Connect with us

Festival de Vilar de Mouros inspira aldeamento turístico

Alto Minho

Festival de Vilar de Mouros inspira aldeamento turístico

No antigo parque de campismo que dava apoio ao festival de música de Vilar de Mouros, Caminha, abre portas esta terça-feira um aldeamento turístico de cinco milhões de euros “inspirado” naquele que é considerado o “Woodstock” à portuguesa.

O promotor do novo empreendimento hoteleiro de quatro estrelas, José Duarte, adiantou que “o passado e a história” daquele mítico festival “marcaram” a criação e construção do aldeamento, em madeira, e “é o elemento chave” de toda a decoração das várias “villas”.

“Todos os elementos da decoração estão relacionados com a música, o rock e a Vilar de Mouros. Depois a ligação ao conceito de turismo de natureza até pelo próprio nome escolhido para o empreendimento”, explicou José Duarte.

O “Prazer da Natureza Resort & Spa” tem capacidade para acolher 140 pessoas nas 103 camas distribuídas pelas casas dos mais de 30 alojamentos em “villas” (bungalows).

Com a abertura da nova unidade hoteleira, foram criados 28 postos de trabalho, sendo 12 diretos e 16 indiretos.

Os promotores, uma família de Barcelos com ligações “antigas” a Vilar de Mouros, suportaram “na íntegra” o investimento e “vão estrear-se” na área do turismo.

“Achamos que é um conceito que vai funcionar e temos muita qualidade no que vamos proporcionar às pessoas que nos visitarem”, afirmou o empresário.

A unidade hoteleira dispõe de piscinas interior e Exterior, banho turco, sauna, haloterapia, ‘squash’, campo de ténis, basquetebol e ginásio. Possui ainda serviço de bar, lavandaria, sala de pequeno-almoço e restaurante buffet.

Situada na envolvente da Serra d’Arga e juntos aos rios Coura e Minho o aldeamento de quatro estrelas é composto por um conjunto de 23 “villas” (bungalows T1 e T2) independentes e dispersos por todo o espaço.

Tem ainda 12 apartamentos turísticos com uma área de aproximadamente 40 metros quadrados cada.

Para o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, o empreendimento representa o trabalho que o executivo “tem vindo a fazer para ter uma economia mais forte e mais viva”.

“É com este trabalho de criação de emprego e de riqueza que nós vamos conseguir tornar o nosso concelho mais desenvolvido”, afirmou, citado numa nota enviada à imprensa pela autarquia.

Mais em Alto Minho

Bitnami