Seguir o O MINHO

Alto Minho

América ajuda a preservar espécies no Parque Nacional Peneda-Gerês

Protocolo de cooperação assinado esta sexta-feira

em

Foto: Divulgação / TPN

Portugal e Estados Unidos da América assinaram esta sexta-feira um protocolo de cooperação para a partilha de experiências na gestão do parques nacional da Peneda-Gerês e o das Cascatas do Norte (EUA), que poderá incluir projetos de investigação, reflorestação e preservação de espécies.

O documento foi assinado pelo presidente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Nuno Banza, e pela diretora do Parque Nacional das Cascatas do Norte, Karen Taylor-Goodrich, na residência oficial do embaixador norte-americano em Lisboa.

Em declarações à Lusa, Karen Taylor-Goodrich, pela primeira vez em Portugal, disse que a parceria estabelecida poderá permitir a realização de “projetos específicos”, a definir, nomeadamente de investigação científica envolvendo universidades, bem como de “proteção e reintrodução de espécies e de reflorestação”.

Para a diretora do Parque Nacional das Cascatas do Norte, no estado de Washington, são “áreas potenciais” de colaboração que podem vir a ser trabalhadas como o Parque Nacional da Peneda-Gerês, que visitou esta semana e que é gerido pelo ICNF.

A esta lista de potencialidades de cooperação, o presidente do ICNF, Nuno Banza, acrescentou, em declarações aos jornalistas, a “troca de experiências e conhecimento” na preservação de animais como o lobo e o urso-pardo, no combate a plantas exóticas invasoras e na gestão transfronteiriça de ‘habitats’ e espécies protegidas.

Segundo Nuno Banza, Portugal pode aprender com a experiência que os Estados Unidos têm na gestão dos parques que fazem fronteira com o Canadá para “melhorar a relação com Espanha em termos de conservação da natureza”, inclusive ao nível da “articulação entre os objetivos de conservação e os de desenvolvimento de territórios de baixa densidade”.

O protocolo hoje assinado, que vincula apenas o Parque Nacional da Peneda-Gerês, poderá, no entanto, de acordo com o presidente do ICNF, ser eventualmente replicado noutros parques portugueses. “Não temos uma agenda definida”, afirmou.

Nuno Banza ressalvou ainda que a “partilha de conhecimento” adquirida com a geminação com o Parque Nacional das Cascatas do Norte “é uma oportunidade” que poderá ser estendida a outras zonas protegidas em Portugal.

O embaixador dos Estados Unidos, George Glass, que acolheu a assinatura do protocolo como uma “boa notícia”, espera que a cooperação hoje estabelecida com o ICNF possa ser “uma de muitas” entre as entidades norte-americanas e portuguesas.

Num gesto de solidariedade com as comunidades afetadas pelos incêndios que assolaram a região centro em outubro de 2017, a embaixada norte-americana promove em 16 de novembro uma ação de reflorestação do Pinhal de Leiria, que ardeu quase na totalidade há dois anos.

A ação segue-se à campanha “ReforestationNation” (Reflorestação de uma Nação), que a embaixada organizou em abril.

Situado no estado de Washington, o Parque Nacional das Cascatas do Norte, que tem mais de 275 mil hectares, alberga animais como a águia-de-cabeça-branca, o salmão-vermelho, o lobo-cinzento, a cabra-das-rochosas, o urso-pardo e a marmota.

O complexo montanhoso inclui extensas florestas, uma parte da Cordilheira das Cascatas, o lago Chelan, o terceiro mais profundo dos Estados Unidos, e mais de 300 glaciares, a maior concentração de glaciares nos Estados Unidos fora da região do Alasca.

Com uma área de cerca de 70 mil hectares, que se estende pelas serras da Peneda, do Soajo, Amarela e do Gerês, o Parque Nacional da Peneda-Gerês é um santuário para animais como o corço, o lobo, a truta-do-rio, a lontra, o lagarto-de-água e a toupeira-de-água.

Anúncio

Alto Minho

Alto Minho recomenda ao Governo manutenção de financiamento à Bienal de Cerveira

DGArtes

em

Foto: DR / Arquivo

A assembleia intermunicipal da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, aprovou, por unanimidade, uma recomendação ao Governo a solicitar o financiamento plurianual da bienal de arte de Vila Nova de Cerveira, informou hoje a fundação que organiza o evento.

Em comunicado hoje enviado à imprensa, a Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) adianta que “a proposta de recomendação da assembleia intermunicipal da CIM Alto Minho vai ser remetida à Presidência da República, primeiro-ministro, ministra da Cultura, Direção-Geral das Artes, presidente da Assembleia da República e a todos os grupos parlamentares da Assembleia da República”.

A proposta foi aprovada na sexta-feira, em reunião daquele órgão, “por todas as bancadas representadas na Assembleia Intermunicipal da CIM Alto Minho”.

“É mais uma entidade regional a manifestar publicamente o seu apoio à FBAC, após a candidatura denominada “Fundação Bienal de Arte de Cerveira: a Arte Contemporânea integrada na sociedade e no mundo” ter sido considerada elegível, mas sem qualquer financiamento atribuído pelo Programa de Apoio Sustentado 2020-2021 da Direção-Geral das Artes (DGArtes)”, sublinha o comunicado.

A DGArtes revelou, em novembro, as três entidades culturais, todas da Área Metropolitana de Lisboa, que vão receber um total de 550 mil euros de apoio sustentado à criação, na área das Artes Visuais, para 2020-2021.

