Seguir o O MINHO

Ave

Fiéis revoltados com suspensão de padre ameaçam fechar igrejas em Fafe

Polémica

em

Padre Manuel Torre. Foto: DR

Os fiéis de cinco comunidades de Fafe estão revoltadas com a suspensão do pároco, Manuel Torre. Acusam o arcipreste José António Carneiro de ser o responsável pela afastamento do sacerdote que está naquelas paróquias desde setembro – o que este nega. A Arquidiocese de Braga diz o padre “não foi nem está suspenso”, isto num comunicado em que termina a dizer que, afinal, foi dispensado. Manuel Torre diz acatar as ordens da Igreja, mas a população é que não parece estar pelos ajustes e ameaça mesmo encerrar as igrejas.

Ordenado em julho do ano passado, Manuel Torre, de 27 anos, natural de Vila do Conde, foi colocado nas comunidades de Aboim, Gontim, Felgueiras, Pedraído e Revelhe. Na última semana foi afastado.

A população não gostou e, no domingo, houve confusão à porta da igreja de Revelhe com a GNR a ter que ser chamada ao local. As comunidades estão em polvorosa e não faltam e-mails de indignação e denúncia e demonstrações de solidariedade com o padre Manuel Torres.

Fontes próximas e populares ouvidos por O MINHO consideram que o padre estará a ser vítima de uma processo de “difamação e calúnias” por parte do arcipreste José António Carneiro junto da hierarquia eclesiástica com vista afastá-lo daquelas paróquias.

Contactado por O MINHO, José António Carneiro nega tal situação, salienta que não é da sua competência mudar padres de paróquia e remete para o comunicado da Arquidiocese de Braga hoje publicado.

Nesse comunicado, a Arquidiocese começa por garantir que o padre Manuel Torre “está no exercício pleno das suas funções no seu ministério sacerdotal e pastoral. Não foi nem está suspenso”. Mas termina a dizer que, afinal, está dispensado “da paroquialidade das comunidades que lhe foram confiadas”.

O comunicado diz que “Manuel Torre tem vindo a dialogar e a manifestar ao Sr. Arcebispo e ao Vigário do Clero algumas preocupações relativas à sua saúde”. E nesse sentido, o pároco “chegou à conclusão de que necessitaria de um tempo para restabelecer integralmente a sua saúde”.

“Foi, assim, apresentada ao Rev. Pe. Manuel Torre uma proposta que vai ao encontro das suas necessidades e que, neste contexto e momento, implica a dispensa da paroquialidade das comunidades que lhe foram confiadas, proposta que aceitou”, conclui o comunicado.

Contactado por O MINHO, o padre Manuel Torre disse apenas que “[obedecerá] sempre ao Bispo e à Igreja, mesmo que, por vezes, não entenda todas as decisões”, escusando-se a fazer mais comentários sobre o assunto.

Populares