Seguir o O MINHO

Região

Federação Portuguesa de Naturismo inicia processo para oficializar praia no Norte

Em Portugal, existem oito praias oficiais para a prática de naturismo, todas no sul do país.

em

Foto: DR

Federação Portuguesa de Naturismo iniciou um processo de oficialização de mais uma praia naturista, desta vez a norte, no concelho de Matosinhos, disse à agência Lusa a presidente da estrutura, Filipa Gouveia Esteves.


“O processo deu entrada na Câmara de Matosinhos há cerca de duas semanas, estando nós a aguardar todo o procedimento legal necessário”, afirmou, em entrevista à Lusa.

A responsável pela federação indicou ter sido “muito bem recebida”, acrescentando que lhe foi transmitoda “total disponibilidade para avançar com o processo”.

Em Portugal, existem oito praias oficiais para a prática de naturismo, todas no sul do país, embora em muitas outras a prática seja “tolerada e habitual há vários anos”.

O naturismo não se resume, porém, à ida à praia sem fato de banho: “Temos alguns parques naturistas no nosso país onde é possível estar em harmonia com a natureza”.

Viana do Castelo, Santiago do Cacém e Marvão dispõem de parques ou pequenas unidades naturistas.

A federação tem também informação da criação de mais dois parques naturistas, em Alzejur, e na região da grande Lisboa.

“Acreditamos que num futuro próximo será possível ter mais e melhores infraestruturas para a prática naturista em Portugal”, declarou.

A iniciativa privada, considerou, “começa a perceber que este poderá ser um importante nicho turístico”.

Nas praias, referiu, há ainda “um longo caminho a percorrer”, uma vez que não têm infraestruturas de apoio, como um simples bar ou vigilância.

De acordo com Filipa Gouveia Esteves, das oito praias oficiais, apenas uma teve vigilância nesta época balnear. “Nenhuma delas tem um bar de apoio com instalações sanitárias”.

Considera que “uma grande aposta”, com investimento privado, “para dignificar as praias naturistas” em Portugal, representaria uma mais valia em termos turísticos.

Para a dirigente, Portugal é um destino naturista de excelência, pelo clima e pela costa marítima que possui: “Falta aos seus responsáveis perceberem este enorme potencial”.

A federação defende “um naturismo de prática familiar”, englobando várias gerações. “Os nossos sócios têm dos oito meses aos 88 anos”, disse, notando que durante o período da adolescência se observa um afastamento dos jovens.

“Esta realidade é transversal a todos os países e penso que está diretamente relacionada com a descoberta do corpo, da sexualidade e da necessidade de aceitação pela sociedade e pelo grupo de amizades”, explicou.

O interesse pela prática tem crescido e Portugal não é exceção, assegurou.

A Federação Naturista Internacional, que esta semana organiza o Congresso Mundial, na Costa da Caparica, reúne representantes de 31 países, representados por federações, e oito representantes oficiais de estados onde ainda não estão constituídas estas estruturas. “Estima-se que os seus membros, a nível mundial, rondem mais de 450.000 naturistas”.

Na definição de Filipa Gouveia, ser naturista é “tentar ter uma vida mais natural, onde impera a simplicidade e o respeito pelo próprio, pelo próximo, e pela natureza”.

Anúncio

Braga

Complexos Desportivos da UMinho permanecem abertos em agosto

Fomento à prática desportiva

em

Foto: Divulgação / UMinho

Os Complexos Desportivos de Azurém (Guimarães) e Gualtar (Braga) da Universidade do Minho (UMinho) vão estar abertos durante o mês de agosto, ao contrário do que costumava acontecer nos últimos anos. Com esta iniciativa, os Serviços de Acção Social da Universidade do Minho (SASUM) pretendem melhorar as condições de prática de exercício físico dos seus utentes, para que os mesmos não sejam confrontados com uma suspensão involuntária da sua atividade desportiva.

Carlos Videira, diretor do Departamento de Desporto e Cultura dos SASUM, revela que esta já era uma medida que estava a ser pensada há alguns meses. “De há algum tempo a esta parte, temos vindo a percecionar que este encerramento faz com que muitos utentes (estudantes das cidades de Braga e Guimarães, funcionários, docentes e externos) desistam da sua inscrição nos nossos serviços e procurem resposta noutras infraestruturas. Muitos destes utentes não retomam a sua inscrição nos nossos serviços. Outros acabam por nunca se chegar a inscrever, apontando como debilidade da nossa oferta o facto de apenas estarmos abertos 11 meses por ano”, aponta o dirigente.

Com a reabertura dos complexos desportivos no início do passado mês de junho, a ideia ganhou ainda mais força. “No contexto atual de desconfinamento, entendemos também que a abertura em agosto daria um sinal de confiança e permitiria continuar a retoma que temos vindo a promover. Não faria sentido que, apenas dois meses após a reabertura, os complexos desportivos voltassem a fechar. Precisamos de fazer com que as pessoas que estão a frequentar as nossas instalações façam dessa utilização um hábito permanente”, afirma Carlos Videira.

Dessa forma, os SASUM avançam, neste primeiro ano, com uma experiência piloto em que os complexos desportivos estarão abertos às segundas, quartas e sextas-feiras durante o período da manhã (08h00 – 14h00) e às terças e quintas-feiras durante o período da tarde (12h00 – 14h00 e 15h00 – 20h00), incluindo horário de almoço. A expectativa é a de que o horário da manhã vá de encontro à procura por parte de quem esteja de férias. Por seu lado, o horário da tarde será mais adequado para quem esteja a trabalhar.

