Seguir o O MINHO

Futebol

FC Porto regressa às vitórias

I Liga

em

O FC Porto regressou às vitórias na I Liga portuguesa de futebol, ao vencer hoje o Portimonense, por 3-1, em partida da sétima jornada, em que os ‘dragões’ tiveram de operar uma reviravolta no marcador, já na segunda parte.


Isto porque os algarvios inauguraram o marcador logo aos 14 minutos, por intermédio de Beto, num tento a que os ‘azuis e brancos’ responderam com os golos de Mbemba (45+3), Taremi (46) e Sérgio Oliveira (89).

Com este triunfo, o FC Porto sobe à condição para o terceiro lugar, 13 pontos, a seis do líder Sporting, e com mais um que Sporting de Braga, quarto, que ainda esta noite joga com o Benfica.

Já o Portimonense, que somou a terceira derrota consecutiva no campeonato, mantém os quatro pontos, mas caí para o último lugar da prova, depois de os ‘vizinhos’ do Farense terem hoje vencido o Boavista.

Os ‘dragões’ entraram para este desafio beliscados pelo desaire da última jornada campeonato, em Paços de Ferreira, e até surgiram empenhados em encaminhar, cedo, o jogo a seu favor, com Otávio, logo aos 10 minutos, e tentar a sorte, com um remate de longe.

O Portimonense, que se apresentou com uma linha de três centrais, apoiados pelos dois laterais, não se intimidou com inicial voluntarismo do adversário e, na primeira vez que conseguiu armar os seu contra-ataque, foi letal.

Anderson recuperou uma bola perdida por Uribe, ganhou terreno com parca oposição, e entregou para que Moufi assistisse um desvio de cabeça de Beto, para o inaugurar do marcador logo aos 14 minutos.

O tento madrugador dos algarvios destabilizou o FC Porto, que foi em busca do prejuízo, mas nem sempre bem articulando nas movimentações ofensivas, tendo Uribe ainda tentado redimir-se em duas situações, mas sem a melhor pontaria.

Em vantagem, o Portimonense retraiu-se um pouco e deu iniciativa ao adversário, mas à passagem da meia hora, na sequência de um canto, ainda ameaçou o segundo golo, num cabeceamento de Wyllian, que saiu um pouco lado.

A ver o jogo da bancada devido a castigo, o técnico portista Sérgio Conceição, que repetiu o ‘onze’ do desafio do meio da semana frente ao Marselha, para a Liga dos Campeões, ordenou a primeira alteração na equipa logo aos 32 minutos, com a entrada de Taremi para o lugar de Uribe.

A mexida trouxe mais tração ofensiva aos locais, criando espaços para que Luiz Díaz e Sérgio Oliveira, em iniciativas individuais, ainda tentassem resgatar o empate, que acabou mesmo por surgir já no último ‘suspiro’ da etapa inicial, quando Mbemba desviou de cabeça um canto para o 1-1, aos 45+3.

Este golo da igualdade terá galvanizado a formação nortenha durante o intervalo, pois no regresso do descanso a aposta em Taremi rendeu ‘dividendos’, com o avançado iraniano a estrear-se a marcar com camisola portista, num excelente golpe de cabeça, a cruzamento de Sérgio Oliveira, que ditou a reviravolta no marcador, logo aos 46.

Pela primeira vez em vantagem no encontro, o FC Porto tentou recompor o seu futebol, e mesmo não sendo tão vertiginoso nas saídas para o ataque, ainda viu Luís Diáz e Taremi ameaçaram o terceiro golo.

Ainda assim, do outro lado, o Portimonense não se dava por rendido, e após desfazer o esquema de três centrais, foi tentando criar desequilíbrios através de rápidos contra-ataques, que apenas pecavam na definição final.

Pressentindo o perigo, o FC Porto recalibrou-se com entrada de Grujic no meio campo, e já 78 teve uma soberana oportunidade para ‘matar’ o jogo, numa combinação entre Taremi e Marega, mas que Sérgio Oliveira em posição privilegiada desperdiçou, após intervenção atenta do guardião dos algarvios Samuel.

O desperdício dos nortenhos quase era castigado já aos 81 minutos, quando o Dener, num cabeceamento após canto, ficou a centímetros de recuperar o empate para o Portimonense, mas já aos 89 Sérgio Oliveira redimiu-se do falhanço anterior e, assistido por Corona, fixou o 3-1 final.

Anúncio

Futebol

Tondela tem surto de covid-19 no plantel

Clube vai pedir adiamento do jogo com o Boavista

Foto: Twitter / CD Tondela

O plantel do Tondela tem um surto do novo coronavírus e vai pedir o adiamento do jogo da 14.ª jornada da I Liga de futebol, no sábado, com o Boavista, revelou hoje o diretor de comunicação do clube.

“Acabámos de saber o resultado dos testes realizados 48 horas antes do jogo e temos dois jogadores e cinco elementos do ‘staff’ com resultado positivo ao vírus SARS-CoV-2”, que provoca a covid-19, disse Francisco Favinha.

A comunicação foi feita pouco antes da hora de início da conferência de imprensa do treinador Pako Ayestrarán, com vista a abordar a receção ao Boavista, em jogo marcado para sábado, com início às 20:30, no Estádio João Cardoso.

O Tondela está a encaminhar o resultado dos testes à Direção-Geral da Saúde (DGS) e à Liga de clubes, na qual vai “pedir o adiamento do jogo com o Boavista”, uma vez que “não é possível saber se haverá mais casos positivos, apesar do resultado, para já, ser negativo”.

