Seguir o O MINHO

Região

Fafe, Póvoa de Lanhoso e Vila Verde entre os concelhos com “risco muito elevado” de contágio

Covid-19

em

Foto: DR

Oito concelhos do Minho estão assinalados como sendo de “risco muito elevado” de contágio por covid-19, de acordo com um mapa publicado este sábado pelo semanário Expresso.


Fafe, Póvoa de Lanhoso, Valença, Esposende, Vila Verde, Famalicão, Vizela e Guimarães são os concelhos que registam mais de 120 contágios por cada 100 mil habitantes (ou a sua proporção nos concelhos com menos habitantes).

Ao todo, refere a publicação, existem 72 concelhos em todo o país nestas circunstâncias.

Apesar desta classificação, a União Europeia adotou a medida de 150 contágios por cada 100 mil habitantes para determinar as regiões europeias de alto risco, na qual o Minho está inserido, conforme o mapa publicado hoje por O MINHO.

Anúncio

Braga

“Um diamante”. Tiago Barbosa, da Póvoa de Lanhoso, está nas finais do The Voice

O cantor Tiago Barbosa, da Póvoa de Lanhoso, apurou-se este domingo para as galas do concurso televisivo The Voice, transmitido na estação televisiva RTP, com a música de Marvin Gaye, Let’s Get It On. Depois de passar três fases – “Prova às cegas”, “Batalhas” e “Tira-teimas” -, o melódico intérprete minhoto foi escolhido por Áurea – que o apelidou de ‘diamante’ -, para integrar a sua equipa nas grandes galas finais do concurso.

em

O cantor Tiago Barbosa, da Póvoa de Lanhoso, apurou-se este domingo para as galas do concurso televisivo The Voice, transmitido na estação televisiva RTP, com a música de Marvin Gaye, Let’s Get It On. Depois de passar três fases – “Prova às cegas”, “Batalhas” e “Tira-teimas” -, o melódico intérprete minhoto foi escolhido por Áurea – que o apelidou de ‘diamante’ -, para integrar a sua equipa nas grandes galas finais do concurso.

Continuar a ler

Guimarães

Centenas de bombos ecoaram a partir das varandas de Guimarães

Centenas de pessoas aderiram à iniciativa do Dia do Pinheiro, versão 2020, que consistiu no tradicional toque do bombo, mas desta vez à varanda, face às limitações provocadas pela pandemia de covid-19. Depois de uma manhã ‘atribulada’, onde a cidade ganhou protagonismo a nível nacional, face a aglomerados no centro histórico, desta vez foi diferente, e os Nicolinos rufaram os tambores a partir de casa. Vídeo: Ricardo Coelho Lima

em

Foto: DR / Arquivo

Centenas de pessoas aderiram à iniciativa do Dia do Pinheiro, versão 2020, que consistiu no tradicional toque do bombo, mas desta vez à varanda, face às limitações provocadas pela pandemia de covid-19. Depois de uma manhã ‘atribulada’, onde a cidade ganhou protagonismo a nível nacional, face a aglomerados no centro histórico, desta vez foi diferente, e os Nicolinos rufaram os tambores a partir de casa. Vídeo: Ricardo Coelho Lima

Continuar a ler

Alto Minho

Via da Geira em destaque na National Geographic pela lente de Carlos Pontes

Fotógrafo e videógrafo natural de Ponte da Barca

em

Imagem: Cortesia National Geographic

A edição especial de dezembro da edição portuguesa da National Geographic, “Jóias do Passado em Portugal”, traz em destaque dois trabalhos do fotógrafo e videógrafo de natureza Carlos Pontes, natural de Ponte da Barca, sobre dois “monumentos muito importantes da romanização em território português”.

Um dos trabalhos mostra a Via da Geira, antiga estrada romana que liga(va) Braga à Galiza, enquanto o outro capta o ainda pouco explorado pelos fotógrafos Santuário de Panóias, em Vila Real.

