Seguir o O MINHO

Futebol

“Faltou-nos ser mais pressionantes na zona central.”

João Henriques

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO. (Arquivo)

Declarações após o jogo Sporting-Vitória SC (1-0), da 24.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, realizado hoje no Estádio José Alvalade, em Lisboa:

João Henriques (treinador do Vitória SC): “A estratégia resultou porque as oportunidades equivaleram-se. Tínhamos duas estratégias para o jogo: impedir que o Sporting chegasse às zonas de finalização, retirar-lhes profundidade, e a outra era a largura. Faltou-nos ser mais pressionantes na zona central. Os jogadores, por dentro, estavam a criar alguns desequilíbrios.

Na segunda parte, não há praticamente situações. Soube a pouco este resultado porque, no número de situações, sentimos que foi uma questão de eficácia. Se tivéssemos tido a eficácia do Sporting, o resultado seria outro. O Sporting teve mais bola, mas nos queríamos explorar as costas da linha defensiva contrária, era por aí que queríamos fazer mais mossa no Sporting.

Não conseguimos fazer golo, que era o que queríamos. Fomos arriscando, tentámos, mas o Sporting foi mais competente do que nós nesse processo defensivo. Fizemos um jogo mais competente, não foi bonito, foi mais nos duelos e nas disputas, mais apertado, mas o resultado final não nos agrada. Vínhamos aqui para ganhar, com uma estratégia montada, mas, infelizmente, sofremos um golo e não marcámos.

Hoje, mais uma vez, tivemos manifesta falta da ‘estrelinha’ que tivemos noutras alturas. Naturalmente que os adeptos estão insatisfeitos porque não ganhamos. Essas manifestações são boas porque sabemos que estamos num clube grande. Estamos comprometidos, responsabilizados e muito confiantes que vamos voltar a fazer bem o que fizemos para trás e conquistar o que queremos no final da época. Estamos muito convictos de que vai acontecer. Todos juntos vamos conseguir somar os pontos necessários para, no dia 19 de maio, estarmos onde queremos”.

Rúben Amorim (treinador do Sporting): “Fomos muito competentes em todos os momentos do jogo. Tirámos algumas referências do Vitória de Guimarães, baixámos um jogador como o Daniel Bragança com outras características. Defendemos como habitualmente, muito unidos, pressionámos muito o jogo do Vitória de Guimarães, que viveu muito de rasgos dos jogadores da frente. Fomos superiores e a vitória é claramente justa.

O Dário [Essugo] é um miúdo com muito talento e humildade. Trabalhou bem e faz parte do nosso projeto. É mérito do Dário e é uma mensagem para os jovens jogadores. Não interessa a idade, o Sporting está nesse caminho e tem a porta aberta. Há coisas na equipa principal que são os valores, eles vão crescendo e ter a sua oportunidade. Foi chamado a um treino, cumpriu, mostrou qualidade, precisávamos de um médio e é uma mensagem para os jovens jogadores que estão entre clubes, que no Sporting têm a porta aberta.

O projeto é do presidente, do Hugo Viana e de todos os que estavam cá. Não começou agora. Passa muito por aqui, temos de ir pela formação. Vamos sofrer muito ainda e vai ser com estes jogadores. Este é o caminho. Há dias bons, hoje é um dia bom, mas haverá dias em que vai faltar experiência. Estamos preparados para os bons e maus momentos.

[Antes de entrar] Disse-lhe [ao Dário Essugo] que vai sair o João Mário, que já tem amarelo, preciso de alguém que ajude o Palhinha, quando tiveres a bola vais ter mais liberdade que o Palhinha. Basicamente foi o que digo aos outros jogadores.

São muito solidários. É a grande força do Sporting. A forma como eles jogam, a alegria que têm e como se compensam uns aos outros é o segredo para não sofrermos golos.

[Sobre Paulinho] Um avançado vive de golos. Depois do momento que viveu e da ansiedade que trouxe em jogar revela muito a vontade do jogador. Fez o seu trabalho e os golos vão aparecer naturalmente.

O Daniel Bragança é muito inteligente e tem uma grande capacidade de ter a bola. Não esperava um jogo diferente dele, que tem respondido bem. O treino, o jogo, entrar a 10, 15 ou 30 minutos do fim pode dar-lhes o direito de jogar o próximo jogo a titular.”

Populares