Seguir o O MINHO

Região

Festa da curta-metragem assinala este mês o solstício de inverno

O ‘Dia Mais Curto’ é celebrado em simultâneo em vários países

em

Quase 30 localidades de todo o país, incluindo Braga, Guimarães, Famalicão, Barcelos e Vila Verde, no Minho, assinalam este mês a entrada no solstício de inverno – no dia mais curto do ano – com uma programação de cinema feito apenas de curtas-metragens, nacionais e estrangeiras.


O programa O Dia Mais Curto cumpre a sétima edição, é organizado pela agência da Curta-Metragem e apresentado como “a grande festa da curta-metragem”, com uma proposta de 33 filmes, repartidos por temáticas e para todas as idades, para serem exibidos ao longo deste mês.

O objetivo é celebrar o formato curto “nos mais variados lugares de projeção – cinemas, bibliotecas, museus, televisões, transportes públicos, entre outros – em 28 localidades”, entre as quais as referidas anteriormente e, também, Almada, Elvas, Faro, Lisboa, Lourinhã, Madalena (Pico), Ovar, Tomar, Torres Vedras e Viseu.

Entre os 33 filmes programados estão as produções portuguesas “Entre sombras”, de Mónica Santos e Alice Guimarães, “Tio Tomás e a contabilidade dos dias”, de Regina Pessoa, “Corrida”, de Janis Cimermanis (Letónia), e “Um homem, oito câmaras”, de Naren Wilks (Reino Unido) e “Lua azul”, de Marsha Onderstijn (Holanda).

De acordo com a Agência da Curta-Metragem, haverá uma sessão especial no dai 11 no Estabelecimento Prisional de Caxias (Oeiras), e haverá ainda exibição de curtas-metragens em aviões de longo curso da TAP e no metro do Porto.

Destaque ainda para um programa específico que assinala, em retrospetiva, os 20 anos da Agência da Curta-Metragem.

O Dia Mais Curto, que culminará no dia 21 de dezembro, é celebrado em simultâneo em vários países, no hemisfério norte.

Anúncio

Aqui Perto

Festival Maré junta na Galiza artistas lusófonos e galegos

De quinta-feira a sábado

em

Miguel Araújo é um dos músicos convidados. Foto: DR / Arquivo

O festival de música e artes Maré, iniciado há 15 anos em Pontevedra, recomeça na quinta-feira na capital da Galiza, Santiago de Compostela, e vai contar com a participação de diversos artistas lusófonos e espanhóis.

Em nota hoje enviada às redações, a organização do festival Maré, que vai decorrer a partir de quinta-feira e até sábado, num hotel em Santiago de Compostela, adiantou que o cartaz do evento inclui as atuações dos portugueses António Zambujo e Miguel Araújo, do angolano Toty Sa´Med, e de Ugia Pedreira, Bifannah, LaBaq, Sabela, Nacho-Faia-LAR e Uxía Senlle, diretora artística do festival.

“A maré chega a Compostela este ano com a ambição de ser um evento global, transversal, profissional, ponto de encontro de músicos, poetas, letristas. Todos os criadores envolvidos na língua galego-portuguesa trocam experiências e conhecimentos, enriquecem-se mutuamente e podem transmitir às nossas sociedades a proximidade que estamos uns dos outros”, destacou Uxia Senlle, citada naquela nota.

A diretora artística do festival adiantou que “uma das principais atrações do Maré será o alinhamento, com nomes como os portugueses António Zambujo e Miguel Araújo, os galegos Bifannah, Ugia Pedreira, Sabela e Faia, o angolano Toty Sa´Med e a brasileira LaBaq”.

Na quinta-feira, a partir das 19:30 atuam Toty Sa´Med e Ugia Pedreira.

Na sexta-feira, será a vez de LaBad e Nacho-Faia-LAR, e, no sábado, acontecerá o concerto de António Zambujo e Sabela (vencedores dos prémios aRi[t]mar para o melhor tema musical publicado em Portugal e Galiza), Miguel Araújo, Faia e Toty Sa´Med, sob direção artística de Uxía Senlle.

O programa do festival inclui, no sábado, mas pelas 12:30, a Gala aRi[t]mar Galiza e Portugal que irá distinguir os músicos António Zambujo e Sabela, os poetas Carlos da Aira e Raquel Lima e a ex-diretora-geral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e ex-ministra do Comércio e Turismo de Cabo Verde Georgina Benrós de Mello.

O júri do prémio internacional aRitmar concedeu o Prémio Especial a Georgina Benrós de Mellopelo “pelo seu envolvimento ativo na integração da Galiza naquele organismo internacional e o impulso que deu ao estabelecimento de relações com instituições oficiais e associações civis galegas”.

Os Prémios aRitmar, na quinta edição, premeiam as melhores músicas e poemas portugueses e galegos de cada ano, numa iniciativa organizada pela Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela.

Continuar a ler

Guimarães

MIT Portugal, com sede em Guimarães, tem sete projetos de mais de 15 milhões

Massachusetts Institute of Technology

em

Foto: MIT Portugal / Twitter

O instituto MIT Portugal tem em carteira sete projetos de investigação de mais de 15 milhões de euros, nas áreas cidades sustentáveis e transformação digital, alterações climáticas e sistemas terrestres, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado à Lusa, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) Portugal, que tem desde segunda-feira instalado o seu gabinete de coordenação no campus de Azurém da Universidade do Minho, em Guimarães, sublinha que o investimento decorrerá durante os próximos três anos.

