Seguir o O MINHO

Futebol

Fábio Martins, do Famalicão, critica violência contra elementos do Benfica

Vandalismo

em

Foto: DR / Arquivo

Fábio Martins, futebolista do Famalicão, recorreu às redes sociais para condenar os atos de vandalismo contra jogadores, afirmando que “ninguém vai para dentro do campo com vontade de perder”.


“É suposto um jogador sentir-se mais motivado para ajudar o clube a chegar a vitórias depois de ver casa vandalizada, ter cabeças partidas, vidros nos olhos ou ser alvo constante de ameaças e assobios? Comentem, sem aquela conversa do ‘eles ganham milhares, têm de se sujeitar'”, escreveu hoje o jogador na rede social Twitter.

Na noite de quinta-feira, na saída da autoestrada A2, a caminho do centro de estágios do Seixal, o autocarro do Benfica foi atingido por pedras, resultando em estilhaços que atingiram Weigl e Zivkovic.

Além do incidente com o autocarro da equipa de futebol, as casas do treinador e de jogadores foram grafitadas com ameaças, segundo disse hoje à agência Lusa fonte oficial da Polícia de Segurança Pública, que foi alertada para estas ocorrências durante a manhã e já se encontra a investigar o caso.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, repudiou os atos de vandalismo nas residências do treinador Bruno Lage e dos jogadores Rafa, Grimaldo e Pizzi, um comportamento que classifica de “inaceitável e inqualificável” e que merece uma “punição exemplar”, manifestando também apoio a Julian Weigl e Zivkovic.

A publicação de Fábio Martins já tem milhares de comentários de apoio à ideia do jogador e, nas respostas a alguns desses comentários, Fábio Martins deixa claro que esta não é uma situação isolada e que não se passa apenas num clube.

“Não é uma questão de apenas um clube. Em muitos clubes se passa isto. Não é uma questão de cores. É de mentalidade”, escreveu o jogador do Famalicão que acrescentou ainda: “Toda a gente tem bons e maus dias. Tenho a certeza que ninguém vai para dentro de campo com vontade de perder, de não marcar ou de não correr. São dias. Somos humanos”.

Fábio Martins apontou um dos golos da vitória do Famalicão sobre o FC Porto, na quarta-feira, por 2-1. em jogo a contar para a 25.ª jornada da I Liga, e que marcou o regresso da competição após pausa devido à pandemia da covid-19.

Na quinta-feira, o Benfica assumiu a liderança da I Liga, com os mesmos pontos do FC Porto, apesar do ‘nulo’ na receção ao Tondela, naquele que foi o primeiro jogo dos ‘encarnados’ depois da suspensão da competição devido à pandemia de covid-19, em 12 de março.

Anúncio

Futebol

Vitória vence em Portimão e sobe ao sexto lugar da Liga

I Liga

em

Foto: Arquivo / Liga Portugal

O Vitória SC venceu hoje o Portimonense pela margem mínima (1-0), num jogo com oportunidades para ambas as equipas, como um maior domínio da equipa algarvia na primeira parte e dos nortenhos na segunda.

Na partida da 30.ª jornada I Liga de futebol, o Vitória de Guimarães somou os três pontos com um golo solitário de Bruno Duarte, aos 67 minutos, e impôs a primeira derrota ao Portimonense desde o regresso da competição, após a interrupção devido à pandemia de covid-19.

A equipa de Ivo Vieira fica provisoriamente no sexto lugar, com 46 pontos, perto das posições ‘europeias’, ao passo que os algarvios se mantêm no penúltimo posto, com 27 pontos, menos três do que Tondela e Vitória de Setúbal, as duas equipas logo acima da zona de despromoção.

A primeira parte foi equilibrada, com as duas equipas a criarem oportunidades, um pouco mais flagrantes para a equipa algarvia, que se mostrou focada na necessidade de somar um triunfo para continuar a sonhar com a permanência na I Liga.

Aos cinco minutos surgiu primeira oportunidade para a equipa de Guimarães, com Falaye Sacko a cruzar de pé esquerdo, com perigo, para uma defesa segura de Gonda.

