Seguir o O MINHO

Futebol

Famalicão contrata extremo brasileiro ao Grêmio

Jhonata Robert

em

Foto: DR

O Famalicão, da I Liga portuguesa futebol, anunciou hoje a contratação do brasileiro Jhonata Robert para a temporada de 2020/2021.


O extremo brasileiro, de 20 anos, prepara-se para se estrear no futebol europeu, depois de se ter destacado no Grêmio.

Após ter iniciado o percurso futebolístico numa escolinha de futebol em Pernambuco e no Barra Futebol Clube, o jovem mudou-se para Porto Alegre, onde viria a ganhar notoriedade e a ter a oportunidade de jogar no Brasileirão com apenas 20 anos com a camisola do Grêmio.

Este ano, Jhonata Robert esteve cedido ao Cruzeiro.

“Ter a oportunidade de jogar na Europa era um desejo e poder fazê-lo no FC Famalicão é, claramente, uma escolha acertada. É um clube que permite aos jovens explanar as suas qualidades, pois adota um estilo de jogo bastante positivo”, referiu o reforço.

Anúncio

Futebol

Gil Vicente finta a covid e entra a ganhar na Liga

I Liga

em

Foto: DR

Um golo de Samuel Lino permitiu hoje ao Gil Vicente estrear-se na I Liga portuguesa de futebol com um triunfo por 1-0 sobre o Portimonense, num encontro da segunda jornada em que foi melhor equipa até aos 75 minutos.

O remate certeiro do extremo brasileiro, aos 50 minutos, materializou o domínio de uma equipa que regressou hoje à competição, após o duelo da primeira ronda, com o Sporting, ter sido adiado para a semana de 12 a 16 de outubro, face aos casos de covid-19 detetados nos dois clubes.

Com os três pontos somados, a formação gilista ascendeu provisoriamente ao grupo dos quintos classificados, tendo ultrapassado o conjunto algarvio, com apenas um ponto, que foi quase sempre inoperante na tarde de hoje, à exceção de um penálti falhado na primeira parte e de algumas ocasiões desperdiçadas nos últimos 15 minutos.

Após duas semanas com os jogadores a treinarem em casa, face à quarentena decretada pelas autoridades de saúde, o Gil Vicente iniciou oficialmente na época 2020/21 com cinco reforços no ‘onze’: os laterais Joel Pereira e Talocha, o médio Lucas Mineiro e os avançados Miullen e Antoine Léautey, que dispôs da primeira ocasião de golo.

Após trabalho de Samuel Lino na faixa direita, o extremo francês, de 24 anos, rematou de primeira, mas o guardião algarvio, Samuel, defendeu a dois tempos e afastou a bola pela linha final, aos nove minutos.

A formação trajada de negro, em memória de Dito, antigo jogador internacional português e treinador, que exercia o cargo de diretor-geral do Gil Vicente e morreu em 03 de setembro, superiorizou-se ao adversário na primeira parte e voltou a ameaçar o golo ao minuto 11, num disparo rasteiro de Samuel Lino, ainda de fora da área, ao lado.

Na estreia como treinador principal na I Liga, Rui Almeida apresentou uma equipa capaz de ganhar a maioria dos duelos no meio-campo e de criar espaço com triangulações nas alas, mas à qual faltou mais gente na área para criar ocasiões de golo.

O Portimonense, que apareceu no Minho com Júlio César como novidade na ala esquerda do ataque, raramente se aproximou da área gilista até ao intervalo, acusando falta de ligação entre setores, mas beneficiou de um penálti, quando Fabrício aproveitou perda de bola de Ygor Nogueira, entrou na área e foi derrubado por Claude Gonçalves, aos 33 minutos.

Na conversão, o defesa Lucas Possignolo atirou para o lado direito de Denis, mas o guardião brasileiro adivinhou a trajetória e impediu o golo inaugural da partida, aos 36 minutos.

