Seguir o O MINHO

Alto Minho

Greve: Festival Paredes de Coura tem “plano A, B e C” caso se intensifiquem os problemas

Mesmo em caso de rutura de ‘stock’

em

Foto: Twitter / Arquivo

O festival Paredes de Coura está “devidamente salvaguardado” da greve dos motoristas, mesmo em caso de “rutura de ‘stock’”, sendo a única preocupação com os festivaleiros que queiram chegar ao local e não o consigam fazer, disse a organização.


Em declarações à Lusa, o diretor do evento, João Carvalho, garantiu ter um “plano B e C”, caso se “intensifiquem os problemas”, apesar de a organização se ter precavido porque o festival “depende muito de geradores e veículos”, tendo como salvaguarda “camiões cisterna com gasolina”.

“Temos um plano A, B e C. O plano A é tudo correr naturalmente – e é o que tem acontecido –, ainda não tivemos de recorrer às reservas que temos no recinto. O plano B será a utilização dessas reservas e o plano C é ir a Espanha que é aqui ao lado. Temos tudo devidamente assegurado do ponto de vista da logística do festival”, afirmou.

A preocupação é com quem se desloca para a Praia Fluvial do Taboão, apesar de a chegada de autocarros estar a decorrer “naturalmente”, assim como a restante logística com “centenas de camiões” a chegarem ao local “sem qualquer atraso”.

“Em caso de rutura de ‘stock’, nós estamos garantidos. Para o bom funcionamento do festival, para os geradores e artistas estamos absolutamente garantidos. Preocupa-me mais pessoas que possam vir de cidades onde não haja gasolina e queiram chegar a Paredes de Coura e não o consigam fazer. Da parte das infraestruturas e o festival, isso está devidamente salvaguardado”, apontou João Carvalho.

O festival Paredes de Coura começa na quarta-feira e termina no sábado, contando com a presença de artistas como The National, Patti Smith, New Order, Father John Misty e Suede no cartaz de uma edição que tem os passes gerais esgotados, assim como os bilhetes diários para o primeiro dia.

A greve em curso foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), a que se associou o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

Os motoristas reivindicam que a associação patronal ANTRAM cumpra o acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100%, racionou os abastecimentos de combustíveis e declarou crise energética até às 23:59 de 21 de agosto, que implica “medidas excecionais” para minimizar os efeitos da paralisação e garantir o abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.

Num parecer solicitado pelo Governo, o Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) considera que o executivo “tem direito a fixar serviços mínimos indispensáveis” para satisfazer “necessidades sociais impreteríveis”.

Entende o Conselho Consultivo da PGR que “a requisição civil só deverá ser utilizada, excecionalmente, em situações em que o incumprimento ou o cumprimento defeituoso dos serviços mínimos sejam causadores de graves perturbações da vida social”.

Anúncio

Alto Minho

Verdes exigem fiscalização a recuperação de antiga mina em Cerveira

Ambiente

em

Foto: DR

Os Verdes exigiram hoje a fiscalização das obras de recuperação ambiental de uma antiga mina em Covas, Vila Nova de Cerveira, denunciando a “degradação e rutura das estruturas de drenagem e retenção de lixiviados na área”.

Numa pergunta dirigida ao Ministério do Ambiente e Ação Climática, a que a Lusa teve hoje acesso, a deputada Mariana Silva explicou tratar-se da antiga “Área Mineira de Covas” situada na freguesia de Covas, concelho de Vila Nova de Cerveira, distrito de Viana do Castelo, que ocupava 427,35 hectares e envolvia várias minas, nomeadamente a mina de Valdarcas, onde decorreu, de forma regular entre 1952 e 1984, a exploração mineira de estanho, tungsténio e volfrâmio, outorgado à Geomina.

“Esta exploração, a exemplo de muitas outras, em Portugal, deixou um passivo com impactos ambientais negativos muito significativos, ao nível da paisagem, da segurança das populações e dos recursos hídricos. Foi avaliado que, só nos últimos dez anos, a exploração mineira gerou 320 toneladas de concentrados de volfrâmio que originaram cerca de 500.000 metros cúbicos de material de escombreira”, sustenta Mariana Silva.

A deputada de Os Verdes adianta que, “em 2007, por forma a dar cumprimento à Lei de Bases do Ambiente e ao Decreto-Lei n.º 198-A/2001 de 6 de julho, foi dado início à recuperação ambiental desta área pela Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM), entidade a quem está conferida a missão de proceder à recuperação ambiental de zonas degradadas por antigas explorações mineiras”.

Já em 2008, adiantou, “esta intervenção foi dada por concluída, tendo beneficiado de um investimento total de 1.300.000 euros, no âmbito do POR Norte (POE/PRIME)”, sendo que, “na informação atualmente disponível na página oficial desta entidade, o valor do investimento referido é somente de 567.643,20 euros”.

“Ainda segundo a informação da EDM, dada em 2008, a obra traduziu-se na modelação, estabilização e confinamento das escombreiras e na selagem de poços e galerias, bem como na execução de um sistema de drenagem e revegetação, integrando o espaço reabilitado nas povoações de Vilares e Frágua e veio criar as necessárias condições de segurança e indispensável renaturalização e recuperação paisagística em harmonia com os ecossistemas locais e regionais”, especifica.

Segundo Mariana Silva, “passados 12 anos, sobre a conclusão da recuperação ambiental desta área mineira, a situação que Os Verdes encontraram numa visita que fizeram ao local, acompanhados pela Associação COREMA e pelo Movimento S.O.S Serra d’Arga, levantam muitas preocupações pelos impactos que a degradação da obra pode vir a ter sobre o ambiente, a saúde e a segurança das populações, nomeadamente, sobre os recursos hídricos”.