Aos oito, deu-se a resposta da equipa da casa, com grande oportunidade de Ricardo Vaz Tê para marcar, após corte incompleto, com Aylton Boa Morte a aproveitar a recarga, sem consequências.

No início da partida, mais dois remates dignos de destaque do Vitória de Guimarães, ao minuto 13, por Edwards, a passar por cima da baliza, e aos 23, por Ouattara, a obrigar o guardião algarvio a aplicar-se.

Ao minuto 26, surgiu um momento que poderia ter sido decisivo, com uma grande penalidade a ser assinalada a favor do Portimonense, com Florent a travar em falta William na grande área, mas o lance foi anulado pelo vídeoarbitro, que assinalou fora de jogo no início da jogada.

Ainda três oportunidades para a equipa da casa, com Lucas Fernandes a rematar de longe ao poste direito da baliza vimaranense, aos 35, e, quatro minutos depois, voltou a colocar a bola na barra da baliza, na sequência de um livre com defesa apertada de Douglas.

De seguida, na marcação de um pontapé de canto, a bola a bateu nas costas de Vaz Tê e quase entrou na baliza do Vitória.

No arranque do segundo tempo, o jogo estendeu-se mais pelo terreno, com as duas equipas a procurem inaugurar o marcador.

Com maior intensidade de jogo dos nortenhos surgiu o primeiro e único golo, aos 67 minutos, num cabeceamento de Bruno Duarte, que tinha entrado cinco minutos antes, finalizando da melhor forma um cruzamento de Sacko.

O Portimonense continuou à procura do empate, com Júnior Tavares a não aproveitar um livre direto à entrada da área, aos 82 minutos.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Municipal de Portimão.

Portimonense – Vitória de Guimarães, 0-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

0-1, Bruno Duarte, 67 minutos.

Equipas:

– Portimonense: Gonda, Hackman (Beto, 87), Willyan (Jackson Martinez, 76), Jadson, Fali Candé, Júnior Tavares (Rómulo 87), Lucas Possignolo, Lucas Fernandes, Bruno Tabata, Aylton Boa Morte (Marlos Moreno,76) e Ricardo Vaz Tê (Bruno Costa, 76).

(Suplentes: Samuel Portugal, Rômulo, Jackson Martinez, Marlos Moreno, Beto, Henrique Custódio, Koki Anzai, Bruno Costa e Rodrigo Freitas).

Treinador: Paulo Sérgio.

– Vitória de Guimarães: Douglas, Falaye Sacko, Frederico Venâncio, Easah Suliman, Florent Hanin, Mikel Agu, Pêpê Rodrigues (Poha,63) André André (André Almeira, 85), Marcus Edwards (Pedro Henrique, 89), Abou Quattara (Davidson, 89) e Ola John (Bruno Duarte, 63)

(Suplentes: Jhonatan, Pedro Henrique, Victor Garcia, Rochinha, Poha, André Almeida, Davidson, Abouchabaka e Bruno Norte)

Treinador: Ivo Vieira

Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para William (47), Abou Quattara(81).

​​​​​​​Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Futebol

Treinador do Porto afirma que luta pelo título “vai ser até ao fim”

I Liga

em

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, desvalorizou hoje os seis pontos de vantagem sobre o Benfica, afirmando que a luta pelo título da I Liga de futebol será “até ao fim”.

O técnico portista defendeu que quem der o troféu já como certo para os portistas “tem o objetivo de distrair atenções”.

“Se calhar, o objetivo de quem diz isso é distrair. Nós temos de focar no trabalho e nas tarefas, para que o coletivo seja forte. Coletivamente, vamos ser mais fortes, é o objetivo. Obviamente há as estratégias que temos, mas no futebol, o que funciona para um grupo pode não funcionar para outro. Há estratégias para mexer com esse lado emocional, motivá-los ao máximo, dar tranquilidade para que possam exprimir-se ao mais alto nível”, referiu, na conferência de imprensa de antevisão da partida com o Belenenses SAD.

Sérgio Conceição salientou ainda o realismo que tem enquanto treinador por não se deixar deslumbrar pela vantagem de pontos para o segundo classificado e defendeu que a luta será feita até ao fim do campeonato.

