Seguir o O MINHO

Desporto

Pilotos chocados com morte de Paulo Gonçalves

Tragédia no Dakar

em

Foto: DR / Arquivo

O mundo do desporto motorizado está em choque depois da morte de Paulo Gonçalves, piloto de Esposende, na sequência de uma queda na 7.ª etapa do rali Dakar.

“Descansa em paz, guerreiro Paulo. O desporto e Portugal ficam hoje mais pobres. Até sempre, Campeão!”, escreveu o piloto Félix da Costa na rede social Facebook, acompanhando a publicação com uma fotografia do piloto de Esposende.

Já Miguel Oliveira, piloto de MotoGP, disse que Paulo Gonçalves deixou “uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar” consigo.

“A tua coragem e valentia são exemplos para todos nós. DEP [Descansa em paz]”, escreveu na mesma rede social.

Paulo Gonçalves morre em queda no Dakar

 

“Uma pessoa incrível”, diz Tiago Monteiro

O piloto português Tiago Monteiro, antigo corredor na Fórmula 1 e atualmente a competir na Taça do Mundo de carros de turismo (WTCR), lamentou hoje a morte de Paulo Gonçalves, “uma pessoa incrível”.

“Um guerreiro, uma pessoa incrível! Descansa em paz amigo. Gone too soon [partiu demasiado cedo]”, escreveu o piloto português nas redes sociais.

Paulo Marques fala num “lutador”

O antigo piloto Paulo Marques lembra “um lutador” em Paulo Gonçalves, piloto que hoje morreu durante a sétima de 12 etapas do Rali Dakar de todo-o-terreno.

“O Paulo era um lutador, um profissional. Ninguém merece uma coisa destas, mas ele ainda menos. Era daqueles que nunca desistia”, disse Paulo Marques à agência Lusa.

O antigo piloto de Famalicão era o diretor da equipa Honda que levou Paulo Gonçalves pela primeira vez ao Rali Dakar, em 2006.

“Correu para mim em 2006. Correu no enduro na minha equipa e arranjámos condições para ele ir ao Dakar. Era um piloto muito forte fisicamente e com uma cabeça muito determinada. Era um profissional”, recorda Paulo Marques.

O “Marquês”, primeiro português a ganhar uma etapa nas motas no Dakar, acredita que o piloto de Esposende “ainda tinha muito para dar na prova”, onde deixa “um legado”.

“É dos pilotos com maior palmarés português”, recorda Paulo Marques, que lembra “uma pessoa pacata, nortenho de gema, com piada”.

“Gostava de estar sempre com os amigos. Era uma pessoa muito querida”, concluiu, emocionado.

Autarquia de Esposende recorda papel como embaixador do município

A Câmara de Esposende manifestou  “profundo pesar” pela morte do piloto.

“Nesta hora difícil, o Município de Esposende vem manifestar profundo pesar pela morte do piloto Paulo Gonçalves. ‘Embaixador’ de Esposende no Mundo, deixa a sua marca de homem exemplar e dedicado, ao desporto e à sociedade”, pode ler-se numa publicação na página da autarquia na rede social Facebook.

Federação de luto

O presidente da Federação de Motociclismo de Portugal (FMP), Miguel Marinheiro, classificou hoje como “uma notícia triste e trágica” a morte do ‘motard’ Paulo Gonçalves, no rali Dakar, que descreveu como “um apaixonado da vida e das motos”.

“É uma notícia triste e trágica”, referiu Miguel Marinheiro em declarações à agência Lusa, considerando que o piloto de Esposende, que morreu hoje na Arábia Saudita, “merece todos os elogios”.

Segundo Miguel Marinheiro, o ‘motard’ português, de 40 anos, “era um apaixonado da vida e das motas”, lembrando-o como “o piloto com mais títulos de campeão nacional”, mas acima de tudo como “um excelente homem”.

“Começou no motocrosse, passou pelo enduro e pelo todo-o-terreno, em todas as modalidades que praticou foi campeão” disse, acrescentando: “O Paulo era um piloto de excelência e respeitado por todos os adversários”.

Miguel Marinheiro referiu que o piloto era também um apaixonado pelo Dakar, onde teve “excelentes resultados” entre os quais um segundo lugar em 2015.

“Agora nos últimos anos a sua paixão era o Dakar, com excelentes resultados. Todos os anos, todos esperávamos uma vitória do Paulo que, infelizmente, já não vai acontecer. Fica-nos a saudade, mas a memória do excelente piloto que ele foi e dos resultados brilhantes que teve”, afirmou.

