Seguir o O MINHO

Alto Minho

Esporão compra Quinta do Ameal em Ponte de Lima

Empresa fundada por José Roquette aposta nos vinhos verdes

em

Foto: Divulgação

O Esporão, com sede em Évora, no Alentejo, comprou a Quinta do Ameal, em Ponte de Lima, anunciou a empresa de vinhos, esta segunda-feira. O valor do negócio não foi revelado.

Localizada em Refóios do Lima, na margem do rio Lima, já perto da fronteira com Arcos de Valdevez, a propriedade com cerca de 30 hectares pertencia à família do enólogo Pedro Araújo, do Porto, que explorava a quinta desde os anos 1990.

Fundado em 1973 por José Roquette, ex-presidente do Sporting, e Joaquim Bandeira, o Esporão tem base no Alentejo e é uma das mais importantes empresas de vinhos em Portugal, com uma faturação de 50 milhões de euros anuais, resultante da produção de cerca de 12 milhões de litros de vinho, que exporta, com preços entre 2,50 e 150 euros, para meia centena de países.

Nos últimos anos, o Esporão já havia comprado a Quinta das Murças, no Douro, e a Sovina, marca de cerveja artesanal. Entra agora no mercado dos vinhos verdes, numa aposta na diversificação e num projeto ao qual o enólogo Pedro Araújo continuará ligado.

“Com esta aquisição, o Esporão enriquece o seu portefólio”, diz a empresa em comunicado, destacando o facto de a Quinta do Ameal ser “pioneira na afirmação da casta Loureiro”, quer nos métodos de produção orgânica, diferenciação e oferta de “um portfólio completo, onde se inclui o enoturismo”.

Imagem: Google

Nas as lojas online, os preços dos vinhos e espumantes da Quinta do Ameal variam entre 6,95 e 54 euros.

Anúncio

Ponte de Lima

Homem ferido em acidente de trator em Ponte de Lima

Em Arcozelo

em

Foto: DR/Arquivo

Um homem ficou hoje ferido devido a um acidente com o trator que conduzia pelas 09:15, em Arcozelo, concelho de Ponte de Lima, disseram à Lusa fontes da Proteção Civil e dos bombeiros.

De acordo com os Bombeiros de Ponte de Lima, que estiveram no local, na origem do acidente esteve o “capotamento” do trator onde seguia um homem de 35 anos, que ficou ferido e foi transportado ao hospital de Viana do Castelo, estando ainda por apurar a gravidade do seu estado de saúde.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo disse à Lusa que um acidente com um trator provocou um ferido em Ponte de Lima e que o mesmo foi assistido por 14 homens, incluindo a equipa de uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER).

No local estiveram ainda duas viaturas e uma ambulância de Suporte Imediato de Vida dos bombeiros de Ponte de Lima e a GNR.

Continuar a ler

Alto Minho

Bienal de Cerveira lamenta falta de apoios e teme “futuro muito escuro”

Ausência de apoios da Direção-Geral das Artes à bienal mais antiga da Península Ibérica

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) lamentou hoje a ausência de apoios da Direção-Geral das Artes para 2020/2021, temendo um “futuro muito escuro” para a bienal mais antiga da Península Ibérica.

“É lamentável que a bienal tenha ficado, mais uma vez, fora dos apoios estatais para as artes. São resultados provisórios, ainda suscetíveis de reclamação, mas, a manterem-se, poderá estar em causa a subsistência a curto/médio prazo da Bienal de Cerveira. Teoricamente, a bienal é muito apoiada quer pelo Governo quer pelas entidades regionais de Cultura, mas depois na prática é o que vemos. O que constatamos é que há todo o apoio moral, apoio financeiro nenhum”, disse Fernando Nogueira.

Fernando Nogueira, que é também presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, adiantou que a manter-se a falta de apoios da Direção-Geral das Artes (DGArtes), a bienal “começa a não ter sustentabilidade”.

“A bienal de 2018 não teve apoio. A continuar assim, eu vejo o futuro das bienais de Cerveira muito, muito escuro, para não dizer negro”, reforçou.

Fernando Nogueira criticou que os apoios hoje conhecidos “fiquem circunscritos à região de Lisboa”.

“Só foram aprovadas três candidaturas da área de Lisboa [no concurso das Artes Visuais]. Parece que voltámos ao período que antecedeu o 25 de Abril, quando só os da capital é que tinham direito e ter acesso à Cultura”, atirou.

O presidente da FBAC acrescentou que “a candidatura apresentada aos apoios da DGArtes para a realização da bienal de 2020 é de cerca de 250 mil euros”, estimando que o orçamento para a próxima edição “ronde os 390 mil euros”.

