Seguir o O MINHO

Ave

Famalicão investe mais de meio milhão de euros em obra junto a igreja românica

em

A câmara de Famalicão vai investir mais de meio milhão de euros na envolvente às igrejas nova e românica de Antas, de forma a criar “um novo centro cívico” na cidade, disse esta sexta o presidente da autarquia local.

“A intervenção vai servir para a leitura de conjunto de vários complexos. O que até agora era um aglomerado de vários edifícios, várias valências, vai passar a ser um espaço único”, disse Paulo Cunha no lançamento de uma obra que custará 555 mil euros à câmara de Famalicão e que o autarca tem expectativa que fique concluída dentro de um ano.

Próxima do parque da Devesa, a zona acolhe além de uma igreja românica e de um equipamento religioso novo da responsabilidade da paróquia local, um cemitério e um Centro Escolar também novo.

A confluência de áreas, serviços e valências levou a autarquia de Famalicão a avançar com um projeto que Paulo Cunha acredita que se materializará numa “nova centralidade”, servindo quer de adro para as igrejas, quer de centro cívico e de fruição para a comunidade.

A intervenção inclui a criação de um percurso panorâmico para aceder quer à igreja antiga quer à nova, um parque de estacionamento, um pátio com iluminação e mobiliário urbano, plantação de árvores, retificação dos muros existentes e desenho de pavimentos.

Paulo Cunha sublinhou o envolvimento da Direção Regional de Cultura do Norte, uma vez que o interesse patrimonial da igreja românica, disse o autarca, “não pode ser comprometido”, tendo o arquiteto responsável pelo projeto, Jorge Maia avançado que as obras serão acompanhadas por uma equipa de arqueólogos.

A criação desta “nova centralidade” agradou quer o pároco local, Agostinho Campos Lopes, quer ao presidente da junta, Manuel Alves.

Ambos sublinharam o facto de o espaço ser “muito visitado” por pessoas atraídas pela igreja românica, uma tendência que poderá aumentar quando na Páscoa de 2016 for inaugurada a igreja nova, um projeto de traços modernos que envolve dois milhões de euros.

Populares