Anúncio

Futebol

Estádio do Famalicão é aprovado e pode receber FC Porto na quarta-feira

I Liga

em

Foto: DR

A Liga Portugal e a Federação Portuguesa de Futebol anunciaram hoje que o Estádio do Famalicão também já foi aprovado pelas autoridades de saúde e poderá acolher as jornadas que faltam da I Liga.

“A Autoridade de Saúde do ACES Ave – Famalicão deu parecer favorável à utilização do Estádio Municipal de Famalicão nos jogos da Liga NOS”, informou a Liga Portugal, em comunicado, acrescentando que “o parecer foi dado no seguimento da documentação recebida e da visita efetuada ao recinto”.

Recorde-se que o Famalicão já tinha chegado a acordo com o Gil Vicente para disputar os jogos “em casa” no Estádio Cidade de Barcelos.

Porém, com esta decisão o Famalicão poderá disputar os jogos no seu estádio.

“Vamos jogar no nosso estádio com agrado. No entanto, desde a primeira hora, colocámo-nos como parte da solução para a retoma e essa sim é a notícia que verdadeiramente salientamos. Gostava de deixar uma palavra de agradecimento à Federação Portuguesa de Futebol pela forma eficiente e serena como conduziu o processo e que contou com igual comportamento da nossa parte”, referiu Miguel Ribeiro, presidente da SAD do Famalicão, no site do clube.

“Quero ainda transmitir aos nossos adeptos que sentimos o vosso carinho e apoio e que os nossos jogadores sentem que estamos juntos. Cuidem-se e protejam-se, para que, brevemente, possamos estar a celebrar no nosso estádio”, concluiu.

São 16 os estádios autorizados a receber os jogos da I Liga: Cidade do Futebol, Estádio do Bessa, Estádio Capital do Móvel, Estádio Cidade de Barcelos, Estádio do Clube Desportivo das Aves, Estádio D. Afonso Henriques,
Estádio Municipal de Famalicão, Estádio do Rio Ave FC, Estádio do Dragão, Estádio João Cardoso, Estádio José Alvalade, Estádio do Marítimo, Estádio Municipal de Braga, Estádio do Sport Lisboa e Benfica, Estádio do Bonfim e
Portimão Estádio.

Continuar a ler

Futebol

Vitória quer fotos gigantes dos adeptos a ocupar cadeiras no D. Afonso Henriques

Estádio do Borussia Moenchengladbach. Foto: Bild.de

em

O Vitória SC lançou hoje uma campanha para ter fotografias de sócios no Estádio D. Afonso Henriques, durante os jogos à porta fechada no recinto, devido à pandemia de covid-19.

Intitulada “O lugar que é teu”, a campanha tem um sítio próprio na Internet e pede aos sócios vitorianos que comprem um dos cerca de 30.000 lugares no estádio por cinco euros, através da loja virtual do clube, e que tirem uma fotografia com “luz natural e fundo branco”.

Depois de concluídos esses passos, os interessados na campanha devem preencher um formulário com os dados pessoais, ao qual têm de adicionar a fotografia, o comprovativo de pagamento do lugar e a validação do “pedido de consentimento de direitos de imagem”.

As 10 últimas jornadas do campeonato vão disputar-se entre 03 de junho e 26 de julho, sem público nas bancadas, por causa da pandemia, mas o clube vimaranense, sexto classificado da tabela, pediu aos seus sócios para, mesmo com desafios à porta fechada, contribuírem para um “estádio cheio”.

“Perante a situação difícil que vivemos, estamos conscientes de que não podemos ter os nossos sócios presentes fisicamente, mas queremos que continuem no estádio de alma e coração, como sempre”, lê-se no sítio oficial da campanha.

Antecipada por um vídeo que os minhotos publicaram no sábado, a campanha assemelha-se assim à que foi lançada pelos alemães do Borussia Moenchengladbach, tendo já sido visíveis as réplicas dos adeptos em cartão na receção ao Bayer Leverkusen, para a 27.ª jornada da I Liga germânica, no sábado anterior (triunfo do Bayer, por 3-1).

Clube com uma média de 16.910 espetadores por jogo até à suspensão do campeonato, confirmada em 12 de março, o Vitória vai ainda receber, no Estádio D. Afonso Henriques, o Sporting, em 04 de junho (25.ª jornada), o Moreirense, em 19 de junho (27.ª), o Vitória de Setúbal, às em 30 de junho (29.ª), o Gil Vicente, em 10 de julho (31.ª), e o Marítimo, em 19 de julho (33.ª).