Em declarações a O MINHO, o diretor da revista, Gonçalo Pereira Rosa, destaca o trabalho realizado na via romana, que “emerge em alguns pontos do Parque Nacional da Peneda-Gerês”.

“Conhecendo aquele território como poucos, o Carlos captou a essência daquela velha estrada romana, onde ainda despontam marcos miliários e que de alguma forma ajudava a penetrar no interior da serra, ligando as importantes cidades do Minho e da Galiza”, sublinha Gonçalo Pereira Rosa.

Cortesia National Geographic

O outro local fotografado pelo barquense, nos arredores de Vila Real, é o Santuário de Panóias, “conhecido desde o século XVI” mas que ainda “intriga os especialistas”.

“Sabe-se hoje que terá sido mandado construir por um cidadão romano que vinha do oriente e que trouxe de lá os cultos religiosos mais exóticos. O Carlos explorou o local e encontrou a melhor maneira de representá-lo fotograficamente. Do ar. Com um drone, captou a extraordinária força daquele espaço mágico que ainda dará muito que falar”, explica o diretor.

Cortesia National Geographic

Gonçalo Pereira Rosa esclarece que esta edição especial selecionou cerca de “50 locais correspondentes a uma vivência anterior à da fundação nacional”.

“Quer isso dizer que seleccionámos monumentos correspondentes a ocupações a pré-históricas, calcolíticas, romanas, pós-romanas, paleocristãs e islâmicas”, contextualiza o responsável editorial.

Outro dos destaques nesta edição especial vai para Guimarães. Através da lente do fotógrafo alentejano José Barros, é mostrada uma perspetiva, já com alguns anos, do sítio arqueológico da Citânia de Briteiros.

Imagem: Facebook de José Barros

Quem é Carlos Pontes?

Um apaixonado pela fotografia de fauna selvagem. Natural de Ponte da Barca, desde criança que tem contacto com o Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG), não só com a área inserida em Ponte da Barca mas também em Arcos de Valdevez e Melgaço, zonas com as quais mais se identifica.

Aos 35 anos, é hoje considerado um autor diferenciador dos animais e paisagens do PNPG. Esteve sempre em contacto com serras e animais, enquanto se formou em design e buscou conhecimentos em biologia. Com grande habilidade técnica no mundo da natureza e fotografia, estuda teoria e prática sobre as áreas e espécies que fotografa.

Carlos Pontes em trabalhos junto ao rio Vez. Foto: Luís Fernandes

Venceu alguns prémios em concursos nacionais de fotografia, colaborou com documentários de vida selvagem transmitidos pela televisão portuguesa e colabora em publicações da National Geographic

Mais recentemente, colaborou como câmara no novo projeto “DEHESA – el bosque del lince” do aclamado produtor e realizador de filmes de natureza, Joaquin Gutierrez Acha.

Esta produção, sobre sobre Portugal e Espanha é da autoria de um dos melhores realizadores da Europa onde só entram dois portugueses: Carlos Pontes e João Cosme.

“Momento raro”. Cria de lobo-ibérico fotografada no Gerês

“Conhecer Carlos Pontes é perceber que o seu ADN é marcado pelas serras e os animais, particularmente o lobo-ibérico (canis lupus signatus)”, diz a biografia que o autor partilhou com O MINHO.

Desde os nove anos que vê lobos em estado selvagem, mas desde os vinte anos que começou a mostrar mais interesse. Os lobos são, hoje, a sua “principal fonte de inspiração”.

‘Set’ improvisado no monte por Carlos Pontes. Foto: Facebook de Carlos Pontes

Através de exposições, Carlos Pontes quer ajudar a valorizar o lobo como “um elemento crucial não só da biodiversidade regional, mas também da identidade cultural e tradição populares”.

“Desmistificar a falsa ideia do lobo mau pode permitir que as entidades governativas da região vejam na sua imagem e no rico património cultural a ele associado no contexto ibérico uma mais valia para o desenvolvimento económico e turístico”, refere o autor.

Pode consultar o trabalho do autor nas redes sociais Instagram e no Facebook.

Continuar a ler

Populares