Seguir o O MINHO

Braga

Estudo realizado em Braga vai revolucionar nova geração da indústria marítima

Laser ‘luz azul’, com distância recorde, permite novas funcionalidades

em

Consórcio "KETMarine". Foto: Divulgação

Um estudo, conduzido em Braga, identificou um laser de ‘luz azul’ com uma distância recorde, com a capacidade de aprimorar as descobertas no fundo do mar, recolha de imagens e comunicação subaquática em todo o setor marítimo, anunciou, esta segunda-feira, o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL).

Ana Vila, coordenadora do projeto, apresentou o relatório com o nome Photonic Marine Applications (Aplicações Marítimas Fotônicas”), produzido pelo centro de pesquisa espanhol AIMEN, mundialmente conhecido pela experiência em tecnologia a laser aplicada a materiais, processamento, robótica e automação.

Este estudo revela que novos limites foram quebrados no desenvolvimento do laser marinho – aprimorando a detecção de objetos subaquáticos, incluindo submarinos e sítios arqueológicos.

O projeto KETmaritime está entregue a um consórcio de sete parceiros em toda a Europa, num esforço para identificar as principais tecnologias de ativação para apoiar as necessidades e demandas futuras da indústria marítima do Atlântico.

“Nos últimos meses, o laboratório de pesquisa multidisciplinar CIMAP, com sede em França, vem desenvolvendo lasers de luz azul em regimes de ondas constantes e pulsos”, aponta Ana Vila.

“Recentemente, alcançou um recorde de saída de onda constante de 7,5W com comprimento de onda de 452nm. Entende-se que essa é, de longe, a energia de onda constante mais potente, gerada a partir de um laser luz azul de fibra com frequência dupla.

Laser promete revolucionar indústria do mar. Foto: DR

“A absorção da luz na água é mais baixa na faixa espectral de 400-450nm. A luz do laser definida nesta faixa pode penetrar longas distâncias com redução mínima da força. Essas fontes de luz podem ser usadas para determinar distâncias ou registrar objetos subaquáticos, como submarinos e sítios arqueológicos”, explica.

“Métodos convencionais para detectar alvos subaquáticos empregaram ondas acústicas, no entanto, sistemas baseados em laser têm vantagens claras em alta direcionalidade e alta resolução de faixa que permitem novos métodos de comunicação de banda larga e à prova de interceptação”, acrescenta a responsável.

A AIMEN entregou mais de 650 projetos de P & D & I nos últimos dez anos, trabalhando com uma média anual de 650 clientes. O centro de tecnologia avançada emprega mais de 230 pessoas e produziu mais de 270 mil relatórios técnicos.

O estudo da fotônica procura gerar, controlar e detectar fótons – uma partícula elementar da luz que carrega energia – que pode ser usado para concentrar vigas para corte e soldagem, além de aplicações cirúrgicas e de digitalização 3D, até aplicações mais “comuns”, como deteção de presença para controle de portas, digitalização de código de barras e impressoras.

O mercado global de fotônica deverá ultrapassar os 615 bilhões de euros em 2020. Entre 2005 e 2015, mostrou uma taxa de crescimento anual real de 7pc, duas vezes mais rápido que o crescimento do PIB global e superior a muitos outros setores, incluindo alimentar (2pc) e automação (3-5pc).

Ana Vila explica que o novo relatório identifica a fotônica como uma das tecnologias mais importantes para o século XXI: “Com o conhecimento adquirido e os avanços tecnológicos, estamos prontos para lucrar com a revolução fotônica, alcançando maiores avanços e controle na aplicação da luz em muitos mercados de alta tecnologia”.

Nos próximos anos, o setor marítimo beneficiará de uma ampla variedade de aplicações de dispositivos fotônicos.