“Há pontos a conquistar e vai ser uma luta até ao fim. Essa consciência e esse realismo da minha parte está presente diariamente na minha postura, no meu trabalho, no que o balneário pensa e sente, da mesma forma que eu”, afirmou.

Sérgio Conceição falou ainda da evolução de Mbemba destacando a paciência do central para “esperar pelo seu momento e agarrar a oportunidade”.

“Já o conhecia dos tempos da Bélgica. É muito consistente em todas as posições, e acho que não foi por acaso que o meti a central do lado direito e o Pepe do lado esquerdo. Foi por características que ele tem. É uma pessoa tranquila, não podemos dissociar o profissional do jogador, eu sei que alguns se transformam no campo, mas está lá a sua essência. Soube esperar com paciência, teve a oportunidade dele e agarrou-a. É um jogador importante para a equipa”, frisou.

Questionado sobre o regresso do médio japonês Nakajima aos treinos e a possibilidade de vir a dar o seu contributo nos próximos jogos, o treinador já não se mostrou tão recetivo e disponível para esclarecer a questão.

“Não quero que interpretem mal. Não tenho o costume de falar de jogadores que não estão disponíveis e é esse o caso. O Nakajima não é opção para o jogo de amanhã (domingo). Já falámos variadíssimas vezes dele. Já sei que vão pegar em alguma coisa que eu vou dizer para sair em título. Preocupo-me mais com o Licá, o Marco Matias, com a linha de três do Belenenses, com o Cafú, o Tiago Esgaio, o Nilton Varela…isso é que é importante”, salientou.

Precisamente sobre o próximo adversário, o Belenenses SAD, Sérgio Conceição admitiu estar à espera de uma equipa com uma dinâmica diferente do último jogo.

“O Belenenses que tem jogado ultimamente é o que esperamos. Com uma dinâmica diferente do outro jogo que fizemos com eles no Jamor. Mas, temos de pensar em nós, e no que temos de fazer para conquistar os três pontos”, referiu ainda.

O FC Porto, líder do campeonato com 70 pontos, recebe no domingo o Belenenses SAD, na 14.ª posição, com 31 pontos, numa partida relativa à 30.ª jornada da I Liga de futebol.

Continuar a ler

Futebol

Benfica formalizou à CMVM a rescisão com treinador Bruno Lage

Mercado

em

Foto: DR

O Benfica comunicou hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a formalização da rescisão com o treinador de futebol Bruno Lage, que apresentou a demissão após o desaire de segunda-feira com o Marítimo.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248.º-A do Código dos Valores Mobiliários, que formalizou hoje a rescisão do contrato de trabalho desportivo com o treinador Bruno Miguel Silva do Nascimento (Bruno Lage)”, avança o curto comunicado.

O treinador natural de Setúbal assumiu o cargo, então “provisoriamente”, em 03 de janeiro de 2019, substituindo Rui Vitória, numa altura em que o Benfica era quarto na I Liga, a sete pontos da liderança.

Lage, de 44 anos, entrou com quatro triunfos, renovou contrato até 30 de junho de 2023 e levou mesmo os ‘encarnados’ à conquista do título nacional em 2018/19, ao somar vitórias em 18 das últimas 19 jornadas, sendo exceção um 2-2 com o Belenenses SAD.

Em 2019/20, começou da melhor forma, ao conquistar a Supertaça com uma goleada ao Sporting (5-0), e parecia destinado a chegar ao ‘bis’ no campeonato, após nova série de 18 triunfos em 19 jogos, agora com uma derrota pelo meio (0-2 com o FC Porto).

Um segundo desaire na época com os portistas, em 08 de fevereiro, no Dragão, iniciou, porém, um ciclo muito negativo, com apenas dois triunfos em 13 jogos, em todas as competições, que conduziram à sua saída do comando técnico do Benfica.

No total, somou 51 vitórias, 12 empates e 13 derrotas (181-76 em golos), em 76 jogos.

O Benfica volta a jogar hoje, recebendo o Boavista, para a 30.ª jornada da I Liga, num embate em que vai ser orientado por Nélson Veríssimo, que era um dos adjuntos de Bruno Lage.

Continuar a ler

Populares