Seguir o O MINHO

Guimarães

Farfetch: Empresa do vimaranense José Neves entrou na bolsa em Nova Iorque

A Farfetch é a primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE), principal índice da Bolsa de Nova Iorque.

em

José Neves, à esquerda, em Nova Iorque, no dia em que a Farfetch entrou na bolsa. Foto: Facebook

A empresa Farfetch, retalhista digital de marcas de luxo fundada por o vimaranense José Neves e com ligações à cidade, desde a sua fundação, entrou esta sexta-feira, 21 de setembro, na bolsa de valores de Nova Iorque, com mais de 44 milhões de ações a 27 dólares cada (23 euros).

Em julho, a empresa que emprega mais de 3.000 trabalhadores nas áreas da fotografia, desenvolvimento de ‘software’, ‘design’ e outras, inaugurou o 13.º escritório mundial, na cidade de Braga e espera um novo edifício para servir de sede em Guimarães.

Vídeo: CNBC

Hoje, em Nova Iorque, menos de dez minutos depois do início das negociações, o valor de cada ação já estava a rondar os 28,5 dólares (24,3 euros ao câmbio atual).

A primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE) é agora reconhecida na bolsa sob a abreviatura “FTCH”, cerca de um mês depois de apresentar os documentos e oficializar o pedido de cotação, em 20 de agosto.

A entrada da Farfetch na NYSE aconteceu às 11:30 de Nova Iorque (16:30 em Lisboa), com as presenças do empresário português fundador, José Neves, do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e de representantes das instituições bancárias que prepararam o processo de candidatura.

A cerimónia do toque do sino aconteceu às 09:30 locais e foi acompanhada por muitos convidados, empresários e investidores.

Na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), a Farfetch iniciou a dispersão de capital de 44.243.749 milhões de ações a 27 dólares cada, o que excedeu o preço inicial previsto, que começou com o intervalo de 15 a 17 dólares.

A Farfetch “está a criar riqueza para o país e está hoje, aqui, a dar uma notoriedade às nossas empresas tecnológicas”, afirmou o ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, acrescentado que este facto pode “atrair ainda mais investidores para Portugal”, fazendo alusão à forma como o Governo tem ajudado os empreendedores através do programa Startup Portugal.

José Neves, fundador da Farfetch, tem residência em Guimarães e em Londres. Foto: DR/Arquivo

A Farfetch “é uma empresa que trabalha em Portugal para o mercado global (…), que está a ajudar outras ‘startup’ portuguesas (…), que está a alavancar marcas portuguesas, mas é óbvio que tem grandes marcas de todo o mundo”, disse.

O ministro lembrou que, quando o atual Governo entrou em funções, “havia quem discutisse se esta empresa já valia mil milhões de euros”.

“Agora essa discussão está totalmente ultrapassada”, acrescentou o governante.

Empresas como a Farfetch já se estão a desenvolver em Portugal, criando um “valor em termos de criação de tecnologia e de emprego muito grande”, disse Manuel Caldeira Cabral.

O ministro da Economia considerou que José Neves, fundador da Farfetch, está a ajudar na “preparação de outras ‘startup’ portuguesas, para, quem sabe, daqui a quatro ou cinco anos, estarem elas” em Nova Iorque, a estrearem-se em bolsa.

Portugal pode ser um mercado “demasiado pequeno” para “projetos feitos em Portugal, altamente tecnológicos”, que colocam o país ao lado dos melhores, declarou.

A Farfetch é uma plataforma digital de comércio de luxo, que junta mais de 3.200 marcas a mais de 935.000 utilizadores, apresentando soluções de apresentação ‘online’ e envio dos produtos.

Anúncio

Guimarães

Racismo é um “problema de estupidez”

Presidente do FC Porto comentou caso Marega

em

Foto: Imagens SportTV

O presidente do FC Porto considerou hoje que o racismo é um “problema de estupidez” e que o que sucedeu com o futebolista maliano Marega foi “uma atitude infeliz” de um grupo de adeptos, que “têm de ser castigados”.

Pinto da Costa, que falou à chegada ao Tribunal de Justiça, no Porto, para testemunhar no âmbito do julgamento do ataque à academia do Sporting, em Alcochete, comentou o caso de racismo de que foi vítima Marega no jogo entre o Vitória SC e o FC Porto.

“Como reajo? Como a maioria, quase 100% dos portugueses, descontando o Rui Santos e o André Ventura… Toda a gente reagiu da mesma maneira. O Marega foi tomado pelo mundo como um herói, mas não é por ter esta atitude digna que passou para nós a ser importante. No final do ano, antes de sonharmos que isto ia acontecer, recebeu o Dragão de Ouro do FC Porto. Não é por isto que passou a ser para nós um grande atleta e um grande homem”, disse Pinto da Costa.

