Seguir o O MINHO

Guimarães

Ferido grave ao despistar-se de carro em Mesão Frio

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Um jovem ficou gravemente ferido devido ao despiste do automóvel que conduzia, esta quinta feira de tarde, em Mesão Frio, no concelho de Guimarães.


A vítima, de 21 anos, foi conduzida pelos Bombeiros Voluntários de Guimarães para o Hospital de Braga, onde continua internada com prognóstico reservado.

O acidente ocorreu ao princípio da tarde de hoje na Rua da Estação, da freguesia de Mesão Frio, em Guimarães, tudo indicando que o carro se despistou e embateu de seguida num muro e depois ainda contra um poste de eletricidade.
Os Bombeiros Voluntários de Guimarães estiveram logo no local com sete operacionais e duas ambulâncias, tendo a vítima sido socorrida igualmente pelos elementos do INEM.

Anúncio

Guimarães

Casa e quinta da Covilhã em Guimarães classificadas como de interesse público

Património

em

Foto: CM Guimarães (Arquivo)

O conjunto formado pela casa e quinta da Covilhã, em Fermentões, Guimarães, que teve intervenção do arquiteto Fernando Távora, foi classificado como monumento de interesse público, segundo uma portaria hoje publicada em Diário da República.

A portaria refere que a quinta da Covilhã é uma propriedade de génese seiscentista, com habitação original datada de meados do século, e capela de 1680.

A casa foi primeiramente reformulada em 1705, sendo a última intervenção, da responsabilidade do arquiteto Fernando Távora, datada da década de setenta do século XX.

O conjunto é composto por casa nobre com capela adossada, envolvida por patamares ajardinados e bosque de carvalhos, e articulada com anexos e estruturas de apoio tradicionais, incluindo adega, lagar, alpendre e eira, para além da zona de mata, moinhos de água e campos de cultivo, onde hoje se destaca, sobretudo, a vinha em socalcos.

A quinta da Covilhã conserva-se na posse da família Távora deste a sua fundação, permanecendo, do mesmo modo, como quinta de produção agrícola até à atualidade.

“As transformações que o edifício principal sofreu, guiadas por uma sensível procura da autenticidade e integridade do edificado, em equilíbrio com a paisagem envolvente, não lhe retiraram o caráter de solar rural e casa de família nem desvirtuaram a sua feição vernacular. Pelo contrário, a intervenção de Fernando Távora tem sido considerada modelar, constituindo caso de estudo e investigação”, sublinha a publicação.

Acrescenta que “à exemplaridade desta intervenção, e ao valor intrínseco do imóvel e da sua história, vem somar-se a condição que este assume enquanto lugar de memória e testemunho perene do destacado arquiteto da ‘Escola do Porto’, evidenciando uma relação de grande cumplicidade e investimento material e afetivo, patente também na constituição do espólio, de grande valor artístico, que se conserva na casa da Quinta da Covilhã”.

A portaria de classificação data de 08 de outubro e é assinada pela secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Carvalho Ferreira.

Continuar a ler

Guimarães

Pandemia encerra cemitérios de Guimarães no Dia de Todos os Santos

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

Os cemitérios de Guimarães vão estar encerrados nos dias 31 de outubro e no feriado de 1 de novembro, Dia de Todos os Santos, devido à evolução da pandemia de covid-19 naquele concelho, anunciou a autarquia.

A medida foi aprovada por unanimidade em reunião extraordinária da Comissão Municipal da Proteção Civil, com a presença dos Presidentes das Juntas de Freguesia.

Covid-19 em Guimarães fora de controlo e hospital “no limite”

A reunião contou com a participação da Delegada de Saúde Pública, Hospital de Guimarães, Diretor Executivo do ACES do Alto Ave, Presidentes de Juntas de Freguesia, Bombeiros de Guimarães e Bombeiros das Taipas, PSP e GNR, que manifestaram total concordância com a proposta apresentada por Domingos Bragança.

Continuar a ler

Guimarães

Covid-19 em Guimarães fora de controlo e hospital “no limite”

Reunião da Proteção Civil

em

A reunião extraordinária da Proteção Civil Municipal, realizada esta segunda-feira, dia 19, deixou claro que a situação da pandemia no concelho é “muito grave”. Como medida preventiva, os cemitérios vão estar encerrados, no concelho, durante os dias 31 de outubro e 1 de novembro.

Ao contrário do que acontece nos concelhos limítrofes, em Guimarães, a situação da pandemia está a ficar fora do controlo das autoridades de saúde. Neste momento, não se conseguem identificar as cadeias de contágio.

“Está descontrolado no concelho. A situação é muito grave”, afirmou, no decorrer da reunião, o diretor do ACES do Alto Ave, Novais de Carvalho.

Cemitérios fechados nos dias 31 de outubro e 1 de novembro

Devido a esta situação foi decidido por unanimidade, nesta reunião da Proteção Civil, manter os cemitérios do concelho fechados nos dias 31 de outubro e 1 de novembro. O Diretor do ACES do Alto Ave, Novais de Carvalho, considera que a medida se “justifica pelo momento que estamos a viver”. De acordo com o diretor do ACES do Alto Ave, “estamos perante um período excecional e grave, com consequências trágicas para a sociedade. Tudo o que tivermos de fazer para reduzir o impacto de transmissão do vírus é importante, sobretudo quando envolve momentos de questões emocionais e famílias como o ‘Dia de Todos os Santos’”, acrescentou Novais de Carvalho.

Fátima Dourado, a delegada de saúde, classificou a situação de Guimarães como “má” no que diz respeito ao controlo da pandemia. “Para evitar ajuntamentos, estas medidas devem ser tomadas a fim de interromper as cadeias de transmissão! É um dia muito particular, emotivo, propício a abraços”, sublinhou a responsável pela Saúde Pública no território de Guimarães, a propósito de Dia de Fiéis Defuntos.

Pandemia encerra cemitérios de Guimarães no Dia de Todos os Santos

Ao contrário do que acontece nos concelhos limítrofes, em Guimarães, a situação da pandemia está a ficar fora do controlo das autoridades de saúde.

Hospital de Guimarães no limite da capacidade

Também o diretor do Hospital Senhora da Oliveira reconheceu nesta reunião que a unidade está “no limite da sua capacidade de resposta”. O Hospital já tem um piso fechado devido à infeção por covid-19.

Podem ser aplicadas medidas diferenciadas em certas partes do concelho

O presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, apela a “um esforço de todos” para “impedir a propagação do vírus”, tendo em conta o aumento de casos positivos verificado nas últimas semanas. Domingos Bragança lembrou que o agravamento das medidas restritivas podem ser aplicadas em diferentes territórios, numa região, concelho ou freguesia. “Não queremos que tal aconteça em Guimarães. É importante envolver todos os vimaranenses neste combate, especialmente pelo compreensão e pedagogia, contando muito com a colaboração dos Presidentes das Juntas de Freguesia”, referiu, afirmando ser “fundamental que a memória dos nossos entes queridos, nos cemitérios, seja realizada de modo diferente ou com antecedência, perante um quadro excecional que se vive devido à pandemia da covid-19. Reuni com Arcipreste, Padre Samuel Vilas-Boas, que também manifestou compreender esta medida tendo em atenção a evolução negativa desta infeção”.

A reunião contou com a participação da delegada de Saúde Pública, Hospital de Guimarães, diretor executivo do ACES do Alto Ave, presidentes de Juntas de Freguesia, Bombeiros de Guimarães e Bombeiros das Taipas, PSP e GNR, que manifestaram total concordância com a proposta apresentada por Domingos Bragança.

Continuar a ler

Populares