeno anexo, na residência em Aboim da Nóbrega, concelho de Vila Verde.

Recentemente, fez parte de um grupo de tecelões portugueses que compuseram uma nova mala do estilista francês Christian Louboutin, lançada em 2019 e com venda em exclusivo no site My Theresa por 1.659 euros.

A peça que Fernando ajudou a criar foi bastante elogiada na revista Vogue, uma das mais prestigiadas publicações cosmopolitas a nível mundial.

Foto: Tearte / Divulgação

Entre a carteira de clientes, Fernando Rei tem uma empresa sueca de sapatilhas, entre outras marcas conhecidas do mercado têxtil. É, também, presença assídua nas mais importantes feiras e exposições de moda em Portugal e Espanha, como a FIL e a Feira de Madrid.

Lethes Go

Cristina Lima, gerente da Lethes Go, que organizou a caminhada, explica que a surpresa foi combinada com antecedência, de forma a proporcionar uma aventura diferente aos turistas que caminharam pelos trilhos de Vila Verde.

“Tivemos essa curiosidade de o artesão Fernando Rei, do conhecido projeto Tearte, levar o tear para o topo do monte do castelo para um raro momento ao vivo, de forma a mostrarmos a tradição local durante a caminhada”, explicou a responsável a O MINHO.

Orientados pelos guias Domingos Costa e Armando Carriça, os participantes, vindos de diferentes pontos de Portugal (e até da Polónia) ficaram “encantados”, assegura Cristina.

Foto: Armando Carriça / O MINHO

“Ficaram encantados, aproveitaram o pôr-do-sol e com isto tudo misturado deu para culminar em beleza todo o programa que fizemos durante o final de tarde e início de noite”, conta.

A Lethes Go, com sede em Viana do Castelo, organiza eventos personalizados relacionados com cultura, natureza e preservação ambiental, onde a missão passa pela sustentabilidade e pela promoção do desenvolvimento local no Minho, com especial incidência no vale do Lima.

Continuar a ler

Braga

Homem esfaqueado pela companheira em Vieira do Minho

Violência doméstica

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem de 48 anos foi transportado para o hospital depois de ter sido atingido com uma arma branca pela companheira, após um episódio de violência doméstica na habitação onde residem, em Vieira do Minho.

Ao que apurou O MINHO, o casal estava a agredir-se mutuamente quando a mulher terá pegado numa faca e desferiu um golpe num dos braços do companheiro.

Foi solicitada a presença da GNR de Vieira do Minho que acorreu ao local com uma patrulha e ativou os serviços de emergência para uma situação de agressão com dois feridos.

Chegados ao local, na Rua Souto do Monte, freguesia de Mosteiro, os Bombeiros de Vieira do Minho prestaram primeiro auxílio às duas vítimas, mas apenas o homem foi levado para o Hospital de Braga. A mulher recusou transporte.

O alerta foi dado às 15:29 segundo informação da Autoridade da Proteção Civil.

A GNR registou a ocorrência como sendo um caso de agressões entre casal.

Continuar a ler

Braga

Polícia Municipal de Braga passou 11.250 multas de trânsito em 2019

Vereadora quer disciplinar estacionamento no centro histórico

em

Foto: DR / Arquivo

O Relatório de Atividades da Polícia Municipal de Braga de 2019 indica que a receita atingiu os 316 mil euros – mais 60 por cento do que em 2018 -, dos quais 219 mil euros de coimas de estacionamento e 96 mil da remoção de viaturas.

A principal prioridade da Polícia Municipal de Braga em 2019 foi a da regulação do trânsito e do estacionamento no centro histórico. Uma opção que resultou em 11.250 coimas por infrações ao Código da Estrada e 760 remoções de veículos.

“Temos de disciplinar o estacionamento selvagem no centro da urbe em benefício do comércio e dos moradores”, revelou a O MINHO a vereadora Olga Pereira, que tutela a PM, frisando que, na zona, “não faltam lugares para se estacionar o automóvel”.

A fiscalização do trânsito é feita no nó de Infias, rotunda da Universidade, estabelecimentos de ensino nas horas de maior afluência, artérias circundantes à área pedonal e área pedonal.

Em 2019, sublinha o documento, a Polícia recebeu 2.758 chamadas telefónicas, metade das quais, 1358, oriundas de pessoas a pedir a fiscalização do trânsito, nomeadamente por terem viaturas a impedir a entrada em garagens ou a obstruir passeios.

Os telefonemas envolveram, ainda, pedidos de fiscalização e de esclarecimentos, alertas para ocorrências na via pública, proteção   civil e apoio a outras entidades policiais. Os agentes da PM controlaram, ainda, a emissão de licenças para venda ambulante, tendo passado 132 autorizações, 25 para o estádio municipal e 107 para outros locais.

Coordenou, também, 67 manifestações de rua, 36 do foro cívico, 24 partidárias e sete peditórios. Realizou 121 outras ações externas, respondendo a 39 pedidos de apoio institucional, 80 de fiscalização externa e dois para informação institucional.

Equipas mistas

Olga Pereira salientou que foram criadas equipas mistas de fiscalização de rua entre a Polícia e o pelouro das Obras Municipais,   e da Gestão e Conservação do Espaço Público – liderado por João Rodrigues – para controlar a publicidade, esplanadas, e obras: “fizemos 300 operações de fiscalização, rentabilizando recursos”, sublinhou, vincando que mais do que punir, a PM “informa, aconselha e sensibiliza os cidadãos para o respeito da lei, e dos regulamentos e posturas municipais. Neste âmbito, foram fiscalizados 279 estabelecimentos, tendo-se elaborado 25 informações de serviço que levaram a 15 contraordenações.

A autarca salientou, ainda, que, a partir de novembro, a PM começou a cobrar os diversos serviços que presta a privados, a pedido destes, o que não sucedia.A PM integra 38 agentes municipais e 15 estagiários. Possui ainda quatro Assistentes Técnicos e dois Operacionais que prestam serviços administrativos.

Continuar a ler

Populares