Seguir o O MINHO

Ave

Famalicão está a recrutar dez polícias municipais

Oportunidade

em

Foto: Divulgação / CM Famalicão

Em vez dos cinco inicialmente previstos, a Câmara de Famalicão está a recrutar dez novos polícias municipais, anunciou hoje a autarquia. A contratação visa “dar resposta às necessidades atuais do concelho” e a foi aprovada na reunião do executivo municipal da passada quinta-feira.


De acordo com a proposta apresentada, “a realidade veio demonstrar a necessidade de reforçar, de imediato, o número de agentes, atendendo à crescente assunção de responsabilidades da Polícia Municipal, em vários domínios, destacando-se desde logo, as novas competências assumidas na fiscalização das normas governamentais relativas à pandemia provocada pela covid 19, antes atribuídas apenas às forças de segurança”.

Em declarações aos jornalistas, o presidente da Câmara, Paulo Cunha, justificou a contratação dos efetivos com as novas competências assumidas, mas também com “o desinvestimento nacional na segurança pública”. “Esta é a resposta que a Câmara Municipal pode dar à notória e preocupante ausência de policiamento nas ruas de Famalicão”.

Lembrando uma reunião recente com o secretário de Estado da Administração Interna, Paulo Cunha afirmou ter ficado “muito preocupado por constatar que não está previsto, no prazo de pelo menos um ano, qualquer reforço dos efetivos da PSP e da GNR”.

“É claro que a Câmara Municipal não pode contratar efetivos para a GNR nem para a PSP mas ao contratar efetivos para a Policia Municipal está a criar condições para que do ponto de vista do que é competência do município, tudo seja feito para que a sensação de segurança efetiva possa acontecer”, salientou o autarca, citado em comunicado, acrescentando que “é óbvio que a Polícia Municipal não vai substituir os agentes da PSP e da GNR que estão em falta, eles são insubstituíveis, contudo é o que está ao nosso alcance”.

A Polícia Municipal de Famalicão iniciou funções em fevereiro de 2004. Atualmente conta com um comandante, 19 agentes, um funcionário administrativo e um técnico superior, encontrando-se em fase de recrutamento esta entrada dos dez novos agentes.

Anúncio

Ave

Estafetas da Câmara de Famalicão entregaram 600 refeições entre as 19:00 e as 22:00

Estado de emergência

em

Foto: Ilustrativa / DR

O serviço de estafetas gratuito da Câmara de Famalicão para entrega de jantares ao domicilio de restaurantes deste concelho, entregou 600 refeições entre as 19:00 e as 22:00 deste sábado, anunciou a autarquia.

Numa publicação nas redes sociais, a autarquia lista 47 restaurantes aderentes, 37 estafetas e todas as freguesias abrangidas pelo serviço gratuito (a refeição é paga).

Os consumidores puderam consultar os restaurantes aderentes através da página de Internet do município: www.famalicao.pt.

Esta medida do executivo municipal, liderado por Paulo Cunha, tem como objetivo contribuir para a mitigação dos efeitos económicos na restauração provocados pelas medidas impostas pelo Estado de Emergência, nomeadamente com o recolher obrigatório a partir das 13:00 aos fins de semana, sublinhou o município.

A autarquia explicou que o processo é simples, tendo o consumidor apenas de contactar o restaurante, encomendar a refeição e pagar por MB WAY ou transferência bancária, não sendo admitidos pagamentos diretamente ao estafeta.

“Esta medida materializa um apoio muito específico do município à restauração do concelho, que é claramente o setor mais castigado do novo estado de emergência”, considerou o presidente da câmar.

Acrescentando ainda que o município tem vindo a acompanhar com “muita preocupação” as dificuldades num dos setores mais afetados pelas medidas excecionais restritivas à circulação das pessoas, recentemente aprovadas pelo Governo.

Continuar a ler

Guimarães

Esplanadas ‘fantasma’ e pedras da calçada. Assim ficou Guimarães a um sábado à tarde

em

A população de Guimarães aderiu em massa ao horário de recolher obrigatório de fim de semana, confinando-se pouco depois do relógio marcar 13:00.

Durante a tarde, as ruas e as estradas assistiam à passagem de poucos, os que trabalhavam ou que se deslocavam para alguma urgência.

No centro histórico, só restaram as centenas de cadeiras e mesas de esplanada, vazias, à espera de dias melhores.

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Foto: Vítor Oliveira / Facebook

Na madrugada de 08 de novembro, o país ficou a saber pelo primeiro-ministro, António Costa, que a circulação ia ser limitada nos dois fins de semana seguintes, entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo e as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira, nos 121 concelhos de maior risco de contágio pelo novo coronavírus (vão aumentar para 191 a partir de segunda-feira).

No âmbito do estado de emergência decretado devido à pandemia de covid-19, o Governo decidiu também instaurar um recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana, entre 09 e 23 de novembro (enquanto vigora o estado de emergência, que tem uma validade de 15 dias, podendo ser renovado), nos concelhos mais afetados, com o comércio a encerrar até às 22:00 e os restaurantes até às 22:30.

Viana também ficou em casa em dia de recolher obrigatório

Seguiu-se uma semana de contestação e manifestação de dúvidas em relação às exceções da medida, por parte de várias associações comerciais que representam o comércio e a restauração.

Assim, na quinta-feira, o Governo decidiu ordenar o encerramento do comércio e restauração às 13:00, neste e no próximo fim de semana.

Ficou também definido que a abertura dos estabelecimentos só pode ocorrer a partir das 08:00.

Barcelos é ‘cidade fantasma’ no primeiro sábado com recolher obrigatório

“A regra é tudo fechado às 13:00”, disse o primeiro-ministro, António Costa, em conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, referindo-se aos concelhos com risco elevado de contágio de covid-19.

Os restaurantes só podem funcionar a partir das 13:00 para entrega ao domicílio, clarificou o primeiro-ministro, e não para ‘take away’, como esperavam os empresários do setor.

Ruas de Fafe vazias perante olhar atento da GNR

António Costa anunciou ainda que haverá um apoio de 20% da perda de receitas dos restaurantes nos dois fins de semana face à média dos 44 fins de semana anteriores (de janeiro a outubro 2020).

Ruas de Braga vazias num sábado à tarde. Só restam ‘Uber Eats’ e pombas

Fora da obrigatoriedade de fechar a partir das 13:00 e de abrir apenas a partir das 08:00 estão as farmácias, clínicas e consultórios, veterinários, estabelecimentos de venda de bens alimentares com porta para a rua até 200 metros quadrados, bombas de gasolina, padarias e funerárias.

Continuar a ler

Ave

Homem morto há vários dias dentro de casa em Famalicão

Óbito

em

Foto: DR

O corpo de um sexagenário foi encontrado em estado de decomposição ao início da tarde deste sábado dentro da sua habitação, em Famalicão, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

A vítima residia na Rua 13 de Maio, na freguesia de Antas, e já não era visto há cerca de uma semana, de acordo com relatos dos vizinhos.

Os vizinhos apontavam um “cheiro nauseabundo” vindo de casa do homem que, ao que tudo indica, vivia sozinho na habitação, e alertaram as autoridades.

Depois da presença de agentes da PSP e da equipa médica da VMER de Famalicão, foi solicitada a presença dos Bombeiros Famalicenses para remover o cadáver, uma vez que o óbito foi declarado no local.

De acordo com a mesma fonte, não há indícios de violência, pelo que se terá tratado de doença súbita.

Continuar a ler

Populares