Seguir o O MINHO

Ave

Famalicão inaugura centro religioso que junta templo moderno e igreja românica

em

O Conselho Económico da Paróquia de São Tiago de Antas e a câmara de Famalicão informaram que o centro religioso que está a ser remodelado e junta um templo moderno e uma igreja românica vai ser inaugurado domingo.


Em causa está, descrevem estas entidades, “um monumento de grande valor patrimonial com cerca de oito séculos de história e uma nova Igreja com um projeto contemporâneo da autoria do arquiteto Hugo Correia”.

A ligação faz-se através de um espaço integrador, funcional e harmonioso, na vizinhança do Parque da Devesa, o ex-libris ambiental de Vila Nova de Famalicão“, acrescentam os convites para a cerimónia de inauguração da nova igreja de São Tiago de Antas que abre as portas à comunidade domingo, a partir das 15:00, com uma missa inaugural presidida pelo Arcebispo Primaz de Braga, Jorge Ortiga.

Recorde-se que durante as obras de requalificação urbanística da zona envolvente à igreja foram descobertos um conjunto de achados arqueológicos que trouxeram à luz do dia uma antiga necrópole que remonta ao século XII, uma descoberta feita por uma equipa de arqueólogos que, sob a orientação da Direção Regional de Cultura do Norte, acompanharam as obras junto à igreja românica. Ao todo, foram identificados e intervencionados 75 sepulturas.

 

logo Facebook Fique a par das Notícias de Famalicão. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Guimarães

Câmara de Guimarães aprovou orçamento de 115 milhões. Oposição votou contra

Política

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Guimarães aprovou hoje o Plano e Orçamento para 2021, no valor de 115,8 milhões de euros, mas a oposição votou contra, por considerar que se trata de “um documento de mera campanha eleitoral”.

Em comunicado, o presidente da Câmara, Domingos Bragança (PS), refere que a “prioridade absoluta” para 2021 é “atender às necessidades de prevenção e de proteção de toda a comunidade vimaranense em face da infeção da covid-19, bem como para o reforço dos apoios sociais a todos os que deles precisem”.

Para o autarca, as opções vertidas no Plano e Orçamento “refletem um mundo que hoje vive em pandemia, uma situação que trouxe incerteza às nossas vidas pessoais e coletivas”.

“Uma incerteza que também se coloca a este Plano e Orçamento quanto aos seus valores e às diversas dotações de receita e despesa”, sublinha.

Os vereadores da coligação Juntos por Guimarães, que engloba o PSD e o CDS, têm uma visão diametralmente diferente, considerando que o Plano e Orçamento “faz tábua rasa da preocupação central, que deveria ser a pandemia de covid-19”.

“A maioria diz que a pandemia é a prioridade absoluta, mas a verdade é que se olha para o Plano e não se vê uma única medida estruturante e diferenciadora”, disse o vereador social-democrata Bruno Fernandes.

Domingos Bragança contrapõe com o “reforço” das dotações orçamentais, para dar resposta às consequências socioeconómicas da covid-19.

“Não previmos nenhum aumento de taxas e licenças, nem de impostos municipais. Descemos a taxa do IMI de 0,35% para 0,33 %, um percentual próximo do limite mínimo deste imposto, atendendo à situação de dificuldade deste tempo de pandemia”, frisou.

O Plano e Orçamento para 2021 contempla ainda um conjunto de obras que beneficiam de apoio comunitário, na ordem dos 14 milhões de euros, como a reabilitação do Teatro Jordão e Garagem Avenida, das ruas D. João I e Caldeiroa e das escolas do concelho.

O município destaca também as obras de requalificação da rede viária do concelho, para as quais foi contraído um empréstimo bancário de 12 milhões de euros.

Para a oposição, o Plano e Orçamento mostra que a maioria socialista “só se preocupa com obras de mandato”, consubstanciando, assim, “uma mera agenda de campanha eleitoral”.

O caminho, disse Bruno Fernandes, deveria ser a redução de impostos, o apoio à restauração, o aumento das transferências para as juntas de freguesia e o apoio ao desporto.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães reforça apoio aos mais carenciados para comprar medicamentos

Saúde

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Câmara de Guimarães aprovou hoje, em reunião do executivo, o reforço de um protocolo com a Associação Dignitude, para permitir o acesso gratuito a medicamentos a mais munícipes carenciados.

O protocolo iniciou em 2018 e já abrangia cerca de 1.300 munícipes, sendo agora alargado a mais 200.

Cada contemplado é dotado de um cartão que lhe assegura o acesso livre, rápido e eficaz a medicamentos nas farmácias do concelho aderentes.

A Divisão de Ação Social do município identifica, referencia e atribui os cartões, que garantem aos munícipes beneficiários a cobertura total do valor não comparticipado pelo Serviço Nacional de Saúde na aquisição de medicamentos sujeitos a receita médica.

“Este processo afigura-se muito vantajoso para os beneficiários, pois, para além de não existir um plafond associado, depois de atribuído o respetivo cartão deste programa cada pessoa pode, autonomamente, escolher dirigir-se a uma das farmácias aderentes e adquirir a sua medicação, sem necessidade de apresentação de orçamentos, e sem tempo de espera”, lê-se na proposta hoje aprovada.

O município contribui com 100 euros anuais por beneficiário, competindo-lhe igualmente a referenciação dos beneficiários e a entrega dos cartões aos munícipes.

A responsabilidade da emissão dos cartões cabe à associação Dignitude, “o que permite garantir que este apoio é concedido a quem efetivamente necessita”.

Continuar a ler

Ave

Despiste provoca um ferido grave em Famalicão

Acidente

em

Foto: Bombeiros Famalicenses

Um despiste de um veículo ligeiro provocou um ferido grave, que teve de ser desencarcerado, ao final da tarde desta segunda-feira, em Vale S. Cosme, Famalicão.

A vítima, cuja idade não foi possível apurar, foi transportada para o Hospital de Famalicão.

Foto: Bombeiros Famalicenses

Os Bombeiros Famalicenses prestaram socorro e tiveram apoio da VMER de Famalicão.

No total foram mobilizadas 11 operacionais e quatro viaturas.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares