Seguir o O MINHO

Cávado

Esposende aposta no robalo como prato para atrair turistas

Gastronomia

em

Foto: DR

A campanha “O Robalo está aqui” arranca hoje em Esposende e pretende tornar o concelho “num destino gastronómico de referência ligado ao mar”, sendo ainda uma “força impulsionadora” da economia local através dos seus “produtos endógenos”.


Apresentada hoje, a campanha, inserida num programa das Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, que pretende apresentar 24 “pratos de excelência”, um por cada concelho, a campanha daquele município de Braga integra já mais de 30 restaurantes, cada um com as suas especialidades de robalo e todos comprometidos com as medidas de segurança recomendadas pela Direção Geral de Saúde.

Robalo do mar escalado na brasa, confecionado a vapor, em modo de cataplana, com arroz caldoso, em forma de escabeche, no forno, são algumas das propostas mas, garante a organização, ” independentemente da forma de ser cozinhado será sempre um excelente repasto” com um produto da terra.

“Escolhemos o Robalo como poderíamos escolher o Polvo, o vinho ou o marisco. O objetivo é tornar Esposende num destino gastronómico de excelência ligado ao mar, porque o nosso lado atlântico não se esgota no Robalo,” afirmou na apresentação o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

Além do lado gastronómico, a iniciativa tem um lado económico: “É também função do município promover os nossos produtos endógenos de forma a ajudar os agentes económicos, aqueles que já estão no terreno e aqueles que podem surgir”, explicou.

“O Robalo está aqui” quer, assim, “impulsionar a retoma económica, enquanto realça o que de melhor tem na tradição culinária, na cultura atlântica, nas opções de restauração e na produção local de alimentos”, referiu o autarca.

A lista de restaurantes aderentes está disponível no website do Visit Esposende, sendo que o programa conta ainda com workshops para os restaurantes com o chef Marco Gomes e com a nutricionista Elsa Madureira.

Do programa consta ainda, em agosto, um evento para influenciadores digitais, onde os convidados ficarão a conhecer as especialidades da região.

Anúncio

Barcelos

Domingos Pereira acusado de uso abusivo de viaturas da Câmara de Barcelos

Peculato

em

Domingos Pereira, vereador independente e ex-vice-presidente da Câmara de Miguel Costa Gomes. Foto: DR

O Ministério Público acusou de peculato e abuso de poderes o ex-deputado socialista Domingos Pereira, pela alegada utilização de viaturas do município de Barcelos para deslocações de e para a Assembleia da República.

Segundo nota hoje publicada na página da Procuradoria-Geral da República, na altura dos factos Domingos Pereira era também vereador na Câmara de Barcelos, em regime de não permanência.

Contactado pela Lusa, Domingos Pereira manifestou-se “de consciências completamente tranquila”, adiantando que “tudo há de ser esclarecido no âmbito do processo, para que a justiça venha ao de cima”.

O Ministério Público considerou indiciado que Domingos pereira, entre novembro de 2015 e o março de 2016, “utilizou para se deslocar entre a Câmara Municipal de Barcelos e a Assembleia da República, e regresso, três viaturas automóveis que estavam afetas exclusivamente aos membros do executivo da autarquia, assim como os serviços do respetivo motorista funcionário da Câmara Municipal de Barcelos”.

De acordo com a acusação, estas deslocações ocorreram, “exclusivamente”, no âmbito do exercício do mandato como deputado e não por motivo de serviço para a Câmara Municipal de Barcelos.

A acusação sublinha ainda que o arguido, enquanto vereador em regime de não permanência, “não tinha direito ao uso de viatura municipal, nem a motorista, quando a sua utilização não fosse por motivo de serviço da autarquia ou para assistir às reuniões ordinárias e extraordinárias dos respetivos órgãos”.

Sublinhando que o arguido, enquanto deputado, “sempre recebeu” o subsídio relativo às deslocações entre a residência e a Assembleia da República, o Ministério Público acrescenta que Domingos Pereira, com a sua conduta, causou com um prejuízo de 1.749,91 euros à Câmara de Barcelos.

Domingos Pereira desfiliou-se, entretanto, do PS e abandonou o lugar de deputado na Assembleia da República.

Fundou o movimento independente Barcelos, Terra de Futuro, pelo qual foi eleito vereador nas últimas autárquicas.

Continuar a ler

Barcelos

Barcelos: Pais fecham escola com troncos de árvore em protesto contra turma mista

Educação

em

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

Os encarregados de educação dos alunos da EB1 de Bárrio, em Roriz, no concelho de Barcelos, fecharam, esta quinta-feira, a escola com troncos de árvores em protesto contra a existência de uma turma mista, juntando 1.º e 2.º anos, quando há uma sala vazia. A GNR foi chamada ao local.

