Seguir o O MINHO

Desporto

Federação de andebol suspende provas nacionais até 29 de março

Covid-19

em

Foto: DR

A Federação de Andebol de Portugal (FAP) suspendeu as competições nacionais até 29 de março, “com acompanhamento permanente”, devido à pandemia de Covid-19, anunciou, esta quinta-feira, o organismo federativo.


“A Federação de Andebol de Portugal decidiu suspender as competições nacionais de andebol, até 29 de março, face à pandemia Covid-19, com acompanhamento permanente e revisão até ao dia 29 de março”, indica um comunicado divulgado no sítio oficial da FAP na Internet.

A decisão foi tomada, esta quinta-feira, pelo grupo de trabalho de acompanhamento do impacto do Covid-19 no andebol português e prende-se com a “necessidade de salvaguarda de interesses de natureza pública, nomeadamente, da saúde pública e segurança dos agentes desportivos intervenientes nas competições (jogadores, treinadores, dirigentes e outros)”.

“Tal medida foi adotada em articulação e contacto com a Secretaria de Estado da Juventude e Desporto atentas as repercussões de tal suspensão, entre outras e também na vertente das seleções nacionais, nomeadamente na qualificação para os Jogos Olímpicos Tóquio2020 e Mundial2021”, assinala o comunicado.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal.

A Direção-Geral da Saúde atualizou, esta quinta-feira, o número de infetados, que registou o maior aumento num dia (19), ao passar de 59 para 78, dos quais 69 estão internados.

O boletim divulgado, esta quinta-feira, assinala também que há 133 casos a aguardar resultado laboratorial e 4.923 contactos em vigilância, mais 1.857 do que na quarta-feira.

Anúncio

Desporto

Famalicense André Carvalho vive “sonho tornado realidade” ao chegar ao WorldTour na Cofidis

Ciclismo

em

Foto: DR

O ciclista português André Carvalho disse hoje à Lusa que a saída da norte-americana Hagens Berman Axeon para a francesa Cofidis, do WorldTour, é “um sonho tornado realidade”.

“É o resultado de muito empenho e trabalho ao longo dos anos. Para mim, é um sonho tornado realidade chegar ao WorldTour e poder, quem sabe, participar, nos próximos anos, nas que são consideradas as melhores corridas do Mundo. Fico muito grato por esta oportunidade e é algo que vou tentar agarrar com unhas e dentes”, garantiu o ciclista de 22 anos, em entrevista à Lusa.

A oito dias do 23.º aniversário, o luso natural de Vila Nova de Famalicão espera poder, em 2021, “aprender e evoluir gradualmente”, mas não esconde que “o maior sonho é participar nas clássicas do Norte, a Volta a Flandres e o Paris-Roubaix”.

Neto de Carlos Carvalho, que em 1959 venceu a Volta a Portugal, André vai ser o primeiro português na história da Cofidis, que hoje o elogiou como sendo “um dos mais talentosos da sua geração”.

O jovem integrava a Hagens Bermans Axeon desde 2019, quando foi quinto nas corridas de sub-23 das clássicas Liège-Bastogne-Liège e Paris-Roubaix, depois de ter alinhado na Liberty Seguros-Carglass e também ter passado, em 2017, pelos italianos do Cipollini Iseo Serrature Rime.

Carvalho segue o caminho de vários ciclistas que hoje dão cartas nas principais provas e que passaram pela formação fundada por Axel Merckx, como João Almeida (Deceuninck-QuickStep) ou Ruben Guerreiro (Education First), mas também o belga Jasper Philipsen (UAE Emirates) ou o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS), além dos irmãos portugueses Ivo Oliveira e Rui Oliveira, também da UAE Emirates.

No Twitter, Axel Merckx destacou Carvalho como um “ciclista de classe mas, acima de tudo, uma pessoa de classe”, antes de lhe escrever um “obrigado” em português e dar os parabéns “a todos” na Cofidis.

Num ano “bastante estranho”, acabou por fazer uma época que “não foi excelente mas também não foi má”, tendo cumprido os objetivos propostos pela equipa norte-americana até à “cereja no topo do bolo”, a Cofidis.

O principal destaque nas corridas de 2020 foi o 10.º lugar no Grande Prémio de Isbergues, com a participação de várias equipas WorldTour.

