Seguir o O MINHO

Futebol

Falta de unanimidade impede cinco substituições na próxima jornada da I Liga

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

A falta de unanimidade das SAD dos clubes da I Liga portuguesa de futebol impede a entrada em vigor das cinco substituições já na 25.ª jornada, que começa na quarta-feira, anunciou hoje a Liga de clubes.


Em comunicado, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional refere que “a infeliz oposição de uma sociedade desportiva, no decurso das reuniões de hoje”, impede que “esta medida entrasse em vigor já na primeira jornada da retoma”, após a paragem motivada pela covid-19.

Para a LPFP, a posição do Marítimo, “além de desautorizar os departamentos de futebol, abria a porta a impugnações e procedimentos disciplinares que, a todo o custo, o futebol profissional deve evitar”.

O organismo que tutela o futebol profissional recordou que o plano de retoma decorreu “num clima de cooperação construtiva, com os contributos dos consultores de saúde pública da Liga Portugal e em articulação com o Grupo de Trabalho da USP [Unidade de Saúde e Performance] da FPF [Federação Portuguesa de Futebol] e com a DGS [Direção-Geral da Saúde]”, e foi feito “na exclusiva defesa dos interesses das sociedades desportivas”.

“A decisão, do regresso da Liga NOS, foi tomada em benefício dos clubes e dos seus compromissos, mas não pode, em circunstância alguma, comprometer as atuais condições de segurança e saúde ou as determinações do executivo governamental e da Direção-Geral de Saúde dirigidas ao futebol”, lê-se.

Neste processo, ficou “pelo caminho”, segundo a LPFP, “a transposição para os regulamentos internos da deliberação do International Football Association Board (IFAB), hoje divulgada oficialmente pela Federação Portuguesa de Futebol e já adotada para a Taça de Portugal, que, com vantagem, permitiria a utilização de cinco substituições e nove suplentes na Liga NOS”.

“É um claro revés para os interesses dos clubes e – ainda mais importante – para a preservação da condição física dos atletas, que foi bloqueada por uma interpretação excessivamente restritiva dos estatutos e que foi tão mais surpreendente quanto veio ao arrepio da posição unânime dos clubes, consultados os seus departamentos de futebol”, refere.

A LPFP relembra ainda que esta “foi uma proposta que, desde a primeira hora, se anunciou que seria submetida à ratificação da Assembleia Geral da Liga Portugal”.

“Com efeito, na falta da unanimidade dos participantes na competição, poder-se-ia suscitar a questão da utilização irregular de jogadores, que é sancionado com a pena de derrota, subtração de pontos e multa”, assume a LPFP.

O organismo adia, assim, a entrada em vigor desta medida até à Assembleia Geral, marcada para 09 de junho, dia em que começa a 26.ª jornada.

“Como forma de proteger a competição e as sociedades desportivas, de boa-fé, com ética, lealdade e transparência entendeu a Liga Portugal que a prudência impunha que a decisão não produzisse efeitos até que fosse aprovada pelo órgão (em condições normais) competente para o efeito”, lê-se.

O Marítimo tinha informado na sexta-feira que “renuncia” à possibilidade de impugnar a I Liga portuguesa de futebol, com regressa em 03 de junho, mas que rejeita ser “coagido” a assinar uma declaração “ilegal” no plano de retoma.

A I Liga vai ser reatada sob fortes restrições e sem público nos estádios em 03 de junho, com o encontro entre Portimonense e Gil Vicente, naquele que vai ser o primeiro dos 90 jogos das últimas 10 jornadas, até 26 de julho.

Após 24 jornadas, o FC Porto lidera a competição, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica.

Além do principal escalão, também a final da Taça de Portugal, entre Benfica e FC Porto, integra o plano de desconfinamento face à pandemia de covid-19, ainda em data e local a designar.

Anúncio

Futebol

Benfica vence Boavista no primeiro jogo pós Bruno Lage

30.ª jornada

em

Foto: DR / Arquivo

O Benfica venceu no sábado na Luz o Boavista por 3-1, num encontro da 30.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol em que foi comandado pela primeira vez por Nélson Veríssimo, sucessor provisório de Bruno Lage.

André Almeida, aos 13 minutos, Pizzi, aos 31, e Gabriel, aos 42, apontaram os tentos dos campeões nacionais, que somavam cinco jogos sem vencer em casa em todas as competições, enquanto Dulanto faturou para os ‘axadrezados’, aos 64.

A formação ‘encarnada’, segunda colocada, passou a contar 67 pontos, provisoriamente menos três do que o líder FC Porto e mais 12 em relação ao Sporting, terceiro, enquanto o Boavista manteve-se com 38, no nono posto.

Continuar a ler

Futebol

“Temos plantel para jogar em qualquer sistema”

Artur Jorge

em

Foto: SC Braga

Declarações após o jogo SC Braga-Desportivo das Aves (4-0), da 30.ª jornada da I Liga de futebol, disputado no sábado, em Braga.