“Tornou-se uma tecnologia cada vez mais acessível, com particular relevância para o monitoramento de saúde estrutural de ativos marinhos, bem como realidade virtual aumentada na construção naval. Também desempenhará um papel particularmente importante no desenvolvimento de sistemas de deteção e reconhecimento, aplicáveis ​​a áreas como navegação, rastreamento de objetos e massas no mar e resgate marítimo”.

O projeto KETmaritime é financiado pelo Programa Interreg Atlantic Area, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, num investimento de um milhão de euros.

O consórcio inclui o laboratório francês de pesquisa multidisciplinar CIMAP (grupo CEA), o cluster econômico marítimo português Fórum Oceano e o centro espanhol de design industrial IDONIAL,

O centro nacional de energia marinha e renovável da Irlanda, o MaREI, e a organização de agrupamentos marítimos do Reino Unido Marine South East também apoiam o projeto, juntamente com a associação espanhola de pesquisa sem fins lucrativos AIMEN.

Anúncio

Braga

Sindicato exige harmonização dos salários dos enfermeiros do Hospital de Braga

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses

em

Foto: DR / Arquivo

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) exigiu hoje a harmonização dos salários daqueles profissionais que trabalham no Hospital de Braga, considerando “vergonhoso” que haja 168 que recebem 1.060 euros em vez dos 1.201 “previstos na lei”.

Em comunicado, o SEP referiu que já pediu a intervenção do Presidente da República e do primeiro-ministro, face às “ausências de resposta” da administração do hospital e do Ministério da Saúde.

“Os enfermeiros não precisam de ser apelidados de heróis, tão pouco que lhes batam palmas. Exigem ações, condições de trabalho e, no caso concreto, ter salários iguais aos restantes”, sublinhou o sindicato.

Contactada pela Lusa, a administração do hospital disse que no decorrer do processo de adesão aos acordos coletivos de trabalho (ACT), remeteu uma minuta de acordo a todos os sindicatos para que manifestassem a sua intenção de adesão, sendo que do SEP não recebeu, até ao momento, “qualquer resposta”.

“O Hospital de Braga lamenta que o atual período vivido a nível nacional seja utilizado pelo sindicato para mediatizar as suas reivindicações”, acrescentou a administração.

No comunicado, o SEP diz que “ninguém compreende que os salários destes enfermeiros se mantenham naquele vergonhoso valor [1.060 euros], quando todos os que foram admitidos pós-setembro recebem, e bem, os 1.201 euros”.

Em 01 de setembro de 2019, a gestão do Hospital de Braga passou para a esfera pública, depois de dez anos nas mãos do Grupo Mello Saúde, ao abrigo de uma parceria público-privada (PPP).

O SEP garante que, no período anterior à transição, alertou a administração e o Ministério da Saúde para a obrigatoriedade de, logo em setembro, decorrer o processo de adesão aos instrumentos de regulamentação coletiva do trabalho, para garantir que os enfermeiros à data contratados pelo Grupo Mello com um salário de 1.060 euros passassem para os 1.201.

“Porventura mais preocupados com as eleições que com os profissionais, nada fizeram e assim continuaram, apesar das muitas insistências”, critica o sindicato.

O SEP lembra que o protelamento determinou o agendamento de uma greve para 17 e 19 de Março, que acabaria por ser suspensa devido à pandemia de covid-19.

O sindicato vaticina ainda que, tendo em conta o histórico, o estado de alerta e agora o estado de emergência, “previsivelmente, nenhuma decisão será tomada pela tutela”.

O conselho de administração do hospital disse ainda que “procurou, desde sempre, garantir uma aproximação às preocupações dos seus profissionais e tem envidado todos os esforços nesse sentido”.

Continuar a ler

Braga

Hospital de Braga ativou 6 alas exclusivas e ampliou Cuidados Intensivos

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O Hospital de Braga já ativou seis alas de internamento dedicadas em exclusivo à covid-19, com capacidade para 175 doentes infetados, anunciou hoje aquela unidade.

