Seguir o O MINHO

Famalicão

Famalicão investe 500 mil euros anuais nos bombeiros do concelho

em

Foto: Divulgação

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão investe anualmente perto de meio milhão de euros nas corporações de bombeiros do concelho, equipa de sapadores florestais e núcleo da Cruz Vermelha de Ribeirão. A autarquia consegue o investimento através da atribuição de diversos apoios financeiros.

Esta quinta-feira, a autarquia aprovou em reunião do executivo municipal a atribuição da última parcela do subsídio anual de 90 mil euros a cada uma das três corporações e de 42 mil euros ao Núcleo da Cruz Vermelha de Ribeirão. Para além disso foram ainda atribuídos os últimos apoios do ano 2017 às equipas de intervenção permanente dos bombeiros, num investimento superior a 32 mil euros a cada corporação.

“São apoios fundamentais que contribuem não só para o equilíbrio dos orçamentos das corporações de bombeiros, mas também que ajudam na hora de fazer uma correta programação dos seus investimentos”, explica a propósito o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.

“A atribuição destes subsídios concretiza o reconhecimento da sociedade civil pelos serviços prestados pelos bombeiros voluntários, seja no transporte de doentes, na prevenção e combate a incêndios ou no socorro de feridos, tendo sempre como lema e missão a proteção de vidas humanas”.

No que diz respeito ao funcionamento das Equipas de Intervenção Permanente, o autarca lembra o objetivo com que foram criadas “de assegurar, em permanência, o socorro às populações”. Neste caso, a autarquia financia em 50 por cento os vencimentos das equipas. Os outros 50 por cento são assegurados pela Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Para além destes apoios, durante o ano de 2017, a autarquia transferiu ainda uma verba de 40 mil euros para a equipa de sapadores florestais, tendo assegurado também os seguros de acidentes pessoais dos bombeiros voluntários assim como a alimentação.

Anúncio

Ave

Empresa de Famalicão doa um milhão de luvas aos hospitais

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A empresa famalicense Raclac, especialista no fabrico de produtos de produção individual, anunciou hoje a doação de um milhão de luvas aos hospitais onde existam centros de internamento para doentes Covid-19 positivos.

Através da sua página na rede social Facebook, a empresa sediada em Cruz, anunciou a entrega, não especificando data ou os moldes em que o pretende fazer.

Continuar a ler

Ave

Indústrias em Famalicão aumentam venda de carne fresca face à pandemia

Covid-19

em

Foto: Divulgação

A venda de carne fresca, principalmente de aves, aumentou entre 30 a 50% na primeira semana de estado de emergência nacional devido à pandemia covid-19, mas baixou na mesma proporção esta semana, disseram hoje alguns empresários do setor, do concelho de Famalicão.

Na Carnes Landeiro, empresa criada em 1977 no lugar de Landeiro, em Nine, e que produz charcutaria tradicional, cozidos, fumados e carnes verdes selecionadas, as vendas de carne bovina e suína também aumentaram na semana em que Portugal ficou em estado de emergência devido à pandemia.

Em declarações à Lusa, Hugo Carvalho, administrador da Carnes Landeiro, confirma que registou um aumento de vendas na ordem dos 30%.

“Na semana passada houve uma correria às carnes frescas”, mas, por outro lado, esta semana as vendas diminuíram na mesma proporção (30%)”, relatou.

As justificações dadas relacionam-se com o facto de as famílias se terem abastecido em demasia e/ou terem gasto mais dinheiro do que o costume e agora estão em poupança explicou Hugo Carvalho, que tem 150 funcionários a trabalhar atualmente na Landeiro.

Na empresa Porminho Alimentação, localizada em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, a produção de fumados derivados do porco está a “laborar a 100%, como normalmente”, disse à Lusa Paula Amaral, funcionária administrativa.

Com 200 funcionários a trabalhar por turnos, a Porminho continua a produzir fumados derivados de carne de porco, principalmente “fiambre, chouriço e salpicão” para as grandes superfícies portuguesas, revela a mesma fonte.

Já o administrador do grupo Primor, uma ‘holding’ de um conjunto de empresas do setor agroalimentar, desde a produção animal até à transformação e comercialização de charcutaria de suíno e aves localizada em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, indicou hoje à Lusa que a empresa continua a funcionar.

“Estamos a trabalhar arduamente para manter os nossos colaboradores (800), os parceiros de negócio e as comunidades onde operamos em segurança durante o surto de coronavírus”, disse Amândio Santos, referindo que as fábricas e instalações permanecem operacionais” e que “os 800 colaboradores, dos quais todos os que reúnem condições estão em teletrabalho, continuam diariamente a garantir a normalidade operacional das três unidades industriais”.

Questionado sobre se houve aumento de procura dos produtos que fabricam, Amândio Santos disse que ainda é “muito cedo para quantificar o impacto financeiro do surto” da covid-19, mas acrescenta que a “situação permanece dinâmica” por causa da “natureza de rápida evolução da crise do coronavírus”.

“Esta é uma situação de emergência e a nossa prioridade é continuar a fornecer sob condições difíceis. Estamos comprometidos em garantir a continuidade da produção e das entregas dos nossos alimentos para os consumidores em Portugal e para os países para onde exportamos. Para o conseguirmos, continuamos a trabalhar em estreita colaboração com os nossos parceiros da cadeia de fornecimentos, distribuição e retalho.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

O país encontra-se em estado de emergência até às 23:59 de 02 de abril devido à pandemia.

Continuar a ler

Ave

Famalicão exige rastreio em todos os lares e assume custos

Covid-19

em

Foto: Divulgação

O presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, defendeu hoje a necessidade urgente de rastrear a covid-19 em todos os lares do concelho e manifestou “total disponibilidade” do município para assumir os respetivos custos.

“O rastreio é absolutamente urgente porque nos lares o contágio tem um efeito brutal e dramático”, referiu.

Por isso, o município manifesta-se disponível para custear o rastreio e para dar todo o apoio logístico e operacional necessário.

Uma disponibilidade que Paulo Cunha diz ter sido hoje mesmo comunicada à delegada de saúde do concelho.

O concelho de Famalicão tem 21 lares, com um total de 700 utentes e 1.300 trabalhadores.

Hoje mesmo, Paulo Cunha revelou que o lar de Famalicão que no domingo foi evacuado devido à covid-19 conta com um total de 32 infetados, entre utentes e funcionários.

“O efeito de contágio nos lares é brutal e dramático. São ambientes fechados, de enorme proximidade, e, por isso, o rastreio é fundamental”, reiterou o autarca.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

Dos infetados, 191 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Populares