“Este ano é a primeira vez que há turmas mistas, não faz sentido nenhum sobretudo num ano como este de pandemia de covid-19”, afirma a O MINHO Rosa Barbosa, porta-voz do grupo de pais em protesto.

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

Foto: Pedro Luís Silva / O MINHO

Rosa Barbosa salienta que os “meninos do primeiro ano não estão preparados” para um ano letivo com exigências redobradas por causa da covid-19 e lembra que os do segundo “passaram o terceiro período em casa”.

“A professora tem cinco semanas para rever a matéria do terceiro período e os miúdos do primeiro ano ficam ali afastados”, critica.

“O pior é que estamos num ano de covid-19 e estão 22 meninos fechados numa sala com uma outra sala completamente vazia”, reforça esta mãe, acrescentando que foram contactadas as entidades responsáveis, como a Câmara, DGEsTE, DGS e Agrupamento de Escolas Vale de Tamel.

“Ninguém foi capaz de nos responder”, aponta Rosa Barbosa.

“Não entendemos como há freguesias vizinhas que têm salas com seis, oito e dez meninos e em Roriz optaram por fechar uma sala num ano destes. Vinte e dois meninos fechados numa sala separados com uma fita vermelha. Não faz sentido e estamos revoltados”, conclui.

A GNR foi chamada e fez diligências no local.

Na escola foram colocadas várias tarjas com frases de protesto e dezenas de encarregados de educação concentraram-se à porta do estabelecimento de ensino.

Por volta das 11:00, os troncos de árvore foram retirados pelos serviços da Câmara de Barcelos.

Entretanto, contactada pela Lusa, a Câmara de Barcelos diz que “sensibilizou em devido tempo” a Direção Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEstE) – Direção de Serviços da Região Norte para a situação, uma vez que compete a esta entidade a homologação das turmas.

Em resposta, a DGEstE informou que a constituição das turmas cumpriu o disposto na lei e que, como tal, e “por decisão superior, não será considerada a constituição de nova turma na Escola de Bárrio, Roriz, Barcelos”.

Em relação ao protesto de hoje, a Câmara diz desconhecer os autores, tendo o Agrupamento Escolar, em colaboração com a Câmara Municipal, solicitado a presença da GNR.

O MINHO tentou contactar a direção do Agrupamento de Escolas Vale de Tamel, mas sem sucesso.

Notícia atualizada às 12h41 com mais informação.

Continuar a ler

Cávado

Ponte de pedra que liga Esposende a Castelo do Neiva vai ser reconstruída

Obras públicas

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

A Câmara de Esposende vai avançar com a reconstrução da ponte do Sebastião, que liga o concelho a Viana do Castelo, numa obra orçada em cerca de 102 mil euros a suportar “em partes iguais” por ambos os municípios.

Anunciada pela Câmara de Esposende, na sua página da Internet, a intervenção da ponte que une Antas a Castelo do Neiva será assumida por si, que será “posteriormente ressarcida pelo município de Viana do Castelo”.

A obra está orçada em 102.090 euros, acrescenta.

A ponte foi construída em 1930 por ordem de um particular, à data o proprietário da azenha e do pesqueiro existente no local.

Ao longo do tempo, a ponte sofreu a queda de diversas pedras que compõem o seu tabuleiro, resultado do embate das árvores caídas ao rio em dias de tempestade.

“A última situação registada ocorreu em 22 de dezembro de 2019, quando a ponte sofreu uma derrocada em grande parte da sua extensão, motivada pelas fortes chuvadas e pelo consequente arrastamento de troncos de árvores que promoveram a queda do tabuleiro e de parte dos elementos dos pilares”, explica a autarquia de Esposende.

Com a empreitada prevista, refere, “serão repostos todos os elementos caídos, usando a tecnologia construtiva usada à data da sua construção original e em período seco”.

A câmara garante que “será mantida toda a sua forma inicial, distâncias entre elementos e aspeto geral”, sendo que “os pilares são compostos por três secções em alvenaria de granito” e que “apenas dois dos 14 pilares são formados unicamente por dois elementos”.

“Na estratégia de unidade territorial, a construção ou reparação de pontes afigura-se primordial, para facilitar a circulação e aproximar as populações e para tornar acessíveis territórios que evidenciem a forte vertente turística do concelho. De resto, esta travessia pedonal adquire manifesta importância e relevo, no que ao caminho da costa para Santiago de Compostela diz respeito”, lê-se.

Continuar a ler

Populares