Em resposta escrita enviada à Lusa, o hospital refere que também ampliou a área da Unidade de Cuidados Intensivos, que detém agora uma capacidade de 32 camas para tratamento de doentes com covid-19.

“Está ainda prevista a abertura de mais camas dedicadas noutras alas de internamento, de acordo com o desenvolvimento da doença e necessidades identificadas”, acrescenta.

O Hospital de Braga diz ainda que está a desenvolver um “trabalho contínuo” com as forças de autoridade e instituições locais, no sentido de definir estratégias a curto e médio prazo que permitam ajustar a resposta hospitalar à evolução prevista da pandemia.

Desde o início da pandemia, e segundo os dados hoje revelados, o hospital já realizou um total de 2.530 testes de despiste, dos quais 407 registaram resultados positivos.

Também já se registaram quatro casos avaliados como “completamente recuperados” e ainda um parto realizado a grávida com covid-19.

Atualmente, o Hospital de Braga tem 93 doentes internados com covid-19, estando 79 em enfermaria e 14 na Unidade de Cuidados Intensivos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Dos infetados, 1.099 estão internados, 270 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 140 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga aprova hotel de quatro pisos no atual quartel dos bombeiros voluntários

Reunião de câmara

em

Foto: Google Maps

A Câmara de Braga decidiu hoje, com a abstenção do PS e da CDU, viabilizar a construção de um hotel com quatro pisos acima do solo no local atualmente ocupado pelo quartel dos Bombeiros Voluntários locais.

O promotor do hotel ficará obrigado a construir, a suas expensas, o novo quartel da corporação, que será edificado num terreno na freguesia de S. Paio de Arcos, cedido pelo município.

Na reunião de hoje, o executivo foi chamado a votar uma “excecionalidade” que permite um volume de construção que ultrapassa as “altimetrias” predominantes do edificado envolvente, o que contraria o Código Regulamentar do município de Braga.

No entanto, e ainda segundo o mesmo código, a câmara pode, por “deliberação fundamentada”, excecionalmente aceitar esse volume de construção.

A excecionalidade foi hoje aprovada, pelo que o processo tem luz verde para avançar.

Em causa está a construção de um hotel com 36 quartos, com quatro pisos acima da cota soleira, mais um de garagem.

O presidente da câmara, Ricardo Rio, lembrou que esta é, desde logo, uma oportunidade para resolver o problema das instalações dos Bombeiros Voluntários, que são exíguas e não têm condições para acolher o corpo ativo feminino.

Além disso, a obra servirá também para dignificar o largo fronteiro ao quartel, que foi o antigo fórum da cidade e que neste momento está transformado num parque de estacionamento para as viaturas dos “Voluntários”.

“É uma solução boa para todas as partes”, referiu o autarca, sublinhando que o novo quartel poderá custar 1,5 milhões de euros e será pago pelo promotor do hotel.

O vereador do PS Artur Feio lembrou que se trata de uma zona “sensível” em termos arqueológicos, pelo que considerou que antes de qualquer parecer deveriam ser feitas sondagens arqueológicas.

“Se for viável, se das sondagens não resultar qualquer problema para o avanço da obra, não temos nada a opor”, referiu.

O vereador da CDU, Carlos Almeida, admitiu que se trata de uma “excelente oportunidade” para resolver o problema da deslocalização do quartel dos bombeiros e para dignificar aquela área da cidade, mas defendeu que seria “mais adequado” que no local fosse edificado um espaço “público de uso coletivo”.

Disse ainda que o hotel terá “mais do dobro” da altura do atual quartel e que a excecionalidade hoje aprovada não passa de um mecanismo para “contornar” o regulamento do Centro Histórico.

O projeto conta com um parecer positivo condicionado da Direção-Regional de Cultura do Norte, que exige sondagens arqueológicas, a preservação das fachadas e uma solução arquitetónica “mais contida e tradicional”, que evite “grandes contrastes e roturas” com o edifício existente.

Continuar a ler

Populares