“Já estamos a preparar a próxima bienal. Terá de ser, mais uma vez, a Câmara Municipal a fazer um esforço para tentar viabilizá-la. O projeto terá de ser amputado de uma parte importante. Espero que a Câmara ainda consiga fazer o esforço para suportar a próxima bienal”, observou.

A Bienal Internacional de Arte de Cerveira, a mais antiga da Península Ibérica, realiza-se desde 1978.

Em 2018, decorreu entre 15 de julho e 16 de setembro, e recebeu cem mil visitantes. A 20.ª edição apresentou mais de 600 obras, de 500 artistas de 35 países em 8.300 metros quadrados, num total de 14 espaços expositivos.

Um total de 102 entidades artísticas vão receber apoio no quadro dos Concursos Sustentados Bienais 2020/2021, segundo os resultados provisórios deste programa, divulgados hoje pela DGArtes.

De acordo com um comunicado da entidade responsável pela organização dos concursos de apoio público às artes, este resultado – com uma verba de 18,7 milhões de euros para o próximo biénio – “garante uma cobertura de 60% do total das 177 candidaturas elegíveis pelo júri”.

Estes resultados provisórios foram hoje comunicados às entidades candidatas e segue-se a fase de audiência de interessados, que terminará no dia 25 de outubro.

Os contratos com as estruturas com apoio realizar-se-ão até ao final do ano corrente, indica ainda a DGArtes.

Em maio, o museu da Bienal de Arte de Cerveira foi distinguido com o Prémio Museu do Ano 2019, atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM).

O Prémio Museu do Ano é uma das principais distinções atribuídas pela APOM, num total de 27 categorias a concurso, que distinguem, entre outras áreas, a melhor intervenção e restauro, o melhor catálogo, a melhor exposição, mecenato e projeto museográfico.

A distinção, este ano, do museu pela APOM, visa a entidade responsável pela organização e gestão do acervo de obras de arte criado ao longo do decurso do certame dedicado à arte contemporânea, que se realiza há mais de 40 anos, em Vila Nova de Cerveira.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Politécnico de Viana lança em janeiro plataforma de notícias “inovadora”

Avançou a vice-presidente da instituição

em

Foto: DR/Arquivo

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) vai lançar, em janeiro, uma plataforma “pioneira e inovadora” que fornecerá notícias e agregará a informação de todas as escolas e serviços”, disse hoje à Lusa a vice-presidente da instituição.

Segundo Ana Paula Vale, que é também responsável pela comunicação e imagem do IPVC, a “sala de imprensa do politécnico irá permitir aos jornalistas, devidamente acreditados, aceder a toda a informação do instituto em diversos formatos (texto, imagem, áudio ou vídeo), assim como os contactos dos principais intervenientes da notícia em causa”.

A plataforma, “já em fase de teste”, começou a ser desenvolvida há seis meses, tendo sido “desenhada ainda durante a anterior direção do IPVC, liderada por Rui Teixeira, e tem apenas custos inerentes ao fator humano ligado à informática”.

“O desenvolvimento da plataforma está a ser feito internamente, e deverá estar completamente operacional em janeiro de 2020”, referiu.

Segundo Ana Paula Vale, “a ideia foi a de construir uma sala de imprensa, muito semelhante a um mural de uma rede social na sua filosofia e, que permita registar a hora e a data, e a inserção com o relato da notícia editada em critérios jornalísticos”.

“No anexo da notícia, os jornalistas devidamente acreditados, poderão retirar o texto, as fotos e vídeos editados ou em bruto, nos formatos digitais mais comummente usados nos órgãos de comunicação social e nos produtores de conteúdos. Encerrada a notícia, a mesma fica disponível, de imediato, no portal multimédia para consulta de todos, e constituirá, igualmente, um registo, consultável em qualquer momento, como suporte de informação sobre a vida do IPVC”, explicou a vice-presidente do IPVC.

Ana Paula Vale adiantou que “se por um lado, tudo o que acontece no IPVC e nas suas seis escolas fica registado em pormenor, num ‘BackOffice’, os jornalistas poderão aceder a toda a informação inerente às notícias, ao conteúdo na integra, nos mais diversos registos, seja qual for a natureza dos órgãos de comunicação social, sem outros custos que sejam os de aceder à plataforma digital”, disse.

Com cerca de cinco mil alunos, o IPVC tem seis escolas – de Educação, Tecnologia e Gestão, Agrária, Enfermagem, Ciências Empresariais, Desporto e Lazer -, ministrando 28 licenciaturas, 40 mestrados, 34 Cursos de Técnicos Superiores Profissionais (CTESP) e outras formações de caráter profissionalizante.

Além das escolas superiores de saúde, educação e tecnologia e gestão, situadas em Viana do Castelo, o IPVC tem escolas superiores instaladas em Ponte de Lima (Agrária), Valença (Ciências Empresariais) e Melgaço (Desporto e Lazer).

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares