Seguir o O MINHO

Ave

Fábrica da Eureka Shoes fechou hoje portas em Vizela. Deixa mais de 150 no desemprego

Calçado

em

A fábrica da Eureka Shoes, em Vizela, fechou hoje portas, menos de um mês após a administração ter anunciado o encerramento da rede de lojas, deixando no desemprego mais de 150 trabalhadores, disse fonte sindical à agência Lusa.

No final de janeiro, a Eureka – marca de calçado detida pela Alberto Sousa, Lda, que se encontrava em Processo Especial de Revitalização (PER) desde 2018 – anunciou na sua página na Internet o encerramento gradual das 13 sapatarias em Portugal, mas avançou na altura que a decisão afetava apenas as lojas e não a fábrica, localizada em Vizela.

A agência Lusa tentou, sem sucesso, ouvir a administração da Alberto Sousa, Lda.

Segundo Aida Sá, dirigente do Sindicato do Calçado, Malas e Afins Componentes, Formas e Curtumes do Minho e Trás-os-Montes, na passada sexta-feira, ao final do dia, os trabalhadores da Eureka foram chamados a uma reunião com a administração, tendo-lhes sido entregue uma carta dispensando-os de se apresentarem ao serviço a partir de hoje.

Justificando a decisão com “motivos de ordem económica”, a empresa não entregou aos trabalhadores o modelo 5044, necessário para que possam ter acesso ao subsídio de desemprego, acrescentou.

“A empresa procedeu ao despedimento dos trabalhadores sem lhes permitir o acesso ao desemprego”, acusa o sindicato, garantindo que “está a acompanhar a situação junto da ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho] local por forma a resolver este problema”.

Segundo a dirigente sindical, o encerramento da fábrica de Vizela deixa no desemprego “150 a 180” trabalhadores, mas, contabilizando os trabalhadores da rede de lojas, a perda total de empregos rondará os “cerca de 300”.

À Lusa, a Aida Sá manifestou ainda “indignação” com o facto de o grupo estar, precisamente nesta altura, a apresentar na feira internacional de calçado Micam, em Milão, Itália, uma nova marca de calçado, denominada ESC, que surge no catálogo da mostra como sendo propriedade da Asial – Indústria de Calçado, Lda, mas com a mesma morada da Alberto Sousa.

Segundo a dirigente sindical, o anúncio do encerramento da fábrica de Vizela apanhou trabalhadores e sindicatos de surpresa, já que, apesar de a Eureka Shoes se encontrar em PER, com dívidas de 22 milhões de euros a mais de 600 credores, o plano de recuperação tinha sido aprovado no final de 2019 e estava em curso.

Anúncio

Ave

Câmara de Famalicão disponibiliza 200 camas para hospital de campanha

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, anunciou hoje cerca de 30 medidas para mitigar os efeitos da pandemia da covid-19, entre as quais a disponibilização de 200 camas para um “hospital de campanha”.

Segundo Paulo Cunha, as camas estão distribuídas por dois pavilhões municipais e estão à disposição do Centro Hospitalar do Médio Ave.

Aquela medida integra o “Plano de reação à situação epidémica e de intervenção social e económica” do concelho, concebido para fazer face à pandemia da covid-19.

As camas poderão receber idosos institucionalizados, após a realização dos testes à covid-19, “permitindo a necessária segregação e isolamento profilático dos lares em que os mesmos idosos estão institucionalizados”.

Trata-se de uma operação articulada com o Agrupamento de Centros de Saúde de Famalicão, a delegação de Saúde, o Centro Distrital de Braga de Solidariedade e Segurança Social, as corporações de bombeiros, a Cruz Vermelha de Ribeirão e as instituições sociais visadas.

Paralelamente, a autarquia vai também avançar com a implementação de um centro diagnóstico móvel covid-19, em parceria com a Administração Regional de Saúde do Norte e o laboratório Unilabs, com todos os meios técnicos e humanos necessários para a realização de rastreio.

“Queremos assim aumentar a capacidade de realização de testes, diminuindo a afluência ao hospital e aos centros de saúde e aumentando a capacidade do INEM”, adiantou Paulo Cunha, que reiterou a disponibilidade financeira do município para suportar o rastreio urgente da covid-19 a todos os utentes e colaboradores dos 21 lares de idosos do concelho.

