Seguir o O MINHO

Cávado

Face ao agravamento da pandemia, Esposende reforça sensibilização

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Comissão Municipal de Proteção Civil de Esposende refere ser necessário reforçar a sensibilização, considerando que a situação de pandemia no concelho “tem sido agravada” pelas cadeias de transmissão interpessoais, e apontou “falhas no isolamento das pessoas”.


Em comunicado, a autarquia deu hoje conta que aquela comissão reuniu na quinta-feira e que da reunião “resultou a necessidade de reforço da ação de sensibilização de toda a comunidade, através de estratégias de comunicação dirigidas às várias faixas etárias, assim como o reforço da monitorização e acompanhamento da evolução da pandemia”.

Esposende tem mais de 160 casos ativos e a autarquia “reitera o apelo à responsabilidade de todos e de cada um na adoção de cuidados de proteção, e ao cumprimento das regras vigentes no combate à pandemia” causada pelo novo coronavírus.

A Comissão Municipal de Proteção Civil tem por objetivo assegurar a articulação entre todas as entidades e instituições de âmbito municipal imprescindíveis às operações de proteção e socorro, emergência e assistência decorrentes de acidente grave ou catástrofe.

Anúncio

Cávado

Esposende investe 442 mil euros em obras de saneamento em Marinhas

Obras públicas

em

Foto: CM Esposende

A Câmara de Esposende vai investir 442 mil euros em obras de execução de saneamento básico no lugar de Outeiro, em Marinhas, e na requalificação urbana da área intervencionada, empreitadas que “já arrancaram”, anunciou hoje a autarquia.

Em informação divulgada por aquela autarquia do distrito de Braga explica-se que a intervenção pretende dotar a área de “infraestruturas necessárias à melhoria das condições de vida da população”, nomeadamente de abastecimento de água e de redes de drenagem de águas residuais domésticas e pluviais, alargar artérias, arranjar passeios e criação de lugares de estacionamento.

O prazo de execução da obra é de 172 dias.

A intervenção pretende dotar a área de “infraestruturas necessárias à melhoria das condições de vida da população”, nomeadamente de abastecimento de água e de redes de drenagem de águas residuais domésticas e pluviais, alargar artérias, arranjar passeios e criação de lugares de estacionamento.

“A instalação do saneamento básico neste lugar de Marinhas é um investimento há muito reclamado pela população. Os contratempos que o processo conheceu, aos quais o município é alheio, causaram transtornos à população, mas agora estamos confiantes na conclusão desta obra tão importante”, destaca o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

Segundo a autarquia, a primeira fase desta obra foi objeto de rescisão de contrato e o município de Esposende “avançou com o projeto para a conclusão dos trabalhos de reparação das redes de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais”.

Àquela intervenção “associou a requalificação urbana, atendendo às condições dos arruamentos e ao intenso tráfego que ali se regista”.

A autarquia refere ainda que a “rede de drenagem de águas residuais domésticas executada na empreitada anterior não se encontra em serviço, revelando diversas anomalias que implicam o levantamento e instalação de tubagem cumprindo a inclinação do perfil para reparação da rede, instalação à cota definitiva de tampas de caixas de visita, reparações pontuais de infiltrações em caixas de visita”.

Continuar a ler

Barcelos

Incêndio em fábrica de Barcelos não foi motivado por ação criminosa

Incêndio

em

Foto cedida a O MINHO por Paulo Pereira

O incêndio industrial que destruiu na terça-feira por completo um pavilhão situado em Balugães, no concelho de Barcelos, não teve origem em mão humana, tratando-se, ao que tudo indica, de um acidente.

Essa foi a conclusão inicial da investigação da Polícia Judiciária e de peritos das seguradoras que estiveram durante esta manhã de quarta-feira nas instalações da Nevacril, empresa que começou a arder cerca das 18:30 de ontem.

Fonte de O MINHO revelou que o interior da empresa ficou todo destruído, “não sobrando nem sequer uma máquina”, impossibilitando o regresso ao trabalho daquela firma que produz expositores em madeira e acrílico.

Ao que apurou o nosso jornal, a empresa só deverá reativar laboração a partir de janeiro de 2021, deslocando-se para outro local.

Dos 44 trabalhadores, nenhum estará em risco e devem continuar a receber os salários ao longo dos próximos dois meses.

O MINHO sabe que a administração vai fazer um esforço para que isso se cumpra.

O incêndio deflagrou na empresa situada no lugar de S. Bento, já perto do concelho de Ponte de Lima, cerca das 18:30 de terça-feira.

No local estiveram cerca de 40 bombeiros das corporações de Barcelos, Barcelinhos, Viatodos e Vila Verde.

O CDOS de Braga disse a O MINHO que não houve registo de feridos.

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Foto cedida a O MINHO por Paulo Pereira

O incêndio foi dado por dominado cerca das 20:30 mas os trabalhos de rescaldo duraram até ao início da manhã desta quarta-feira.

Continuar a ler

Barcelos

Carolina Gomes, “mãe guerreira” de Barcelos, comemora 100 anos de vida

Portugal tem mais uma centenária

em

Foto: Santa Casa da Misericórdia de Barcelos

Carolina Pereira Gomes, utente do Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) da Misericórdia de Barcelos, celebrou, no último sábado, 100 anos de vida.

Numa nota publicada no seu site, a Misericórdia de Barcelos conta a recheada história de vida de Carolina, natural da freguesia de Vila Frescainha S. Pedro, no concelho de Barcelos, que cedo se iniciou nos trabalhos do campo, com os quais se ocupou ao longo da vida.

Foto: Santa Casa da Misericórdia de Barcelos

Ficou viúva ainda cedo, com 40 anos, e, “mãe guerreira”, criou os oito filhos (uma já faleceu).

“Carolina Gomes é hoje a matriarca de uma família numerosa, com mais de duas dezenas de outros descendentes, entre netos, bisnetos e trinetos”, refere a instituição.

Carolina viveu na freguesia onde nasceu até que, há alguns anos, foi morar para a localidade vizinha de Vila Frescainha S. Martinho, para casa de uma filha.

“Tudo estava pensado para que a chegada aos 100 anos fosse celebrada com uma ‘festa bonita’, mas, por força das circunstâncias, tudo foi mais singelo e igualmente sentido”, refere a Misericórdia de Barcelos, que mostra “contentamento” pelos 100 anos da sua utente de há quase uma década.

Continuar a ler

Populares