Seguir o O MINHO

Actual

Europa “unida” para enfrentar segunda vaga “brutal”

Covid-19

em

Foto: DR

O presidente do Conselho Europeu garantiu hoje, no final de uma videoconferência entre os líderes da União Europeia, que os 27 estão “unidos” para enfrentar a “luta difícil” contra a segunda vaga da covid-19, que classificou como “brutal”.


“A principal mensagem política que quero passar é a seguinte: estamos unidos, porque estamos no mesmo barco. É uma luta difícil. É uma crise grave. Trata-se de uma segunda vaga que nos põe a todos à prova”, declarou Charles Michel, numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas com a presidente da Comissão Europeia, após uma reunião entre os chefes de Estado e de Governo da UE consagrada à “batalha contra a covid-19”.

Charles Michel enfatizou que “os números [de infetados] estão a aumentar em todo o lado na Europa”, o que está a deixar os hospitais e profissionais da saúde de todos os Estados-membros “outra vez sob pressão”, razão pela qual “muitos líderes anunciaram confinamentos e restrições”.

“Em tempos tão duros, a solidariedade importa mais do que nunca. Apelamos a todos os europeus que cuidem de si próprios e dos outros”, declarou.

O presidente do Conselho Europeu apontou que a discussão de hoje focou-se nos testes, rastreio de contactos e vacinas, tendo os 27 partilhado as suas experiências e discutido o reforço da coordenação, tendo por exemplo avançado no “reconhecimento mútuo de testes rápidos”, o que permitiria “reduzir o impacto negativo da liberdade de circulação e proteger o mercado único”.

A reunião por videoconferência de hoje foi a primeira desde que, no anterior Conselho Europeu (presencial), em Bruxelas, de 15 e 16 de outubro, e face à gravidade da situação, os líderes europeus decidiram manter contactos regulares, mesmo que à distância, para discutir a evolução da pandemia, cuja segunda vaga está a atingir toda a União Europeia, com vários Estados-membros a registarem nos últimos dias números recorde de casos positivos.

Portugal esteve representado na cimeira virtual pelo primeiro-ministro, António Costa, que marcou com os partidos reuniões na sexta-feira e convocou para sábado um Conselho de Ministros extraordinário para definir novas “ações imediatas” para o controlo da pandemia da covid-19.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 44,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (45.955 mortos, mais de 965 mil casos), seguindo-se Itália (38.122 mortos, mais de 616 mil casos), França (36.020 mortos, quase 1,3 milhões de casos) e Espanha (35.639 mortos, mais de 1,1 milhões de casos).

Portugal contabiliza 2.428 mortos em 132.616 casos de infeção.

Anúncio

Actual

De Frossos para a ribalta: Moura estreia-se a marcar na Liga

Francisco Moura

em

Foto: DR

O jovem futebolista Francisco Moura, natural da freguesia de Frossos, em Braga, estreou-se hoje a marcar na I Liga, ao finalizar segundo e terceiro golo do SC Braga frente ao Benfica, na Luz. É o segundo jogo da época em que o lateral/extermo de 21 anos alinha a titular.

Moura faz parte do leque de três futebolistas da formação do Braga que se sagraram campeões europeus em sub-19, no ano de 2018, na Finlândia.

Aos 65 minutos, os bracarenses vencem em Lisboa por 0-3.

Continuar a ler

Actual

Pandemia já provocou mais de 1,12 milhões de mortos em todo o mundo

Covid-19

em

Foto: DR

A pandemia de covid-19 já causou pelo menos 1.250.879 mortos em todo o mundo desde que a doença foi conhecida em dezembro na China e até às 11:00 de hoje, segundo a AFP.

Mais de 49.910.930 casos de infeção foram registados desde o início da pandemia e pelo menos 32.492.500 pessoas foram consideradas curadas, adianta o balanço da agência de notícias francesa AFP.

O número de casos diagnosticados apenas reflete uma fração do número real de contaminações já que diversos países apenas testam os casos mais graves, outros privilegiam os testes para rastreio e numerosos países pobres apenas dispõem de capacidades limitadas de despistagem.

Nas últimas 24 horas, registaram-se 7.370 novas mortes e mais 602.036 infetados em todo o mundo, sendo que os países que registaram mais mortes no último dia foram os Estados Unidos (991), a Índia (559), e o México (485).

