Seguir o O MINHO

Alto Minho

Explosão de garrafa de cerveja fere cliente num hipermercado em Viana do Castelo

Insólito

em

Foto: Continente

Uma mulher de 25 anos sofreu ferimentos na cara na sequência da “explosão” de uma garrafa de cerveja que estava numa prateleira no hipermercado Continente, em Viana do Castelo, disse hoje o pai da vítima.


Em declarações à Lusa, Rui Gonçalves adiantou que o caso ocorreu na quinta-feira, de uma forma “repentina e de todo imprevisível”, quando a filha passava no “corredor das cervejas”.

Segundo Rui Gonçalves, a filha foi atingida pelos “estilhaços” da garrafa, tendo sofrido lesões numa pálpebra, na córnea de um olho e junto ao nariz.

Foi transportada ao hospital de Viana do Castelo e transferida para o de Braga.

Teve alta hospitalar no mesmo dia, mas continua em casa, de baixa.

“O médico disse-lhe para, ao fim de uns dias, consultar um oftalmologista, para ver se ficou com sequelas de visão”, acrescentou.

Rui Gonçalves vai apresentar queixa na PSP, “para que na hora da verdade não fiquem a passar a bola de uns para outros”.

“Alguém terá de assumir a responsabilidade pelo que aconteceu”, referiu.

Contactada pela Lusa, a administração do Continente confirmou hoje o rebentamento, adiantando que aconteceu “quando a cliente colocava a garrafa em questão no cesto de compras”.

“O processo será agora agilizado pela entidade seguradora, por forma a aferir as causas do incidente e dar o seguimento adequado ao mesmo”, acrescentou.

A administração disse ainda que o INEM foi chamado “de imediato ao local”, pelo responsável de loja, tendo assistido a cliente.

“No dia seguinte, sexta-feira, 26 de junho, um familiar da cliente esteve na loja do Continente de Viana do Castelo a fim de fornecer todos os dados necessários para se poder ativar o seguro previsto para estas situações, decorrendo essa mesma interação de forma tranquila e cooperativa por ambas as partes”, adiantou a administração.

Segundo a administração, até ao momento, não teve qualquer contacto por parte da cliente ou familiares que “sugira desagrado na forma como se está a atuar perante o lamentável incidente”, durante o qual os seus colaboradores “mostraram total disponibilidade para ajudar”.

Anúncio

Alto Minho

Arguido assume furto na Quinta da Carcaveira, em Ponte de Lima

Assaltos milionários

em

Foto: Geocaching Portugal

Rui Fernandes, um dos dez arguidos que estão a ser julgados no Tribunal de Braga por terem assaltado uma dezena de vivendas na região do Minho assumiu, sexta-feira, em Tribunal que participou no assalto feito em 2018 à Quinta da Carcaveira, na freguesia de Sá, em Ponte de Lima, mas negou ter participado noutros três assaltos, conforme é descrito na acusação do Ministério Público.

Nesta quinta foram furtados vários móveis e máquinas de jardinagem.

Interrogado pelo Ministério Público e pelo seu advogado, João Ferreira Araújo, Rui Fernandes negou ter feito parte do grupo que se introduziu na casa do cantor e músico, Delfim Júnior, em Arcos de Valdevez, de onde foram levados 230 mil euros que estavam guardados num saco, e o mesmo afirmou no que toca à intrusão no Restaurante Gaio, em Ponte de Lima, de onde foram subtraídos 180 mil euros em dinheiro.

O arguido negou, também, ter entrado numa vivenda na Areosa, Viana do Castelo, de onde foram furtados 300 euros.

Rui Fernandes, que está acusado de quatro crimes de furto qualificado, um de associação criminosa e um de posse de arma proibida – um bastão extensível – não integra o grupo de outros quatro arguidos que terão furtado quatro milhões de euros, em joias e dinheiro dos cofres de clientes no banco Santander, em Braga, pediram ao coletivo de juízes para prestarem depoimento na próxima audiência.

4,7 milhões

Conforme O MINHO tem noticiado, o Ministério Público calcula que, só do banco três dos dez arguidos levaram 2,6 milhões em dinheiro e 400 peças de 52 cofres. Ao todo, quatro milhões.

Em julgamento, estão nove homens – quatro em prisão preventiva e um em domiciliária – e uma mulher, por assaltos ao Santander e a dez vivendas. Eles estão acusados de associação criminosa e furto qualificado, e a mulher, companheira de um deles, apenas por furto.

O grupo está acusado pelo MP de furtar 4,7 milhões, em dinheiro e bens, (sem contabilizar a moeda estrangeira), em dez assaltos a casas e ao Santander, em Braga, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez e Viana do Castelo.

Entre os lesados, com casas assaltadas e carros furtados, estão o empresário Domingos Névoa, o cantor limiano Delfim Júnior, e o médico e antigo atleta do SCBraga, Romeu Maia. A investigação foi da GNR e da PJ/Porto.

Continuar a ler

Alto Minho

29 utentes e 9 funcionários infetados em lar de Caminha

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

29 utentes e 9 funcionários do Centro de Bem Estar Social de Seixas foram esta sexta-feira diagnosticados com covid-19, confirmou a vereadora da ação social Liliana Ribeiro.

Uma das funcionárias tinha recebido um teste positivo no passada terça-feira, pelo que foi ativado o plano de contingência do lar e também a testagem ‘em massa’ de colaboradores e funcionários.

De acordo com o Jornal C, que avança a notícia, os utentes que testaram positivo estão devidamente isolados em alas e pisos diferentes dos restantes.

A vereadora adianta ainda que a maioria dos utentes e funcionários encontra-se assintomática.

Ao JN, o presidente da direção daquela instituição, Manuel Vilares, adiantou que os testes foram realizados à custa do lar, uma vez que a autoridade de saúde local achou por bem “esperar mais uns dias”.

Conta que há ainda seis utentes cujos testes se revelaram inconclusivos, pelo que vão voltar a ser testados durante este sábado. Há ainda uma funcionária a aguardar resultado e outras três que vão repetir os testes por terem sido inconclusivos.

Os trabalhadores passam agora a laborar em espelho durante 14 dias.

(notícia atualizada às 22h56 com mais informação)

Continuar a ler

Alto Minho

Pelo menos quatro professores infetados em escola de Valença

Covid-19

em

Foto: DR

Pelo menos quatro professores do Agrupamento de Escolas Muralhas do Minho, em Valença, estão infetados com covid-19, disse o presidente da Câmara.

Manuel Lopes, em declarações à Rádio Vale do Minho, não soube precisar o número certo, adiantando que podem ser mais do que quatro nessa condição.

Os professores descobriram que estavam covidpositivos depois de terem efetuado testes na chegada aos Açores, durante uma viagem escolar, e mostraram-se bastante surpreendidos.

O autarca esclarece que “vários alunos” do oitavo ano, que estiveram em contacto com esses professores, foram enviados para isolamento profilático no domicílio, encontrando-se em vigilância ativa pelas autoridades de saúde.

Também uma aluna do 10.º ano daquele agrupamento testou positivo.

Recorde-se que o concelho de Valença regista hoje 92 casos ativos de covid-19. São 24 novos casos desde a passada terça-feira.

O autarca local ordenou o encerramento de algumas valências municipais, como é o caso das piscinas, até que os números baixem.

(notícia atualizada às 19h09 com correção do sobrenome do autarca)

Continuar a ler

Populares