Os resultados definitivos do Programa de Apoio Sustentado 2020-2021 começaram a ser divulgados pela DGArtes no passado dia 16 de novembro e, na área das Artes Visuais, estes confirmaram os resultados provisórios anunciados em 11 de outubro.

No concurso de Artes Visuais, na área da criação, o júri considerou elegíveis para apoio oito candidaturas, mas só três obtiveram financiamento. A candidatura da bienal de Cerveira é uma das cinco para as quais não há dinheiro disponível.

“A Bienal Internacional de Arte de Cerveira é hoje uma marca com notoriedade nacional e internacional. Cultivando e estimulando a criatividade da região, tem vindo a atrair o público a um ritmo crescente e a alargar a sua incidência geográfica ao promover exposições em espaços culturais localizados noutros concelhos do Vale do Minho e da Galiza. Este fenómeno de descentralização cultural e internacionalização, tem vindo a proporcionar um espaço de encontro, interação, divulgação de ideias e uma oportunidade de projeção para artistas nacionais e internacionais”, refere a proposta de recomendação agora aprovada.

No comunicado hoje divulgado, a FBAC realçou que, “para a realização das bienais de Cerveira, a DGArtes tem contribuído pontualmente com apoios, que se materializaram nos anos 2013, 2015, 2017 e 2018 (anos de Bienal) com uma verba a rondar os 40 mil euros”.

“A candidatura submetida no corrente ano com vista ao desenvolvimento do trabalho da FBAC, no qual se integra a organização da XXI edição em 2021, não foi contemplado com qualquer financiamento”, destaca.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Cinquenta toneladas de lenha mantêm fogueira em convívio de Natal em Viana

No largo das Neves, comum a três freguesias

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Mais de 50 toneladas de lenha vão manter acesa, durante cinco dias, a fogueira de Natal num largo comum a três freguesias de Viana do Castelo, para promover o convívio natalício das populações do Vale do Neiva.

“Entre lenha e cepos conseguimos reunir 50 toneladas para a edição 2019 da fogueira de Natal. As árvores abatidas resultam de corte seletivo, árvores que estavam doentes ou que estavam a impedir o crescimento de outras”, disse hoje à agência Lusa, o porta-voz do grupo Lenhadores do Largo, que organiza o convívio, Joel Monteiro.

Joel Monteiro, do movimento cívico que organiza a fogueira de Natal no largo das Neves, comum às freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe, adiantou que “na época própria serão plantadas mais de uma centena de árvores” na zona onde agora foi realizado o corte seletivo.

Além daquela plantação, o grupo Lenhadores do Largo “vai oferecer à comissão de baldios de Carvoeiro 120 pés de azevinho”.

Além da vertente “ambiental e de sustentabilidade”, a fogueira de Natal do Largo das Neves, iniciada há três anos por um grupo de cidadãos do Vale do Neiva, pretende promover o convívio próprio da época.

No dia 21 de dezembro, a partir das 16:00, “dia e noite” a fogueira de Natal “aquecerá as conversas entre conterrâneos, amigos, vizinhos”.

“Com o pretexto do calor e da luz do fogo conviverão, confraternizando e reencontrando velhos amigos”, adianta a organização.

A lenha, que começou a ser recolhida em outubro, encheu oito tratores e vai manter a fogueira do Largo das Neves a arder entre os dias 21 e 25 de dezembro.

“O fogo, que durante imensos séculos e milénios serviu para proteger, guiar e reunir as pessoas e definir famílias, comunidades e sociedades, será novamente um motivo para a reunião, diálogo, convívio e reflexão numa quadra festiva de encontros e reencontros”, sublinhou o grupo de Lenhadores do Largo.

O largo das Neves, tem um “pedaço” das freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe. É naquele espaço que foi construída, no início do século XVII, a Mesa dos Três Abades, iniciativa dos párocos para assinalar o fim das discórdias em relação aos limites das três freguesias.

Ao longo dos anos, e numa altura em que eram os párocos quem mais ordenavam, a Mesa dos Três Abades assumiu-se como uma espécie de fórum popular, já que era ali que eram discutidos e tratados os assuntos de interesse da comunidade, do foro eclesiástico e do civil.

Além da fogueira, “haverá animação e petiscos, entre eles, chouriças feitas pelos próprios lenhadores”.

No recinto estará disponível o “novo mobiliário produzido pelo grupo com tábuas de madeira para proporcionar conforto a todos os que participarem no convívio”.

“Os Lenhadores do Largo procuram através desta iniciativa contribuir para a dinamização, promoção e envolvência das três comunidades que se encontram no Largo das Neves”, destaca o movimento cívico.

Continuar a ler

Alto Minho

Investimento de mais de 250 mil euros para alargar rede de esgotos em Ponte de Lima

Coletor de saneamento na Estrada Nacional (EN)306, entre as freguesias de Cabaços e Fojo Lobal, e a freguesia de Freixo

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Câmara de Ponte de Lima informou hoje que vai assinar, na quarta-feira, pelas 15:00, o auto de consignação da empreitada de alargamento da atual rede de esgotos – Cabaços/Freixo, num investimento estimado de 254.870 mil euros.

Em nota hoje enviada à imprensa, a autarquia liderada por Victor Mendes (CDS/PP), revelou que a empreitada terá início no primeiro trimestre de 2020.

A intervenção “visa a instalação de um coletor de saneamento na Estrada Nacional (EN)306, entre as freguesias de Cabaços e Fojo Lobal, e a freguesia de Freixo”.

A extensão da conduta e ramais, prolonga-se por 4.200 metros, e está integrada num projeto global, que pretende resolver os problemas de saneamento de várias freguesias da margem sul do rio Lima.

Continuar a ler

Populares