Seguir o O MINHO

Canoagem

Fernando Pimenta diz que adiamento dos Jogos Olímpicos é “decisão acertada”

Covid-19

em

Foto: Facebook (Arquivo)

O canoísta Fernando Pimenta classificou hoje de “muito acertada” a decisão do Comité Olímpico Internacional (COI) em adiar os Jogos Olímpicos por um ano, para 2021, assumindo que os atletas estarão agora “mais motivados” sabendo deste desenlace.

“Íamos estar muito ansiosos. Ontem [segunda-feira] falava-se em quatro semanas para saber o que seria o futuro dos Jogos. Se adiavam, se mantinham, se seriam para outubro ou para 2021. Felizmente, já foi tomada uma decisão, muito acertada. Estamos mais motivados, sabendo que os Jogos se vão realizar se tudo correr bem até lá”, disse à agência Lusa.

A confirmação do adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 surgiu hoje, após a pressão de vários organismos e instituições, através de um comunicado conjunto do Comité Olímpico Internacional (COI) e do Comité Organizador dos Jogos.

A decisão do adiamento, de acordo com o COI e o Comité Organizador, foi tomada “para salvaguardar a saúde dos atletas, de toda a gente envolvida nos Jogos Olímpicos e de comunidade internacional.

“Dentro da tempestade, foi um bom sinal para nós, atletas. Sinal de que vamos ter Jogos Olímpicos. Vamos ter mais um ano de preparação e agora é mantermo-nos o mais motivados possível, continuar o trabalho dentro das limitações e restrições que temos”, reforçou o vice-campeão olímpico em Londres2012, com Emanuel Silva, em K2 1000.

O vice-campeão do Mundo de 2018 em K1 1000 espera poder competir ainda este ano, considerando-o fundamental para todos os canoístas poderem encarar 2021 no auge da forma.

“Há provas adiadas e outras canceladas até final de maio. Vai depender de como este maldito vírus estagnar ou começar a diminuir. Mesmo que adiem para mais tarde, as competições são sempre bem-vindas, pois necessitamos de competir. Uma época sem competir, faz-nos perder muito ritmo. É aguardar que as coisas estabilizem e comecem a recuperar”, sintetizou o tricampeão europeu de K1 1000.

Face à incerteza do calendário, e à recente novidade do adiamento de Tóquio2020, Pimento ainda não sabe o que vai mudar no seu quotidiano em termos de preparação, aguardando uma conversa com o seu treinador, Hélio Lucas.

“Se tivermos uma paragem muito prolongada, na próxima época vai ser muito, muito difícil atingir uma boa forma”, concluiu.

No seu comunicado, o COI explicou hoje que “nas presentes circunstâncias e baseado nas informações dadas hoje pela Organização Mundial de Saúde, o presidente do COI [Thomas Bach] e o primeiro-ministro do Japão [Shinzo Abe] concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada em Tóquio devem ser remarcados para uma dar posterior a 2020 e nunca depois do verão de 2021”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 360 mil pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 17.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, há 30 mortos e 2362 infetados confirmados. Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

Anúncio

Canoagem

Fernando Pimenta treina sozinho no rio Lima e com o treinador à distância

Covid-19

em

Foto: Facebook / Arquivo

O canoísta Fernando Pimenta continua a treinar, em vários locais perto da zona de residência, embora sozinho, apenas com o treinador, a alguma distância, sendo a perda de contacto com outros atletas a única alteração na sua rotina.

“Temos tido treinos muito a solo, ou seja, sempre eu e o meu treinador. Eu no meu caiaque, ele no barco a motor ou na bicicleta, e temos esta distância. Aquilo que mudou é não haver colegas de treino, não há conversas com mais ninguém. Basicamente, é tentar procurar um local isolado e voltar para casa”, explicou à Lusa o atleta olímpico do Benfica.

Natural de Ponte de Lima, onde se encontra atualmente, Fernando Pimenta revelou que tenta treinar “um pouco por onde dá”, seja no rio Lima, em Ponte da Barca ou no Gerês, em busca de “diversificar um bocado”, não sabendo ainda se, decretado o estado de emergência, poderá treinar de igual forma.

“Sei que, em outros países onde foi declarado o estado de emergência, os atletas de alta competição que estão apurados para os Jogos Olímpicos podem continuar a exercer as suas atividades, desde que respeitem as normas, que é treinarem sozinhos, não pode ser em grupo”, contou.

Medalha de prata em Londres2012, o atleta, de 30 anos, já com vaga assegurada para Tóquio2020, frisou que, enquanto o Comité Olímpico Internacional (COI) e o comité organizador mantiverem os Jogos Olímpicos nas mesmas datas, de 24 de julho a 09 de agosto, os atletas têm “de tentar procurar treinar o melhor possível”.