O líder do clube ‘azul e branco’ salientou que o racismo “nem deveria ser colocado como um problema”, por ser “estúpido e imbecil”, e falou nos ídolos de infância que “eram de cor”.

“Para mim sempre houve igualdade, sempre vivi assim na infância, quando os meus ídolos no FC Porto eram de cor. Para mim, eram indiferentes a raça e a cor. Aquilo foi uma atitude infeliz, que nem sequer posso dizer que as pessoas sejam racistas, foi uma maneira de atingir o Marega porque o Vitória SC também tem jogadores de outras raças e que nunca foram atingidos. Têm de ser castigados, mas mais do que racismo foi um problema de estupidez”, acrescentou.

Pinto da Costa considerou ainda que esta situação deve ser tratada como um caso de polícia e demonstrou ainda mais a sua indignação.

“No primeiro jogo de futebol que vi, o FC Porto tinha o Gastão, era negro e era um dos que mais gostava. Não compreendo como isso pode ser um problema para alguém. Isto é sobretudo um caso de polícia. Se roubarem as carteiras às pessoas no estádio, a responsabilidade não é dos clubes”, concluiu.

O presidente comentou ainda o facto de o FC Porto, em pouco mais de uma semana, ter reduzido de sete para um ponto o atraso em relação ao Benfica na luta pela liderança da I Liga.

“A leitura que faço é que recuperamos seis pontos. Estávamos a sete e ficámos a um”, disse Pinto da Costa, que não revelou as expectativas para o resto da prova: “Não espero nada. No futebol tudo pode acontecer, no campo é que se fazem os resultados”.

Continuar a ler

Guimarães

Detidas por furto de mais de 1.200 euros em loja de Guimarães

Mulheres com 27 e 43 anos

em

Foto: Ilustrativa / DR

Duas mulheres foram hoje detidas por furto de 1.246 euros em artigos de uma loja, num centro comercial em Silvares, Guimarães, anunciou a GNR.

Em comunicado enviado a O MINHO, aquela força de segurança conta que as suspeitas, intercetadas após denúncia, queimaram os alarmes das peças e colocaram-nas dentro de “dois sacos adaptados, forrados com alumínio, para impedir a deteção”.

O material recuperado foi entregue ao proprietário do estabelecimento comercial.

As suspeitas vão ser presentes ao Tribunal Judicial de Guimarães, na quinta-feira.

Continuar a ler

Ave

Gabinete de psicologia quer devolver o “sol” a doentes com cancro em Guimarães

Apoio gratuito aos doentes e familiares

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

O concelho de Guimarães dispõe, a partir de hoje, de um gabinete de psico-oncologia para dar apoio gratuito aos doentes com cancro e familiares e aportar esperança, força e “sol” às suas vidas.

“Este é, sobretudo, um espaço afetivo. Queremos que os doentes com cancro e as suas famílias se sintam aqui completamente apoiados, numa altura em que travam aquela que, porventura, será a mais dura cruzada das suas vidas”, disse o presidente da câmara, Domingos Bragança, na inauguração do gabinete.

Situado na freguesia de Mesão Frio, o gabinete de psico-oncologia de Guimarães resulta de um protocolo entre a câmara municipal e a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPC) – Núcleo Regional do Norte.

A câmara disponibilizou e equipou o espaço, num investimento de cerca de 100 mil euros, e assegura toda a logística, cabendo à LPC disponibilizar os psicólogos que farão o atendimento.

No gabinete, serão realizadas sessões de psicoterapia, tanto individuais como em grupo.

“Este gabinete pretende restituir o sol que o cancro rouba ao doente e à família”, disse ainda Domingos Bragança.

O presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Vítor Veloso, sublinhou que o doente oncológico “é muito especial, muito carente e não pode ser tratado como outro qualquer”.

“Há um distanciamento cada vez maior entre os profissionais de saúde e o doente oncológico e há que contrariar essa tendência. Tem de haver uma empatia muito grande com o doente, porque isso dá força, cria imunidade”, referiu.

Lembrou que a incidência oncológica “vai aumentar”, mas vincou que a mortalidade é hoje bem menor do que antes.

“Atualmente, temos 400 mil sobreviventes”, adiantou, para destacar o papel dos gabinetes de psico-oncologia na recuperação dos doentes com cancro.

O gabinete está também pronto para dar apoio psicológico aos profissionais de saúde, que muitas vezes acabam igualmente por “claudicar” com os casos que têm entre mãos.

Continuar a ler

Populares