A equipa de Portimão regressou para a segunda parte com três novidades – o treinador Paulo Sérgio fez entrar o lateral Koki Anzai e os extremos Aylton Boa Morte e Anderson Oliveira -, mas os anfitriões continuaram ‘esclarecidos’ após o reatamento e chegaram mesmo ao golo: isolado por Antoine Léautey, Samuel Lino atirou rasteiro e cruzado para o fundo da baliza.

Em vantagem, os ‘galos’ recuaram no terreno e deram espaço ao Portimonense para ter mais iniciativa atacante, mas os algarvios limitaram-se quase sempre a circular a bola em redor da área contrária, à exceção das tentativas de Aylton Boa Morte, ao lado e por cima, aos 75 e 82 minutos, e do remate de Fabrício a rasar o poste, nos últimos segundos.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Cidade de Barcelos.

Gil Vicente – Portimonense, 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

1-0, Samuel Lino, 50 minutos.

Equipas:

– Gil Vicente: Denis, Joel Pereira, Ygor Nogueira, Rúben Fernandes, Talocha, Lucas Mineiro (Rodrigão, 78), João Afonso, Claude Gonçalves, Samuel Lino (Lourency, 78), Antoine Léautey (Boubacar Hanne, 75) e Miullen (Leandrinho, 62).

(Suplentes: Daniel Fuzato, Rodrigão, Tim Hall, Souleymane, Vítor Carvalho, Leandrinho, Ahmed Isaiah, Boubacar Hanne e Lourency).

Treinador: Rui Almeida.

– Portimonense: Samuel, Lucas Possignolo (Koki Anzai, 46), Willyan, Maurício, Fali Candé (Henrique, 65), Pedro Sá (Beto, 59), Dener, Lucas Fernandes, Welinton Júnior (Aylton Boa Morte, 46), Júlio César (Anderson Oliveira, 46) e Fabrício.

(Suplentes: Ricardo Ferreira, Koki Anzai, Lucas Tagliapietra, Henrique, Fernando, Luquinhas, Aylton Boa Morte, Anderson Oliveira e Beto).

Treinador: Paulo Sérgio.

Árbitro: António Nobre (Associação de Futebol de Leiria).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Koki Anzai (52), Ygor Nogueira (59), Fali Candé (64), Anderson Oliveira (74) e Lourency (90+4).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Futebol

Petit afirma que Famalicão “vale muito mais” do que mostrou com o Benfica

I Liga

em

Foto: DR

O treinador do Belenenses SAD afirmou hoje que o Famalicão, adversário na segunda jornada da I Liga portuguesa de futebol, “vale muito mais do que o resultado que teve na semana passada”, quando perdeu 5-1 com o Benfica.

“O Famalicão vale muito mais do que o resultado que teve na semana passada. Não é fácil avaliar, porque só tiveram um jogo contra o Benfica. Penso que poderá haver algumas mudanças, também têm chegado jogadores”, analisou Petit, na conferência de imprensa de antevisão ao encontro.

O Belenenses SAD regressa ao Estádio Nacional, em Oeiras, depois de concluir o campeonato anterior como visitado na Cidade do Futebol, devido à pandemia de covid-19, que afastou o público dos recintos desportivos.

“É sempre bom regressar a nossa casa e jogar no nosso ‘habitat’, que é o Jamor”, afirmou, acrescentando: “Todos os ingredientes fazem parte do espetáculo. Queremos que os adeptos voltem em segurança o mais rápido possível. O futebol sem adeptos parece que é um treino”, lamentou.

Petit apontou o foco para o que o Belenenses SAD poderá fazer no encontro, com o objetivo de “dar continuidade” à vitória por 1-0 obtida na primeira ronda, no reduto do Vitória de Guimarães, perante um adversário que efetuou muitas mudanças durante a pré-época.

“Trabalhamos dia a dia para melhorar todos os aspetos técnicos e individuais. É dar continuidade ao bom resultado contra o Vitória de Guimarães, sabendo que este é um adversário completamente diferente. Todos os jogos são difíceis e esperamos um adversário difícil. Estamos motivados, sem olhar para o que fizemos na semana passada, mas para o que podemos fazer amanhã [segunda-feira]”, realçou.