O mensalidade do mês de agosto será oferecida aos atuais utentes do Departamento de Desporto e Cultura dos SASUM. Para novas inscrições, até ao dia 31 de agosto, a mensalidade de agosto também é gratuita. A oferta inclui atividades de musculação e cardiofitness, treino funcional e aulas de grupo.

Continuar a ler

Braga

Exército e Marinha vão patrulhar distrito de Braga para “minimizar risco de incêndio”

Incêndios

em

Foto: Divulgação / Exército

O Exército e a Marinha vão mobilizar, até sexta-feira, 126 militares, distribuídos por 14 distritos, para ajudar a “minimizar o risco de incêndios” em Portugal, anunciou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

Os 126 militares vão fazer ações de patrulhamento em 14 distritos de Portugal continental, a pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), “por forma a minimizar o risco de incêndios florestais”, segundo um comunicado do EMGFA.

As ações, entre as 10:00 e as 20:00 dos três dias, vão decorrer nos distritos de Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Faro, Leiria, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal, Vila Real e Viseu.

Na terça-feira, a secretária de Estado da Administração Interna alertou para “um cenário meteorológico muito complicado” nos próximos dias, com um potencial de ocorrências de incêndios florestais “difíceis de gerir” e que se podem tornar “quase catastróficos”.

“Hoje, o que podemos dizer é que vamos enfrentar dias de enorme complexidade e de risco de incêndio muito elevado”, disse aos jornalistas Patrícia Gaspar, no final da reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional, na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), onde foi analisado o que se passou nas últimos dias e o risco previsto até à próxima sexta-feira.

Segundo a governante, esta semana vão ocorrer ventos fortes e velocidades de propagação de incêndios “muito acima da média”.

Continuar a ler

Braga

ARS Norte põe distrito de Braga em Alerta Vermelho devido ao calor

Saúde pública

em

Foto: DR

A ARS Norte, através da delegação de saúde de Braga, lançou esta quarta-feira um “Alerta Vermelho” face à previsão da manutenção das temperaturas elevadas durante os próximos três dias, que podem contribuir para um “excesso de mortalidade” por entre a população mais vulnerável.

Em comunicado enviado à nossa redação, o delegado de saúde de Braga, João Manuel Cruz, aponta o “risco de impacto na saúde das pessoas” durante os próximos três dias, revelando que, através de informação recolhida junto do Boletim ICARO, o impacto na mortalidade pode ser excessivo.

Adianta ainda que, entre 06 e 12 de julho, observou-se um aumento de mortalidade devido ao calor nas regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Alentejo, com especial predominância nas pessoas de sexo feminino no grupo etário acima dos 75 anos de idade.

Recorde-se que são esperadas temperaturas máximas para a região interior do Minho que podem rondar os 40 graus, com concelhos como Monção a poderem ultrapassar esse número no mercúrio. Na sexta-feira será o dia mais quente, de acordo com as previsões do Instituto Português da Mar e Atmosfera, com o concelho de Braga a esperar temperatura máxima de 39 graus.

Segundo o mesmo instituto, o distrito de Braga permanece em aviso laranja, o segundo mais grave numa escala de quatro, até final de sexta-feira. Encontra-se assim, em aviso laranja por questões meteorológicas e em alerta vermelho por questões de saúde pública.

Recomendações da Direção-Geral da Saúde para os próximos três dias

Beba água ou sumos de fruta natural, mesmo quando não tem sede, e evite o consumo de bebidas alcoólicas;
Faça refeições frias, leves e coma mais vezes ao dia;
Utilize roupa larga, que cubra a maior parte do corpo, chapéu de abas largas e óculos de sol com proteção UVA e UVB;
Mantenha-se em ambientes frescos arejados, pelo menos 2 a 3 horas por dia;
Evite a exposição direta ao sol, principalmente entre as 11 e as 17 horas;
Utilize protetor solar, com fator igual ou superior a 30 e renove a sua aplicação de 2 em 2 horas e após os banhos na praia ou piscina;
Evite atividades que exijam grandes esforços físicos, nomeadamente, desportivas e de lazer no exterior;
Se trabalhar no exterior, hidrate-se frequentemente, proteja-se com roupa larga e chapéu e trabalhe acompanhado porque em situações de calor extremo poderá ficar confuso ou perder a consciência;
Escolha as horas de menor calor para viajar de carro e não permaneça dentro de viaturas estacionadas e expostas ao sol;
Tenha especial atenção com os doentes crónicos, grávidas, crianças, idosos e pessoas com mobilidade reduzida;
Se está grávida modere a atividade física, evite a exposição direta ao sol e ingira frequentemente líquidos;
Assegure que as crianças consomem frequentemente água ou sumos de fruta natural e que permanecem em ambiente fresco e arejado. As crianças com menos de 6 meses não devem estar sujeitas a exposição solar, direta ou indireta;
Contacte e acompanhe os idosos e outras pessoas que vivam isoladas. Assegure a sua correta hidratação e permanência em ambiente fresco e arejado;
Se é doente crónico, ou está sujeito a terapêuticas e/ou dietas especificas, siga as recomendações do seu médico assistente ou do Centro de Contacto do SNS 24: 808 24 24 24;
No período de maior calor, corra as persianas ou portadas. Ao entardecer deixe que o ar circule pela casa;
Mantenha-se informado quanto às previsões meteorológicas e siga as recomendações da Direção-Geral da Saúde;
Em caso de emergência ligue 112.

Continuar a ler

Populares