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 355 mil mortos e infetou mais de 5,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.369 pessoas das 31.596 confirmadas como infetadas, e há 18.637 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Futebol

AD Fafe não vai parar de lutar na justiça pelo acesso à II Liga

II Liga

em

Foto: DR / Arquivo

Os seis clubes do Campeonato de Portugal que pretendiam disputar os ‘play-offs’ de acesso à II Liga, entre os quais a AD Fafe, afirmaram hoje que não vão “parar de lutar” pela justiça e condenaram ilegalidades nas decisões da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Em conferência de imprensa conjunta numa unidade hoteleira de Lisboa, os presidentes Jorge Fernandes (Fafe), Luís Torres (Olhanense), Adelino Ramos (Real Massamá), Jorge Neves (Benfica e Castelo Branco) e Hugo Mendes (Lusitânia de Lourosa), aos quais se juntou por videoconferência Marco Monteiro (Praiense), reforçaram o pedido para a realização de uma reunião com o presidente da FPF, Fernando Gomes, após este não ter comparecido na reunião de 08 de maio.

“A federação chegou à conclusão que tinha errado, que a decisão tinha vícios, ilegalidades e situações que não correspondiam ao regulamentado. Em 14 de maio, tomou uma decisão contrária, mas que teve o mesmo efeito. Voltou a errar, pois já não havia estado de emergência e o decreto-lei que permitia alterações regulamentares tinha cessado”, explicou o presidente do Olhanense, Luís Torres, que frisou a existência de “um desequilíbrio grande entre as séries” e que “não podem ser comparadas a nível pontual”.

Em causa estão as decisões tomadas em 14 de maio pela direção da FPF, que anulou a decisão de 02 de maio de promover Vizela e Arouca, as duas equipas do Campeonato de Portugal com mais pontos, ao segundo escalão, mas aprovou um aditamento regulamentar que lhe permitiu, em consequência, indicar a subida dos mesmos dois conjuntos.

O artigo, com o n.º 11-A, com efeitos imediatos, prevê agora que, em caso de conclusão do Campeonato de Portugal “em momento anterior à qualificação dos dois clubes melhor classificados em cada uma das séries para disputar o ‘play off’ previsto no n.º 6 do artigo 11.º, sobem à competição profissional, de entre os primeiros classificados das quatro séries à data em que a competição foi dada por concluída, os dois clubes com maior número de pontos nessa data”.

“Somos clubes do Campeonato de Portugal, mas achamos que fazemos parte da realidade do futebol nacional. Vemos, ao longo deste tempo todo, o presidente da federação ter disponibilidade para intervenções que até são da esfera da Liga e não vemos o senhor presidente da federação a ter alguma disponibilidade para nos receber. Entendemos que nos deve explicações e queremos saber que decisão global tem para oferecer a estes seis clubes”, sublinhou o líder do Real Massamá, Adelino Ramos.

Os presidentes dos clubes lesados consideram que a decisão administrativa “acaba por violar os princípios da justiça, da transparência, da boa-fé e da verdade desportiva” e que “não se viu a mesma vontade e disponibilidade que se viu na I Liga”, que vai ser retomada a partir de 03 de junho, realçando que o Governo “nunca disse que não se podia realizar o ‘play-off’ do Campeonato de Portugal”.

“Fala-se muito do alargamento e reformulação da II Liga. Na altura do cancelamento dos campeonatos, chegámos a dizer que era chegado o momento de a federação ter a coragem de reformular os campeonatos e entender-se com a Liga para um alargamento da II Liga a duas zonas, com 14 clubes cada. Essa é uma das soluções”, sugeriu Adelino Ramos.

O presidente do Olhanense referiu também que “há cada vez mais uma abertura dos clubes da II Liga” para um alargamento, que anulava igualmente a descida do Cova da Piedade e do Casa Pia, e lamentou que se esteja “a destruir a galinha dos ovos de ouro”, o futebol, e a afastar os adeptos da modalidade.

Luís Torres prometeu que as seis formações vão continuar a lutar: “Em último caso, vamos os seis para a porta da UEFA. Pedimos que seja feita justiça e que não se prejudique os clubes mais do que já foram prejudicados. A nossa voz não se vai calar”.

A FPF indicou Vizela e Arouca, os dois clubes com mais pontos, para a subida à II Liga, na sequência da conclusão precoce da competição, em 08 de abril, depois da suspensão preventiva, por tempo indeterminado, em 12 de março, devido à pandemia da covid-19.

Nessa altura, após 25 jornadas, o Vizela liderava a Série A, com 60 pontos, e o Arouca era o primeiro da B, com 58, enquanto o Olhanense comandava a D, com 57, e o Praiense liderava a C, com 53.

Fafe, Lusitânia de Lourosa, Benfica e Castelo Branco e Real Massamá seguiam nas posições imediatas, de acesso aos ‘play-offs’ de subida, com 52, 50, 42 e 57 pontos, respetivamente.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Continuar a ler

Populares