O município providenciará também no sentido da recolha e tratamento de animais portadores de covid-19 ou daqueles cujos cuidadores estejam infetados, em quarentena ou em isolamento profilático e não possam continuar a cuidar deles.

No que diz respeito à proteção social à população afetada, Paulo Cunha anunciou a criação de um gabinete de emergência social, que tem como missão analisar todas as situações que tenham como causa a pandemia.

O autarca anunciou ainda a comparticipação municipal de rendas dos agregados familiares, com caráter pontual e extraordinário, que tenham perda de rendimentos por força da pandemia.

No que se refere aos serviços municipais de abastecimento de água, águas residuais e resíduos sólidos, haverá reduções na faturação e suspensão dos cortes e execuções coercivas.

A criação de um regime e prazo excecional para obtenção de bolsa de estudo foi outra das medidas anunciadas.

No grupo das medidas para mitigação socioeconómica, está, por exemplo, a redução do IRS para 4,5%, assim como o alargamento da isenção da derrama para todas as empresas com um volume de negócios igual ou inferior a 250 mil euros.

A autarquia vai também suspender as rendas dos espaços comerciais arrendados pelo município pelo período em que os estabelecimentos comerciais estiverem encerrados e reduzir em 50% as rendas dos estabelecimentos comerciais que se mantiverem abertos ao público durante a presente pandemia.

Serão ainda suspensas as taxas de espaço público, nos casos das esplanadas ou outros, pelo período em que os estabelecimentos comerciais estiverem encerrados.

Também no âmbito do projeto Famalicão Made In, o município promete que estará “ainda mais próximo” das empresas, reforçando os programas de apoio e acompanhando as diversas problemáticas.

“As medidas apresentadas são um contributo municipal ao combate no plano da saúde pública, têm dimensão social, servem para diminuir os impactos negativos nos cidadãos e focam-se no plano económico, porque visam a reabilitação do tecido empresarial do concelho no imediato e no período pós-crise epidémica, complementando as medidas nacionais” explicou Paulo Cunha.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação a segunda-feira (+16,1%).

Continuar a ler

Ave

Utente agressivo detido no Hospital de Famalicão

Agressões

em

Foto: Ilustrativa / O MINHO

A PSP anunciou hoje a detenção de um homem de 42 anos por comportamento agressivo e injurioso contra a equipa médica do hospital de Famalicão e contra agentes daquela força.

Em comunicado, a PSP refere que os factos ocorreram pelas 23:00 de sábado, quando recebeu uma chamada de que o suspeito se encontrava a “perturbar” o normal funcionamento do serviço de urgências, “mantendo sempre um comportamento agressivo e injurioso contra a equipa médica”.

Após ter tido alta hospitalar, o suspeito não abandonou o local, “mantendo um comportamento agressivo perante todos as pessoas que se encontravam no local”.

“No decorrer da ação policial, e após tentativa de sensibilização por parte dos elementos policiais no sentido de abandonar o espaço, o suspeito recusou-se, mantendo um comportamento agressivo e proferindo várias ameaças aos agentes”, acrescenta o comunicado.

Continuar a ler

Guimarães

Grupo têxtil doa 50 mil euros ao Hospital de Guimarães para compra de equipamentos

Covid-19

em

Foto: Jornal T

O grupo têxtil Endutex, sediado em Santo Tirso, doou 50 mil euros ao Hospital da Senhora da Oliveira, de forma a adquirir equipamentos de proteção para os profissionais de saúde.

Em declarações ao Guimarães Digital, do Grupo Santiago, o presidente do grupo, Vítor Abreu, destaca os “briosos profissionais” da unidade hospitalar, e que estes sabem que rumo dar ao dinheiro.

Esta oferta, refere a mesma fonte, resulta do sentido de responsabilidade social “que as empresas devem ter”.

“Era impossível não percebermos os tempos dramáticos que estamos a atravessar que, espero sejamos capazes de ultrapassar rapidamente, e, por isso, os accionistas aceitaram fazer esta doação”, disse.

O grupo tem participações no Brasil, Espanha, Alemanha, República Checa, Polónia e Estados Unidos da América.

Foi notícia recentemente por pretender abrir um hotel na cidade de Braga.

Continuar a ler

Populares