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado pela covid-19, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 237.123 mortos entre 9.861.898 casos, segundo o balanço da universidade Johns Hopkins.

Pelo menos 3.851.465 pessoas foram declaradas curadas no país.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 162.269 mortos em 5.653.561 de casos, a Índia com 126.121 mortos (8.507.754 casos), o México com 94.808 mortes (961.938 infetados) e o Reino Unido com 48.888 mortes (1.171.441 casos).

Entre os países mais afetados, a Bélgica é o que conta mais mortos em relação à sua população, 111 por cada 100.000 habitantes, seguida do Peru (106), de Espanha (83) e do Brasil (76).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) declarou um total de 86.212 casos (28 dos quais nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortos (0 no último dia), e 81.168 pessoas curadas.

A América Latina e as Caraíbas totalizavam, hoje às 11:00, 411.726 mortos em 11.599.214 casos, a Europa 304.881 mortes (12.549.042 infetados), os Estados Unidos e o Canadá 247.605 mortos (10.120.352), a Ásia 176.524 mortos (11.012.350 infetados), o Médio Oriente 64.398 mortes (2.730.050 casos), África 44.804 mortos (1.870.001 casos) e a Oceânia 941 mortos (29.927 infetados).

O balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde.

Devido a correções feitas pelas autoridades e a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exatamente à diferença em relação aos dados avançados na véspera.

Continuar a ler

Actual

Trump insiste que ganhou as eleições horas após Biden vencer

Presidenciais americanas

em

Foto: DR

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu hoje na rede social Twitter que ganhou as eleições, horas após os principais ‘media’ norte-americanos anunciarem a vitória do candidato democrata Joe Biden.

“Eu ganhei as eleições, tive 71.000.000 votos legais”, escreveu o candidato republicano, voltando a insinuar, numa mensagem já sinalizada pelo Twitter como contendo alegações disputadas, que “coisas más aconteceram” no processo eleitoral que os observadores republicanos não foram autorizados a ver.

Numa mensagem posterior, Trump refere que 71 milhões é o número máximo de votos que qualquer Presidente em funções obteve até hoje.

O democrata Joe Biden derrotou hoje o republicano Donald Trump nas eleições presidenciais e deverá tornar-se o 46.º Presidente dos EUA, segundo noticiaram os maiores ‘media’ norte-americanos cerca das 11.30 em Washington (16.30 em Lisboa).

Com 74,5 milhões de votos contabilizados até ao momento, o democrata Joe Biden já é o candidato presidencial mais votado da história dos Estados Unidos. O Presidente incumbente, Donald Trump, recebeu 70,3 milhões de votos, segundo a página eletrónica da CNN.

Mais de quatro horas depois do anúncio da vitória, Trump escreveu hoje no Twitter que os observadores republicanos não foram autorizados a entrar nas salas onde são contados os votos e reitera: “Coisas más aconteceram que os nossos observadores não foram autorizados a ver. Nunca aconteceu antes”.

“Milhões de boletins de voto por correio foram enviados para pessoas que nunca os pediram!”, acrescenta.

Há vários meses que o Presidente Donald Trump lança suspeições sobre a legitimidade do resultado final das eleições, alegando não ter confiança nos votos por correspondência, que este ano bateram máximos, com mais de 100 milhões de eleitores a escolherem esta opção, por causa, entre outras razões, da pandemia de covid-19.

O Presidente e candidato republicano tem mesmo usado a expressão “fraude eleitoral”, pedindo aos seus apoiantes para estarem “muito atentos” ao processamento das votações e das contagens de votos.

Já hoje, depois de conhecida a vitória de Biden, o advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani, disse que a campanha do ainda Presidente dos Estados Unidos vai avançar com processos contra o processo eleitoral devido a “fraude”.

“Os processos vão começar a ser levados a tribunal na segunda-feira”, disse Rudy Giuliani, advogado do candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, numa conferência de imprensa transmitida em vários meios de comunicação social, em que estava rodeado por alegados observadores republicanos que, disse, terão sido impedidos de inspecionar boletins de voto enviados por correio.

Continuar a ler

Populares