Seguir o O MINHO

Ave

Famalicão vai pagar metade das faturas da água e ambiente a mais de 1.000 empresas

Economia

em

A Câmara de Famalicão vai assumir, ao longo deste ano, metade dos encargos mensais com as faturas de energia (gás e eletricidade) e ambiente (água, saneamento e resíduos sólidos) dos empresários individuais e das empresas sediadas e com estabelecimento no concelho que viram a sua atividade encerrada ou suspensa em virtude da pandemia.

A medida, hoje anunciada e cujo regulamento será alvo de discussão na próxima reunião do executivo municipal, irá abranger perto de 1.000 empresas da área do comércio a retalho não alimentar, pastelarias, bares e cafés, operadores turísticos, ginásios, cabeleireiros, entre outras atividades económicas.

Para usufruir do apoio é necessário que o valor das faturas apresentadas seja inferior ao valor homólogo do respetivo mês de 2019, sinal da redução ou suspensão da atividade.

Em comunicado, a autarquia liderada pelo social-democrata Paulo Cunha, explica que este é “um dos vários apoios que compõem o Retomar Famalicão, um programa extraordinário de apoio direto à economia local lançado hoje pela autarquia famalicense em parceira com a Associação Comercial e Industrial de Famalicão (ACIF)”.

Este programa “reúne um conjunto de medidas para mitigar os efeitos da crise pandémica da covid-19 na atividade dos operadores económicos do concelho” e implica um investimento municipal de dois milhões de euros.

Paulo Cunha fala em medidas, sobretudo, direcionadas “para as micro e pequenas empresas do concelho que têm dificuldades em aceder a outros apoios que se têm mostrado muito burocráticos e distantes”.

“Estes são apoios de fácil acesso que queremos que cheguem a todos quantos precisem e não só aos que estão melhor preparados para lá chegar”, acrescentou o autarca, lembrando ainda que os problemas não acabam com o fim do confinamento.

“Os primeiros meses após a reabertura serão muito difíceis e com estas medidas queremos ajudar as empresas a recuperarem as suas posições no mercado. É a ajuda que nesta fase é necessária”, disse.

É neste contexto que o “Comércio da Vila”, a loja virtual de promoção e venda dos produtos e serviços dos comerciantes do concelho, vai evoluir para uma plataforma de e-Commerce, gerida pela ACIF.

Até agora, o projeto funcionava apenas através das redes sociais e com esta alteração a autarquia espera que o número de estabelecimentos aderentes aumente, numa primeira fase, para entre 100 a 150 comerciantes inscritos.

Em vigor continua a suspensão, mediante apresentação de requerimento, do pagamento de taxas pela ocupação do espaço público com esplanadas, publicidade ou outros, bem como da publicidade colocada nos estabelecimentos comerciais durante este ano.

Até agora, a Câmara promovia, todos os anos, a isenção da derrama até ao limite legal de 150 mil euros. Com esta medida, a autarquia estima prescindir de arrecadar cerca de 400 mil euros em receita.

Continua também o serviço diário e gratuito de entrega de refeições ao domicílio em parceria com a Associação de Restaurantes de Famalicão, durante o confinamento obrigatório. O serviço conta atualmente com cerca de 80 restaurantes aderentes e desde que entrou em funcionamento, em novembro do ano passado, já foram entregues mais de 18 mil refeições, num volume de negócios estimado de quase 370 mil euros.

O presidente da ACIF, Fernando Xavier, mostrou-se agradado com os termos deste programa, resultado “de muitas horas de conversações entre a autarquia e a ACIF”, e espera que estas medidas venham “reanimar a economia local” e trazer “mais esperança” aos empresários do concelho.

Populares