Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ferry-boat Santa Rita de Cássia transportou quase 90 mil pessoas desde abril

em

Embarcação já teve mais passageiros neste período do que durante todo o ano de 2013. Receita de bilheteira em agosto foi superior à média dos últimos cinco anos.

Desde que retomou a atividade, em abril último, o Ferry-boat Santa Rita de Cássia já transportou quase 90 mil pessoas entre as margens de Caminha e A Guarda, o que corresponde a mais passageiros do que os registados durante todo o ano de 2013, adianta o município de Caminha, em comunicado.

Também a receita de bilheteira, em agosto, foi superior à média dos últimos cinco anos. Para que o ferry continue a navegar, porém, foi necessária uma forte aposta do município, segundo o mesmo, a qual envolveu trabalhos de limpeza, imprescindíveis para que o canal de navegação seja operacional, e a retirada de muitos metros cúbicos de areia do cais de atracação da embarcação.

O ferry-boat é uma aposta ganha, defende a autarquia. Os resultados apurados durante os meses que se seguiram à paragem da embarcação demonstram uma forte procura por parte dos passageiros, quer a partir de Caminha quer da margem galega.

Até ao final do mês de agosto foram transportados 47.380 passageiros do lado português e 40.877 passageiros do lado espanhol. No total, 88.207 passageiros viajaram no ferry-boat, desde abril.

Recorde-se que, de abril a junho, o ferry circulou condicionado, primeiro só aos fins de semana, depois com as marés altas e só a partir de julho passou a circular sem restrições.

“São boas notícias, depois do ferry ter estado parado”, considera o presidente da Câmara, que acrescenta que “são notícias que validam a aposta da Câmara no ferry. Recorde-se que a autarquia assumiu o desassoreamento de toda a envolvente do cais de atracação, o custo das licenças de navegabilidade, combustível e dos recursos humanos da embarcação e registou o ferry na Conservatória do Registo Predial, Civil e Comercial de Caminha”.

Miguel Alves, presidente da câmara de Caminha, fala ainda das receitas.

“Por exigência de Caminha, porque assumimos essas despesas, toda a receita de bilheteira espanhola passa agora para os cofres da autarquia. Assim, desde julho, a receita de bilheteira portuguesa e espanhola corresponde inteiramente a receita municipal. Também nisso houve boas notícias: a receita de bilheteira em agosto em cada um dos países foi superior à média da receita atingida nos últimos cinco anos. Somando as duas receitas, a Câmara de Caminha recebeu 92.460,50 euros”, sublinha.

Populares