Seguir o O MINHO

Alto Minho

“Filha” de Ponte de Lima no desenvolvimento de helicóptero que aterrou em Marte

em

Florbela Costa, engenheira aeronáutica com raízes familiares em Anais, concelho de Ponte de Lima, participou no desenvolvimento do helicóptero Ingenuity, um dos equipamentos que aterrou em Marte em conjunto com o robô Preserverance.

A engenheira é filha de Maria Fernanda Coroas, natural de Ponte de Lima, e residiu desde os onze anos na zona Centro do país (Aveiro), onde se formou em engenharia espacial na Universidade da Beira Interior. Atualmente vive na Suíça, onde trabalha para o grupo Maxon.

O equipamento que a portuguesa ajudou a desenvolver foi um dos “elementos-chave” e novidade neste tipo de missão levada a cabo pela NASA. Aliás, este helicóptero foi a primeira aeronave que a humanidade enviou para outro planeta, refere o jornal Público, citando a engenheira.

De acordo com aquele jornal, a portuguesa trabalha na empresa Maxon Group (na Suíça) e foi a gestora técnica do projecto para o desenvolvimento e produção de seis motores que controlam o movimento das pás do rotor (parte giratória que faz a propulsão) do helicóptero.

“Será a primeira vez que um helicóptero irá descolar da superfície de Marte, o que irá ajudar a entender melhor e estudar o ambiente do planeta”, disse a “filha” de Ponte de Lima.

A engenheira de 32 anos manifestou-se agradada com o projeto devido à especificidade e aos “muitos detalhes técnicos”. “Tínhamos de analisar todos os possíveis riscos e tomar ações através de testes ou análises para que nada falhe”, sublinhou.

“As amostras que o Perseverance irá recolher fazem parte de uma longa missão para trazer amostras de solo de Marte de volta para a Terra”, que devem apenas regressar daqui a uma década.

“Tenho a certeza de que vamos lá chegar [humanos em Marte]. A única pergunta é daqui a quantos anos”, rematou.

O robô “Perseverance”, da missão da NASA, aterrou na passada terça-feira, pelas 20:56 de Lisboa, na superfície de Marte, para recolher amostras do solo e de outros elementos do planeta.

A aterragem do “Perseverance” (“Perseverança”), uma missão não tripulada da Administração de Aeronáutica e Espaço (NASA), foi transmitida nas redes sociais Twitter e YouTube e também na página oficial da NASA na internet, desde as 19:15 em Lisboa.

As operações estiveram a ser coordenadas a partir do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em La Cañada Flintridge, na Califórnia (Estados Unidos).

O sinal proveniente de Marte demorou pouco mais de dez minutos a chegar à Terra, ou seja, quando a equipa responsável pela coordenação da aterragem do “Perseverance” recebeu a informação de que o robô tinha aterrado, o aparelho já estaria há vários minutos no solo.

A entrada na atmosfera de Marte ocorreu às 20:48 em Lisboa e foi o ponto sete de uma lista com mais de 35 requisitos imprescindíveis para que a aterragem ocorresse sem quaisquer problemas e que estava a ser monitorizada ao segundo.

A fase final do processo demorou cerca de sete minutos.

Populares