Na Hagens Berman Axeon continua o português Pedro Andrade, que viveu em 2020 o primeiro ano fora do país, após o corredor de 20 anos ter representado, em 2019, a Vito-Feirense.

Continuar a ler

Futebol

João Pedro Sousa diz que se Famalicão “estiver tão débil como no último jogo vai perder”

I Liga

em

Foto: FC Famalicão

O treinador do Famalicão admitiu hoje que se a equipa estiver “tão débil e fraca como em momentos do último jogo, vai certamente perder” no encontro com o Boavista, da quinta jornada da I Liga portuguesa de futebol.

João Pedro Sousa garantiu, em conferência de imprensa de antevisão da partida, que a equipa famalicense precisa melhorar vários aspetos do seu jogo, mas reconheceu que, ainda assim, sente que o grupo “está a evoluir”.

“A pressão é igual para os dois. O Boavista quer ganhar e o Famalicão também. Para nós é fundamental perceber onde temos de evoluir e corrigir relativamente ao último jogo. Tendo a noção de que se formos tão débeis e tão fracos como fomos em determinados momentos do último jogo vamos perder o jogo. Temos essa consciência”, começou por referir o técnico.

João Pedro Sousa revelou-se consciente de que este ainda não é o melhor momento do Famalicão, mas mostrou-se esperançado em relação ao futuro.

“Sentimos que equipa está a evoluir. Longe de estarmos perfeitos, mas estamos melhor. Mas precisamos de trabalhar muito mais, precisamos de várias unidades de treino, várias semanas de trabalho. Neste jogo não vai ser o melhor Famalicão mas penso que estamos no caminho certo e já se vê muita coisa do que pretendemos e que os jogadores também querem”, disse ainda.

O treinador sabe o que é preciso trabalhar e corrigir e relembrou uma promessa que fez no início da época e que ainda espera ver cumprida.

“Temos que retificar alguns pormenores no nosso processo defensivo. Foi uma promessa que eu fiz, sofrer menos golos este ano e mantenho. Sofremos nos jogos todos, mas também marcámos. Mas é um aspeto que temos que evoluir”, concluiu.

O Famalicão, oitavo classificado, com cinco pontos, recebe no domingo, às 17:30, o Boavista, no 17.º lugar, com dois pontos, numa partida da quinta jornada da I Liga portuguesa de futebol, e que será arbitrada por Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa.

Continuar a ler

Futebol

SC Braga com resultado positivo de 8,6 milhões, o maior da história do clube

Finanças

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O SC Braga apresentou um resultado líquido positivo de 8,6 milhões de euros em 2019/20, o maior de sempre da sua história, informou hoje o clube minhoto.

Segundo uma nota divulgada hoje, “o clube apresentou um lucro individual de 495 mil euros, que, por via da incorporação dos resultados da sua participada, Sporting Clube de Braga – Futebol SAD, permitiu atingir um resultado líquido do exercício de 8,6 milhões de euros e um EBITDA [lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] de 9,3 milhões de euros”.

“Os resultados alcançados apresentam significativa importância, não apenas por serem os maiores alguma vez alcançados nos quase 100 anos de história do SC Braga, mas porque operam como garante do equilíbrio económico-financeiro do clube, numa conjuntura desfavorável sem precedentes na sociedade como um todo e no setor do desporto em particular”, pode ler-se.

O montante auferido a título de mecanismo de solidariedade FIFA, no valor de aproximadamente 700 mil euros, pelas transferências de Trincão e Pedro Neto destacou-se na mitigação dos impactos da pandemia de covid-19, que se fizeram sentir em particular no último trimestre da temporada 2019/20, frisam os responsáveis bracarenses.

No que se refere aos gastos operacionais, as remunerações do pessoal ascenderam a 1,3 milhões de euros e os fornecimentos e serviços externos a 1,5 milhões de euros.

O ativo do clube situa-se nos 30,8 ME e o passivo nos 20,1 ME, sendo de destacar a liquidação integral dos valores devidos a terceiros no âmbito da edificação da primeira fase da Cidade Desportiva do SC Braga.

O relatório e contas de 2019/20 do SC Braga será apresentado para aprovação dos sócios, em assembleia-geral, a 31 de outubro, pelas 10:00, no grande auditório do Fórum Braga.

Na terça-feira, os acionistas da SAD vão votar o relatório e contas da época passada, com um resultado líquido positivo de 22 ME, recorde daquela sociedade.

Continuar a ler

Populares