Artur Jorge (treinador do SC Braga): “Era importante ganhar este jogo, fomos competentes e demos uma grande demonstração de respeito por nós próprios e pelo adversário, pela forma séria com que encarámos o jogo. Vitória bem conseguida, que mostra o valor que esta equipa tem. Quero valorizar a conquista destes três pontos, esse era o foco mais importante hoje [sábado].

Quero realçar a estreia de dois jovens atletas da formação [Fabiano e Sanca], utilizámos cinco atletas formados no Braga, sendo que tínhamos oito na lista de 20. É o momento, proporcionou-se, as oportunidades surgem para quem as merecer e aproveitar. É um processo de continuidade. São dois jogadores em quem acreditamos, o Fabiano teve uma prestação muito boa, o Sanca também tem potencial, são elementos a ter em conta no plantel.

A segunda parte foi melhor, na primeira parte sentimos alguma ansiedade, nos primeiros 15/20 minutos a equipa não se conseguiu ligar na sua plenitude. Ao intervalo, tentei passar mensagem de serenidade e calma, sabíamos que o golo podia aparecer a qualquer momento, importava ter serenidade na tomada de decisão e manter a mesma dinâmica. Com o primeiro golo, as coisas tornaram-se mais simples, era importante não lidar com o lado emocional dos jogadores na adversidade e para isso foi importante não sofrer golos, esse também era um objetivo para hoje [sábado].

É um momento diferente, foi a concretização do trabalho, estou muito satisfeito, sei que temos adeptos que vivem muito o clube e que também estão muito satisfeitos.

Gostei de todos os atletas e da sua participação no jogo. Todos têm um papel importante, ser protagonista depende sempre deles. Temos plantel para jogar em qualquer sistema e hoje [sábado] tivemos uma resposta muito positiva [no formato 4x4x2], que abre boas perspetivas para o que resta da época”.

Nuno Manta Santos (treinador do Desportivo das Aves): “Houve duas partes distintas, na primeira o Aves equilibrou o jogo, embora com maior ascendente do Braga, fomos saindo em transições, que podíamos ter definido melhor, mas a pressão e a ansiedade tiram capacidade nesses momentos.

A segunda parte resume-se logo no primeiro minuto, num lance de bola parada sofremos um golo e depois torna-se muito complicado reagir. Em 10 minutos, estávamos a perder por 2-0 e esta equipa, quando sofre um golo, sente muito, parece que perde energia, os jogadores começam a olhar mais para o relvado do que para o jogo. Por mais que eu motive, tem que haver automotivação. Até ao fim da época quero compromisso, caráter e respeito.

Há muito mais pressão agora do meu ponto de vista para o Aves, porque os jogadores querem mostrar-se, os meios de comunicação social querem ver a reação do Aves, se já atirou a toalha ao chão, se continua a disputar os jogos, há a pressão perante a estrutura. Eu motivo os jogadores com discursos ou frases, mas mais do que isso tem que vir de dentro a motivação”.

Continuar a ler

Futebol

“É bom regressar com os três pontos”

Ivo Vieira

em

Foto: DR

Declarações dos treinadores após o jogo Portimonense-Vitória SC (0-1), da 30.ª jornada da I Liga de futebol, disputado hoje no Estádio Municipal de Portimão:

Ivo Vieira (treinador Vitória SC: “Estivemos mais organizados do ponto defensivo e o Portimonense com mais posse de bola na primeira parte. Corrigimos na segunda e mudámos o jogo numa estratégia que surtiu efeito.

Fizemos um jogo competente, contra uma equipa que vale muito, quer pela forma como é orientada, quer pela forma como joga e está organizada.

Foi um jogo equilibrado, com o Portimonense melhor na primeira parte e o Vitória na segunda. É merecido [o resultado], com um belo golo e após uma viagem tão longa é bom regressar com os três pontos.”

Paulo Sérgio (treinador do Portimonense): “Nunca esperamos perder, trabalhamos sempre para ganhar. É um corte num ciclo muito bom, mas vamos iniciar outro já a seguir. A prestação dos jogadores dá-nos confiança para o que estamos a fazer e vamos continuar a tentar.

Foi um jogo contra uma boa equipa, decidido nos detalhes e foi isso que aconteceu. É um resultado injusto, porque fomos mais fortes na primeira parta e um jogo equilibrado na segunda, mas faltou-nos alguma frescura mental para decidir no último passe e acabámos por dar mais bolas ao Vitória.

Podíamos ter decidido o jogo na primeira parte, não tivemos essa oportunidade, foram eles que fizerem um golo esquisito de fora da área. O Vitória corrigiu a estratégia de jogo e não permitiu as deslocações do Lucas Fernandes e nós não encontrámos um acerto para o fazer.

Não faço contas, porque há um mês colocavam-nos na luta pela manutenção com uma equipa, cujo nome foi mudando ao longo do tempo. As únicas contas que faço é somarmos o máximo número possível de pontos, fazemos a nossa parte, para sairmos desta situação e tenho convicção que vamos conseguir.”

Continuar a ler

Populares