“As situações de degradação da obra que reportamos localiza-se na zona das lavarias, situada nas abas da Serra d’Arga, na margem esquerda do rio Coura, no qual vai desaguar o ribeiro para o qual escorrem estes lixiviados”, identifica.

O partido quer saber se Ministério do Ambiente tem conhecimento da situação e quem é responsável por garantir a fiscalização às áreas reabilitadas, depois da obra terminada.

Na questão, a deputada de Os Verdes quer ainda ser informada sobre “o número de fiscalizações feitas à “Área Mineira de Covas” desde 2008, data de finalização da obra, se existem relatórios dessas fiscalizações e se as mesmas registaram problemas”.

“Têm sido feitas análises à qualidade da água do Rio Coura a jusante da entrada do Ribeiro Negro, afluente para o qual escorrem estes lixiviados, que medidas pretende o Ministério do Ambiente tomar para que esta situação, lesiva do ambiente e perigosa para a saúde, seja rapidamente reparada”, são outras das questões colocadas ao Ministério tutelado por João Pedro Matos Fernandes.

Continuar a ler

Alto Minho

Transportadora de Viana do Castelo paga parte de salários de junho

‘Lay-off’

em

Foto: DR / Arquivo

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN) informou hoje que a Auto Viação Cura, em Viana do Castelo, “pagou parte dos salários de junho e comprometeu-se a liquidar o restante até final da semana”.

“A empresa pagou 70% dos salários, o montante atribuído pela Segurança Social ao abrigo do regime de ‘lay-off’. Os trabalhadores que operam com a mesma entidade bancária da empresa já viram hoje o dinheiro nas suas contas. Os restantes devem ter a verba depositada na conta a partir de terça-feira. A empresa comprometeu-se ainda a liquidar o valor restante até final desta semana”, explicou hoje à agência Lusa o coordenador do STRUN, José Manuel Silva.

José Manuel Silva adiantou que, “face à garantia assumida pela empresa, os trabalhadores da Auto Viação Cura decidiram desconvocar a concentração prevista para terça-feira, à porta da empresa, situada no centro de Viana do Castelo”.

Na sexta-feira, em declarações à Lusa, o dirigente sindical disse que “a empresa pagou metade do salário de março e que, a partir de abril, entrou em ‘lay-off’ e pagou a todos os trabalhadores”.

“Em maio, continuou em ‘lay-off’ mas metade dos trabalhadores não receberam nem os 70% assegurados pela Segurança Social, nem o restante pago pela empresa. Sabemos que a empresa já recebeu a comparticipação da Segurança Social relativa ao mês de junho, mas ainda não pagou a nada a nenhum trabalhador”, explicou na ocasião.

José Manuel Silva adiantou que ter sido foi “enviado um ofício para à Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) a denunciar a situação”.

Segundo o coordenador do STRUN, “a empresa emprega cerca de 30 trabalhadores, sendo que apenas entre cinco a seis trabalhadores não estão em regime de ‘lay-off’.

Na altura, contactado pela Lusa, o porta-voz daquela empresa de transporte público, Rui Matos, explicou que “os meses de março, abril e maio estão totalmente liquidados”.

O responsável admitiu “que o mês de junho está por liquidar, que a empresa já recebeu os 70% de comparticipação da Segurança Social, mas que tem um acordo com a comissão de trabalhadores para que os salários possam ser pagos até ao dia 15 do mês seguinte, o que faz ainda mais sentido nesta fase de pandemia de covid-19 que estamos a viver e em que não temos trabalho”.

“Os salários não são só a comparticipação da Segurança Social. Não percebo tanto barulho, nem sabia deste plenário porque há um acordo com a comissão de trabalhadores que os salários podem ser pagos até ao dia 15 do mês a seguir. Hoje ainda é dia 10 e, de facto, o que está em atraso é o mês de junho”, especificou Rui Matos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 569 mil mortos e infetou mais de 12,92 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.662 pessoas das 46.818 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Alto Minho

Administradora da Águas do Alto Minho demite-se

Inês Alves

em

Inês Alves. Foto: AdAM

A administradora executiva da Águas do Alto Minho (AdAM) apresentou a demissão, adianta o Jornal de Notícias (JN).

Segundo aquele jornal, que cita fonte ligada à empresa, a saída de Inês Alves estará relacionada com “cansaço e desilusão”, face ao complicado início de atividade da AdAM e que “já está encaminhada a sua substituição por uma outra técnica”.

PSD pede demissão de administradora da Águas do Alto Minho devido a 15 mil erros de faturação

Entretanto, a empresa esteve nos últimos dias a braços com falhas no abastecimento de água em freguesias de Ponte de Lima.

O PSD tinha pedido a demissão da administradora executiva devido aos 15 mil erros de faturação cometidos no primeiro trimestre de atividade da empresa.

Freguesias de Ponte de Lima vários dias sem água

O início da atividade da AdAM foi marcado por problemas de faturação que levaram a suspensa da mesma até que os erros fosse corrigidos.

Entretanto, como O MINHO noticiou, nos últimos registaram-se problemas de abastecimento em freguesias de Ponte de Lima que estiveram vários dias sem água.

A AdAM é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% por sete municípios do distrito de Viana do Castelo (Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PSD), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (Movimento independente PenCe – Pensar Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – reprovaram a constituição daquela parceria.

Continuar a ler

Populares