Tóquio2020: Chama olímpica chega ao Japão

“Sou muito pragmático. Só acredito que cancelem ou que alterem as datas com a decisão tomada. Até lá, a decisão do COI e do comité organizador é de manter. Por isso, temos de tentar procurar treinar o melhor possível, para poder chegar aos Jogos Olímpicos na melhor forma possível”, afirmou.

Fernando Pimenta tinha planeado competir no campeonato nacional de fundo, em Mirandela, este fim de semana, bem como na Taça do Mundo de canoagem, em Racice, na República Checa, mas as duas provas foram canceladas.

A pandemia de Covid-19 tem obrigado a alguns cuidados extra, que Fernando Pimenta já seguia, mas redobrou a atenção e tem seguido todas as regras impostas.

“Já tinha cuidado com a higiene das mãos, por exemplo. Agora, muito mais. Redobrámos esses cuidados, redobrámos também a distância, seguimos as regras que estão impostas, pois queremos que nada aconteça, quer a nós, quer às outras pessoas. Todos os cuidados são poucos neste momento”, realçou.

Continuar a ler

Canoagem

Federação de canoagem suspende competições até 29 de março

Coronavírus

em

Foto: Divulgação / FP Canoagem

A Federação Portuguesa de Canoagem (FPC) anunciou hoje a “suspensão imediata” de todas as competições marcadas “até ao dia 29 de março”, devido à pandemia do Covid-19.

A suspensão afeta vários eventos da modalidade, incluindo, já no próximo fim de semana, a jornada inaugural do campeonato nacional de kayak polo, agendada para Vila Franca de Xira.

“Pretende-se contribuir ativamente para a prevenção e o controlo da pandemia provocada pelo vírus SARS-COV-2 [síndrome respiratória aguda grave – coronavírus 2]”, refere, em comunicado, a direção da Federação Portuguesa de Canoagem.

O campeonato nacional de fundo e a Taça de Portugal de tripulações, marcados para Mirandela, para os dias 21 e 22 de março, respetivamente, também foram adiados.

Igualmente suspensos foram o campeonato nacional de slalom, previsto para 28 e 29 de março, em Vizela, e o campeonato nacional de canoagem de mar, cuja primeira etapa estava agendada para o dia 28 de março, em Lagoa.

Além das competições nacionais, a suspensão estende-se a campeonatos regionais ou quaisquer outras competições sob a égide da Federação Portuguesa de Canoagem (FPC) previstas no calendário nacional.

De acordo com a duração global da situação de saúde pública vigente, a federação equacionará o reagendamento ou o cancelamento das referidas competições, informando em devido tempo os clubes das opções tomadas e, se aplicável, das novas datas para os eventos.

O organismo recomenda ainda cuidados redobrados aos atletas residentes no centro de estágios de Montemor-o-Velho e pede a todos os agentes para evitar deslocações à sede e contactos presenciais, a menos que se revelem “inadiáveis e essenciais”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a doença Covid-19, provocada pelo novo coronavírus, que surgiu na China em dezembro de 2019, como pandemia.

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 78 em Portugal, mais 19 do que os contabilizados na quarta-feira, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim sobre a situação epidemiológica em Portugal, há 637 casos suspeitos, dos quais 133 aguardam resultado laboratorial.

Segundo a DGS, há ainda 4.923 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Continuar a ler

Canoagem

Viana apoia preparação de canoísta olímpico com 25 mil euros

Projeto olímpico

em

Foto: Divulgação / DKC

Antoine Lunay, canoísta do Darque Kayak Clube (DKC) que irá representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, receberá um apoio da Câmara de Viana do Castelo na ordem dos 25 mil euros, foi hoje anunciado.

A autarquia decidiu apoiar o atleta depois do DKC ter feito um pedido de ajuda para reunir condições financeiras que “possibilitem uma preparação digna do atleta”.

Em comunicado, a instituição desportiva vianense aponta que “as dotações financeiras do Comité Olímpico de Portugal e da Federação Portuguesa de Canoagem (FPC) são insuficientes para a preparação do atleta”. Dessa forma, estas duas entidades assinaram um protocolo com a autarquia para ajudar na prepração do atleta, com a federação a gerir o subsídio.

“O DKC inscreverá o seu atleta olímpico no Campeonato Nacional de Slalom e nas provas que a FPC designará, vendo o seu atleta a poder participar em Tóquio com as condições mínimas de treino e dignidade”, refere o clube.

Antoine Manuel Launay, natural do Funchal e a representar o DKC desde 2014, é um “produto” do Centro de Canoagem do Centro de Mar, destaca o DKC.

“Muito decisivo foi o apoio e a preparação facultada pela FPC com uma aposta forte no atleta, o esforço do brilhante seleccionador nacional Péri Guerreiro e o esforço e dedicação do próprio atleta pelo excelente carácter e persistência inabalável que nos tem demonstrado”, refere a mesma nota.

Recorde-se que Antoine foi eleito atleta do Ano na Gala do desporto de Viana do Castelo em 2020, para além de ter conquistado três títulos nacionais.

Continuar a ler

Populares