A pouco mais de uma semana para o encerramento do mercado de transferências, Petit ainda espera “dois ou três jogadores”, que estão identificados, para construir “um núcleo de 15 a 17 jogadores” que trabalhem diariamente com a equipa principal, nos quais se acrescentam alguns atletas das equipas B e sub-23.

“O mais importante é ter um plantel equilibrado em todas as posições, que haja uma disputa saudável. Queremos uma equipa a jogar com alegria e intensidade no jogo, à minha imagem”, expressou, voltando a reforçar a importância do “misto de alguma experiência com juventude”.

Os defesas Gonçalo Silva, Eduardo Kau, Chima Akas e Nilton Varela compõem o boletim clínico dos ‘azuis’ e são ‘baixas’ confirmadas para o desafio.

Belenenses SAD, quarto classificado, com três pontos, e Famalicão, na 18.ª e última posição, sem pontos conquistados, defrontam-se na segunda-feira, às 19:45, no Estádio Nacional, em Oeiras, com arbitragem de Hélder Malheiro, da AF Lisboa.

Continuar a ler

Futebol

“O espaço que o Benfica teve foi concedido por nós”

Ricardo Soares

em

Foto: Twitter

Declarações após o jogo Benfica-Moreirense (2-0), da segunda jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado hoje no Estádio da Luz, em Lisboa:

Ricardo Soares (treinador do Moreirense): “Sabemos que o Benfica este ano é uma equipa extremamente forte, sobretudo no ataque, com jogadores talentosos e rápidos, que provocam grandes desequilíbrios.

O Benfica entrou muito forte, mas estivemos bem defensivamente e o espaço que o Benfica teve foi concedido por nós. Depois, sofremos um golo de bola parada, numa situação que conhecíamos, mas ainda assim tivemos duas situações de golo. Foi manifestamente pouco para o que queríamos, mas houve muito mérito do Benfica, que ganhou com justiça e tivemos a humildade de perceber que era um jogo muito difícil para nós.

Realisticamente, sabemos que o Benfica é muito superior ao Moreirense. Se caíssemos na tentação de subir alguns metros, certamente o resultado seria outro.

Estou à espera de jogadores, pois inclusive não tínhamos os 20 necessários para hoje. A direção está a fazer o seu trabalho e sabe das nossas necessidades. Somos pacientes, mas sabemos que o futebol é feito de resultados. Estamos cá para trabalhar e atingir o objetivo final, que é a manutenção”.

Jorge Jesus (treinador do Benfica): “Esta exibição merecia que aqui estivessem 50 mil pessoas para presenciar esta qualidade de jogo, apesar de não ter sido traduzida em golos.

Acreditava que estaríamos melhor do que em Famalicão e estivemos, menos na concretização. Não demos chances ao Moreirense, que esteve bem organizado, fez o que pôde, mas apanhou um Benfica com uma grande intensidade e que já é muito difícil de parar.

Tenho quase a certeza que foi o último jogo que ele [Rúben Dias] fez. No futebol tudo muda no último segundo, mas aqui acho que não. Temos pena de o ver partir, um jogador formado no Seixal, mas também tenho culpa de ele sair, devido à eliminação da ‘Champions’. Há coisas que têm de se equilibrar e a direção entendeu, e bem, que isso tem de ser feito. Ele tem um grande valor de mercado, pois é um grande jogador.

Queríamos um central antes da saída do Rúben. Com a saída do Rúben temos de contratar dois centrais. No negócio do Ruben há o nome de outro central e a partir de hoje vou procurar saber mais pormenores.

Otamendi é um dos centrais que faz parte dos quadros do Manchester City, que já mostrou valor no FC Porto, é um jogador de seleção, que foi titular do Manchester City, e é claro que nos agrada. O jogador que chegar não será um jovem, terá de ser um jogador experiente, como o Otamendi ou o Ruben Semedo, que já trabalhou um ano comigo e sabe bem o que quero”.

Continuar a ler

Populares