“O clube considera que o mais sensato é adiar o jogo, para evitar possíveis contágios, caso se venham a revelar mais casos positivos no plantel e no ‘staff’, assumiu o diretor de comunicação.

Continuar a ler

Futebol

FPF disponibiliza Casa dos Atletas ao Ministério da Saúde

Covid-19

Foto fpf.pt / DR / Arquivo

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) disponibilizou a Casa dos Atletas, na Cidade do Futebol, ao ministério da Saúde, para funcionar como unidade de retaguarda para doentes que necessitem de internamento e vigilância médica, anunciou hoje o organismo.

Em comunicado, a FPF refere que as instalações foram cedidas por um período de oito semanas, “como forma de aliviar a ocupação das enfermarias dos hospitais”.

Além de ceder as instalações, a FPF será responsável pela “prestação dos serviços de alimentação e limpeza necessários à boa utilização do espaço”, ficando a “coordenação clínica e operacional totalmente a cargo da ARS de Lisboa e Vale do Tejo”.

Devido à pandemia de covid-19, as estruturas do Serviço Nacional de Saúde (SNS) estão a ficar sobrelotadas, tendo já sido suspensas as atividades não urgentes e as cirurgias programadas de prioridade normal ou prioritária, desde que não implique risco para os doentes.

Portugal continental entrou hoje num novo confinamento geral, devido ao agravamento da pandemia de covid-19, com os portugueses sujeitos ao dever de recolhimento domiciliário, mas mantendo as escolas com o ensino presencial.

Continuar a ler

Futebol

“Ainda é difícil comunicar com o Abbas”

Ricardo Soares

Imagem: Gil Vicente TV

Declarações após o Gil Vicente-Académico de Viseu (3-2, após prolongamento), jogo dos oitavos de final da Taça de Portugal de futebol, disputado no Estádio Cidade de Barcelos:

Ricardo Soares (treinador do Gil Vicente): “Entrámos fortes. Queríamos marcar primeiro. Fizemos uma pressão alta e intensa, mas encontrámos um adversário de que já estávamos à espera, organizado e com qualidade. Tinha uma motivação igual à nossa. Estávamos muito motivados. O jogo foi matreiro para nós. Quando estávamos por cima, o Académico de Viseu ia à frente e marcava golo. Reagimos energicamente e fizemos o 2-2. Mesmo antes dos 90 minutos, poderíamos evitar o prolongamento. Foi uma vitória justa, mas enalteço o grande trabalho do Académico de Viseu. Foi uma equipa com ‘coração’, que valorizou o nosso triunfo.

O Académico de Viseu foi anormalmente eficaz, mas não lhes quero tirar o mérito, porque foram uma equipa muito bem organizada, tirando-nos espaço. Nós mantivemos a intensidade altíssima, e o Académico pagou caro a basculação intensa para fechar os espaços. Não merecíamos o prolongamento, nem queríamos o prolongamento. Agora, temos de recuperar para o jogo de domingo [com o Marítimo, para a I Liga].

Acho inadmissível isto acontecer no futebol português [o facto de o Gil Vicente ter uma pausa de três dias para o próximo jogo do campeonato e o Marítimo seis]. O nosso adversário não vai encarar o próximo jogo com as mesmas armas do que nós. Não deveríamos ir a jogo no domingo, às 20:30.

Foi um pormenor que não devia passar em claro. Acredito na Liga e nas pessoas que gerem o nosso futebol, mas temos de ter muito mais rigor e atenção. Deram-nos a escolher entre jogar [com o Académico de Viseu] na quarta ou na quinta. Eu poderia ter escolhido jogar na quarta, mas fomos jogar a Faro [para a I Liga] no domingo e vínhamos de uma viagem longa. Como iríamos jogar para passar aos quartos [de final], também queríamos preparar este desafio com cuidado.

O Alaa Abbas vinha de uma paragem longa, com falta de ritmo. Temos vindo a integrá-lo. Ele tem qualidade, mas esteve muito tempo parado e veio para um país diferente. Ainda é difícil comunicar com ele, mas temos a paciência necessária para ele. Espero que ele também a tenha. É um atleta que nos pode dar muito.”

Pedro Duarte (treinador do Académico de Viseu): “Sofrer depois de estar duas vezes em vantagem causa maior frustração. Foi um excelente jogo. A equipa está a crescer desde que cá cheguei, há cerca de dois meses. O resultado não foi o que queríamos, mas a equipa tem compromisso e o nosso caminho é este. Estou muito satisfeito, porque os meus jogadores conseguiram demonstrar o futebol que estamos a exibir na II Liga.

Este era o momento ideal para defrontar uma equipa de I Liga. Tinha dito que teríamos ambição para lutar pela vitória, com competência e qualidade. Mesmo sabendo que ia haver momentos em que iríamos ter dificuldades em ter bola, por causa da qualidade do Gil [Vicente], a equipa esteve bem na organização defensiva e mandou no jogo em vários momentos.

Acredito que sim [quanto ao segundo golo sofrido afetar mentalmente a equipa]. Fizemos o 1-0 e depois o Gil fez o 1-1. Quando fizemos o 2-1, acreditámos que poderíamos passar a eliminatória, até pelo tempo que faltava [cerca de 15 minutos]. Depois do 2-2, a equipa ficou mais instável emocionalmente, mas ainda reagiu para lutar pela vitória até ao fim. Este resultado não nos ‘enche a barriga’, mas os jogadores tiveram coragem, o que nos dá confiança para o que aí vem no campeonato.”

Continuar a ler

Populares