Os projetos são liderados por empresas nacionais (NOS, EFACEC, Zenithwings, Ubiwhere, Stratosphere, DSTelecom e Edisoft), em parceria com instituições de investigação, universidades e o MIT – EUA.

Citado no comunicado, o diretor do MIT Portugal, Pedro Arezes, refere que estes projetos permitirão dar “um passo relevante para a internacionalização e fazer o reforço da estrutura científica e tecnológica nacional”.

Desde 2018, já foram financiados pelo MIT Portugal 42 projetos de investigação que correspondem a um investimento nacional de cerca de 28 milhões de euros.

O Programa MIT Portugal nasceu em 2006 e envolve o MIT, o Governo português, academias e centros de investigação nacionais, associações e a indústria.

Tem como objetivo impulsionar ideias inovadoras e projetos de I&D (investigação e desenvolvimento) sobre desafios complexos da sociedade e do planeta, alavancando o desenvolvimento e a competitividade económico-social de Portugal.

Para o período 2020/2023, aposta em quatro áreas: alterações climáticas, sistemas terrestres (oceanos e espaço), transformação digital e cidades sustentáveis, todas elas com abordagens e metodologias ancoradas em ciência de dados.

A sua próxima Conferência Anual ocorre em 15 de outubro, em Lisboa, com oradores de vários países.

O Programa MIT Portugal é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Continuar a ler

Região

Mais de 100 mil mulheres do Norte sem rastreio ao cancro da mama

Interrompido desde março devido à pandemia

em

Foto: DR / Arquivo

Mais de 100 mil mulheres do Norte não realizaram o rastreio ao cancro da mama, interrompido desde março devido à pandemia de covid-19 e também devido a questões administrativas, disse hoje o presidente da Liga Contra o Cancro/Norte.

Ao contrário das outras regiões do país, os rastreios ao cancro da mama no Norte ainda não recomeçaram devido ao atraso do acordo entre o Ministério da Saúde e o Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).

“Felizmente, [o protocolo] já foi aprovado em Conselho de Ministros e já foi concedida a respetiva dotação orçamental, estamos agora à espera que seja publicado em Diário da República. Estamos preparados para recomeçar amanhã, se for preciso”, afirmou, em declarações à Lusa.

Vítor Veloso adiantou que “há quase um mês” que esperam a publicação do protocolo em Diário da República.

Esta situação, de paragem da estrutura, com 70 funcionários e 22 unidades móveis e fixas, “correspondeu a um grande prejuízo do ponto de vista económico, mas sobretudo para a população”, considerou.

“Vamos ter nos próximos anos um aumento de mortalidade e, sobretudo, vamos perder o que tínhamos conquistado, que era diminuição da mortalidade do cancro da mama no Norte de 20 a 25%. Sem dúvida, vai ser difícil de o conseguirmos”, frisou.

Vítor Veloso lembrou que “ainda vamos ter de conviver com o vírus durante muitos meses, o que acarretará consequências graves para as outras doenças, nomeadamente no cancro”.

“O Estado deve tomar em consideração essas situações”, defendeu.

No caso do rastreio do cancro da mama, Vítor Veloso explicou que cada núcleo regional tem o seu protocolo que se vai renovando anualmente.

“O nosso perdeu a continuidade ao fim de 20 anos e, como sabemos, na administração pública estes processos são dramáticos, porque demoram meses e meses e meses a serem concluídos”, lamentou.

Ficaram por realizar “milhares de exames vitais” para detetar este cancro numa população alvo de aproximadamente 630 mil mulheres, acrescentou.

Na altura da suspensão do rastreio, em março, o núcleo regional do norte da LPCC rastreava os concelhos de Braga, Felgueiras, Guimarães, Marco de Canaveses, Matosinhos, Paredes, Peso da Régua, Póvoa de Varzim, Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Valença, Valongo, Viana do Castelo, Vila do Conde, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia, Vila Real e Vinhais.

Vítor Veloso falava à Lusa no âmbito do Dia Mundial da Investigação em Cancro – 2º Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Oncologia, que se realiza na quinta-feira, no Porto, com a participação de 100 investigadores, presenciais e por videoconferência e mais 20 convidados.

“Vai ser um dia de celebração da investigação direcionada para os jovens”, disse Vítor Veloso, salientando que, em 2020, o Núcleo Norte da LPCC atribuiu 15 bolsas de investigação, representando um investimento de 180 mil euros.

Este apoio, segundo o responsável, tem o objetivo de “incentivar e estimular os jovens investigadores, que têm uma apetência extraordinária para a investigação e que, muitas vezes, vão para outro tipo de trabalho. Visa também evitar que ‘fujam’ para o estrangeiro e, deste modo, apoiar estas mentes brilhantes que têm contribuído de modo extraordinário para os avanços na investigação”.

“A investigação é tão importante que, neste momento, em que estamos perante uma situação dramática mundial, todos os países lançam mãos dos seus investigadores, no sentido de descobrirem ou um medicamente capaz de resolver e de combater o vírus ou uma vacina, que ainda está bastante longe de ser conseguida”, sustentou.

Continuar a ler

Populares